segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Notícia Fresca

Parece que vem aí um novo ano.
O Maratonista tentou confirmar o facto mas esbarrou no mutismo dos interlocutores.
Se calhar para a próxima não enviamos Mamede, o mimo mudo, para confirmar estas coisas...
Até para o ano, se a notícia se confirmar.

Mateus Bichoso, repórter horroroso

P.S. - este blog está mesmo, mesmo a ser ultrapassado pelo Krónikas Vinícolas no número de visitas e em metade do tempo! Se um de nós assinasse como "cínico encartado" até podia dizer que afinal isto era um país de bêbados sisudos, mas nem quero acreditar nisso. Os tugas não são sisudos!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

E o entrecote, meu deus?!




Soube que os hipermercados Carrefour, comprados pela Sonae, vão alterar as insígnias no próximo dia 4 de Janeiro.
Só temo mesmo que deixe de haver bifes de entrecote no novo Continente...

tuguinho, cínico carnívoro

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Descubra as diferenças

Noite de Natal. Filme agendado pela SIC: "A Guerra dos Mundos".
Independentemente da qualidade da película (já lá vamos), exibir um filme com esta temática na noite de Natal parece-me, vamos lá, descabido (vamos ficar por aqui porque a época é de boa vontade...). Além disso (já tinha dito que lá iríamos!), o filme não tem ponta por onde se lhe pegue e quem não conhecer a história nem sequer vai perceber nada. A "obra" é, de uma ponta à outra, uma mera exibição de efeitos especiais sem quaisquer laivos de linha narrativa, com personagens de catálogo e onde acho que o Tom Cruise (ao nível do resto) não diz 3 frases seguidas... Cá para mim, que não sou de intrigas, o Spielberg tinha o saldo da conta em baixo e esta encomenda caiu que nem ginjas!
Quarta-feira, dia 26. Filme agendado pela RTP-1: "Charlie e a Fábrica de Chocolate".
Independentemente da qualidade da película (já lá vamos), exibir um filme com esta temática seria o mais adequado para a noite de Natal mas pronto, exibi-lo hoje também não foi despropositado. Além disso (já tinha dito que lá iríamos!), o filme é mais uma pérola de Tim Burton (que também tem as suas nódoas...) que mostra bem como um filme para crianças (será?) pode sê-lo para todos. Um conto de fadas moderno que ilustra como se pode fazê-los sem terem necessariamente de incluir princesas e bruxas... Pois, o Johnny Depp também mete o Tom Cruise num sapato, é verdade!
Conclusão: a RTP, desde que se deixou de estúpidos mano-a-mano com as privadas, melhorou significativamente; a SIC, na sua guerra de audiências com os subprodutos da TVI, só se vai afundando cada vez mais...
Tenho dito!

tuguinho, cinéfilo amador

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Gala de Aniversário das Krónikas - Episódios da Festa II

Na impossibilidade da presença de José Castelo Branco outras personalidades vieram abrilhantar a Gala.






aprovado por Idálio Saroto, provedor deste blog...

Gala de Aniversário das Krónikas - Episódios da Festa I




aprovado por Idálio Saroto, provedor deste blog...

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Venham mais quatro!*



Foi há tão pouco tempo e parece que foi já há quatro anos!… Hmmm? Ah pois, foi mesmo há quatro anos que este antro abriu as portas e deixou que a parvoeira, a indignação, a raiva, a parvoeira outra vez, a elevação, o humor e outras coisas menos nomináveis saíssem assim de uma vez e todas misturadas, tipo “chama-o-gregório” após noite de excessos.
Ao longo destes “4x365+bissextos” dias muita coisa nos passou pelos teclados, mas há pessoas e animais a quem temos de agradecer: a Santana Lopes, pela produtividade que em nós induziu, ao Titta, pela diversão proporcionada pela aridez das suas ideias ao longo de uma polémica atroz, ao Politikos, por ter travado connosco a batalha mais engraçada desde Aljubarrota à volta da identidade de um cabrito, e a tantos outros que, levados pela insónia ou pelo azar, vieram parar a este blog e nos leram. Só um momento, para limparmos estas lágrimas teimosas… pronto, já está!
Ao fim destes quatro anos tivemos altos e baixos e até mesmo gordos e magros, decerto. Mas soubemos manter-nos à tona (temos muito medo das gralhas…) flutuando à custa das nossas ideias parvas, das indignações justas e das bóias de braço que nos ofereceram quando meninos. É pois cultivando sempre o humor que nos vamos manter, mesmo nos assuntos mais sérios, esperamos que pelo menos por mais quatro anos, se mantivermos a força na pena.
Vamos lutar sempre pelas coisas justas, tais como o direito a ter um clube de fãs em que todas elas sejam pelo menos tão boas como a Scarlet Johansson e tenham a abertura moral da Paris Hilton.
Digladiar-nos-emos (difícil de ler, esta, ahn?) com quem quer que seja quando soubermos que a razão está do nosso lado, e mais ainda quando não a tivermos.
Insultaremos quem pensar o mesmo que nós, porque assim o país nunca irá para a frente.
E, por último mas não esquecido (vêem – o português tem boas alternativas a “last but not the least”!), chacinaremos todos os agressores do bom português, o que esperamos irá reduzir a população portuguesa a um décimo da actual e deixará o Brasil despovoado.
Posto isto, continuaremos a toda a brida a postar sempre que a preguiça nos deixar (eu sempre disse que ela não ia ser um bom animal de estimação…), e a nunca falar de touros ou touradas ou toureiros, excepto para dizer que nunca falaremos de touros ou touradas ou toureiros.
Só mais este parágrafo para informar que depois de termos dito que era a última coisa já escrevemos mais dois!
E finalmente, neste dia de aniversário, um agradecimento muito especial a todos aqueles que não nos lêem, porque só mostram que têm bom gosto. Pessoas assim não podem ser más pessoas!
Bem hajam!

tuguinho e Kroniketas, os diletantes preguiçosos

*portanto, menos um que na canção do Zeca Afonso...

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

O quarteto gay e lésbico

Volto a este tema, a propósito de um post anterior, por causa dum programa que ouvi há algum tempo no Rádio Clube Português. Na emissão da tarde apanhei o “Janela aberta” em que o painel de convidados era um tal “quarteto gay e lésbico”, e o tema era um estudo que dava conta de que a população portuguesa poderia baixar dos 10 milhões durante este século.
O sui generis neste painel era ter um “quarteto gay e lésbico” a pronunciar-se sobre o assunto. Pois se eles não são contribuintes para a demografia do país, por que raio é que têm de mandar bitaites sobre o assunto? Então um casal gay ou lésbico terá alguma forma de contribuir para o aumento da natalidade?
Claro que no meio disto lá vieram os lamentos do costume de um dos membros do casal lésbico acerca da impossibilidade de fazer inseminação artificial, acrescendo a injustiça de “ter de se relacionar com um homem de quem não gosta” para poder engravidar.
Hummm... Deixem-me ver se entendo: a menina ou senhora gostaria de engravidar. Para isso gostaria de recorrer à inseminação artifical, porque até agora, que se saiba, ainda não inventaram nenhum modo de engravidar sem ser com esperma... obviamente fornecido por um homem. Sendo assim, ela precisa do esperma de um homem, mas não quer contactos com o pénis do homem... Será assim? E sente-se injustiçada por isto? Olha que azar!
Pois é: estes não-contribuintes líquidos para a natalidade mais valia estarem calados e não abrir a boca sobre o assunto, porque não é com o seu contributo que a população vai aumentar. Aliás, se toda a gente seguisse o mesmo princípio a espécie acabava. Por isso, se não querem fazer filhos como toda a gente aguentem-se com a escolha que fizeram.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

O cair da folha em Portalegre

Cenários quase irreais

Na Praça da República...


...na Quinta do Seixo...


...e na Tapada do Chaves.


Kroniketas, enófilo itinerante

Já chega


Começa a não haver adjectivos desqualificativos para Alberto João Jardim. O verme da Madeira agora resolveu banir do arquipélago os jornais do continente, com excepção do Expresso por, segundo o próprio, ser o “resumo semanal dos principais disparates do rectângulo”, e o Diabo por “solidariedade editorial” (não admira: para um verme, só um execrável pasquim inspirado pela não menos execrável Vera Lagoa).
Não há ninguém neste país com “eles” no sítio que ponha esta insuportável criatura na linha? O homenzinho é um déspota saloio com a mania de que é engraçadinho e que está acima da lei, bradando constantemente contra os “cubanos” do continente que mandam para lá os rios de dinheiro do orçamento que lhe sustentam as manias que lhe permitem estar há três décadas na cadeira do poder.
E se lhe fechassem a torneira de vez? E se fizessem aplicar na Madeira a lei geral da República? Afinal ele pode fazer o que quer e lhe apetece, como um pequeno ditadorzeco de quintal que põe e dispõe a seu bel-prazer enquanto goza com a nossa cara todos os dias? Por que carga de água é que teremos de aturar os seus dislates constantemente e mesmo assim ainda pagar para ele se exibir ridiculamente nos desfiles de Carnaval?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

O fala-barato


Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, disse no final do jogo do Benfica na Ucrânia, onde uma vitória qualificou a equipa para a Taça Uefa:
“Esta vitória é dedicada, em exclusivo, a todos aqueles que vivem à custa de dizer mal do Benfica. Demos mais uma prova de grande carácter e de grande humildade deste grupo e do trabalho que fazemos diariamente. Não dêem lições de organização ao Benfica quando não sabem organizar as suas próprias vidas”.
Claro. O homem é infalível. Já há uns meses, depois da barraca que foi a colocação das claques do FC Porto no estádio da Luz no jogo da época passada, ele disse que a sub-comissária da PSP não lhe dava lições de segurança. Faz sentido, afinal a PSP não percebe nada de segurança nos estádios, quem percebe é o omnisciente Luís Filipe Vieira.
O homem não se enxerga. Cada vez que abre a boca diz uma asneira, e não resiste a debitar alarvidades sempre que lhe põem um microfone à frente. Se ao menos aprendesse a falar português correctamente não dizia tantas asneiras. Mas como ninguém lhe dá lições de coisa nenhuma, essas certamente também não quer. E enquanto vai cagando sentenças contra “os incompetentes e os invejosos”, a equipa de futebol vai-se afundando. Fica à vista a sua competência na construção do “melhor plantel dos últimos 10 anos”, assim como há uns anos da “equipa-maravilha”.
Acho que é tempo de os benfiquistas deixarem de andar atrás de vendedores de ilusões e de banha da cobra.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Torcato & Marcelino, o Trio Maravilha - Ep.2- 2ª Série

A greve geral
Ó a contradição de regressar ao trabalho com uma greve…

(clique na imagem, por obséquio e também para ver melhor)
por Eládio Cardíaco, bd-maníaco

O que os outros disseram (XXXVII)

“Parece que com a saída de Fernando Santos, Rui Costa reencontrou-se consigo próprio, reencontrou-se com a equipa e reencontrou-se com o Benfica.”
(Rui Santos, “Tempo extra”, Sic Notícias, 25-11-2007)

Foi o Rui Costa e mais 6 milhões...

blogoberto, chico-esperto

sábado, 1 de dezembro de 2007

Um século de “derbies”




Faz hoje 100 anos que se jogou o primeiro Benfica-Sporting da história, ainda com o Benfica com o antigo nome de Sport Lisboa. O Maisfutebol criou um site especial dedicado a toda a história deste jogo mítico, com todos os resultados dos jogos realizados, goleadores, treinadores, estádios, e todo um manancial de informação que, como comentava o tuguinho comigo, mostra o que é jornalismo a sério. É preciso muito trabalho para fazer uma compilação desta envergadura que, para os amantes dos registos estatísticos, apresenta dados preciosos.
A não perder por todos os aficionados dos dois clubes.

Gabriel Alves dos Santos, tanto comenta livres como cantos

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Outra vez a Pantera Rosa

Agora é por causa duma campanha da cerveja Tagus. Os rosas sentiram-se atingidos por uma campanha que dizem ser sexista, discriminatória e homofóbica, e fizeram uma contra-campanha num blog a ridicularizar a outra.
Ridículos são eles. Eles podem publicitar o seu “orgulho gay” mas sentem-se ofendidos por uma campanha que apela ao orgulho hetero. E os outros têm de lhes aturar as manias...

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Pontapé na atmosfera

Um novo blog de análise do futebol, de autoria dum habitual leitor das Krónikas Tugas. À parte ser sportinguista (não se pode ter tudo...), faz uma boa abordagem dos aspectos técnicos e tácticos do jogo, com bom recorte técnico. Tomara muitos treinadores encartados terem a leitura de jogo que ele tem...
Vale a pena visitar.

Kroniketas

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

2099?

Depois de meter os pés pelas mãos, o Ministro das Obras Públicas não conseguiu desmentir um decreto do governo que dá a concessão rodoviária do país às Estradas de Portugal até 2099. Tentando mostrar que a coisa não é assim tão escandalosa, o inefável Mário Lino disse que, afinal, a concessão é “só” de 75 anos, o que faz toda a diferença.
Desta gente já nada me surpreende. O que eles não conseguiram explicar foi o que é que justifica que se ceda uma concessão, seja ela qual for, até quase ao fim dum século que ainda vai na primeira década. Em 2082 ou 2099, nenhuma desta gente já cá estará, nem os seus filhos, pelo que só os nossos bisnetos é que se poderão ver livres desta concessão. Que legitimidade tem um governo para entregar de bandeja uma benesse a uma empresa durante 3 gerações? O que é que está por trás disto? Será um compromisso para entregar um tacho aos futuros administradores das Estradas de Portugal e aos seus descendentes no século XXI?
E que poderes vai ter esta empresa? Os de instalar portagens em qualquer estrada que lhe apeteça para nos vir aos bolsos? Será que ainda viremos a ter cá uma réplica dos protestos de Paris?
O governo de Cavaco Silva começou a cair por causa de um buzinão. Parece que este país está a precisar é de um mega-buzinão para pôr esta corja na ordem.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

domingo, 18 de novembro de 2007

O que os outros disseram (XXXVI)

“Eu acho que tudo aquilo que seja organismo dependente do ministro Mário Lino está sob suspeita.”
(Miguel Sousa Tavares, “Jornal Nacional”, TVI, 13-11-2007)

Eu acho que tudo aquilo que seja dependente do ministro Mário Lino está sob suspeita.
Eu acho que o ministro Mário Lino está sob suspeita.

blogoberto, chico-esperto

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

As Grandes Entrevistas do Maratonista - I

Mateus Bichoso entrevista Mamede, o mimo mudo


-Diga-me Mamede, sendo uma das maiores figuras internacionais da mímica, como ultrapassou a sua deficiência e conseguiu singrar numa área tão difícil?
- …
- Ah, ok! Portanto avançou mais depressa do que os outros aprendizes porque não perdia tempo com conversas. Mas como se fazia entender pelos outros colegas?
- …
- Por gestos? É engraçado, parece uma situação igual à história do ovo e da galinha! Como é que fazia se ainda estava a aprender mímica?
- …
- Como?
- …
- Já tinha braços… entendo. E depois da escola, como foi entrar no mundo do trabalho, arranjar espectáculos, etc.?
- …
- Foi fácil?!? Mas como é que…
- …
- Ah! Convencia-os logo a contratá-lo porque tinha de falar com eles através dos seus gestos…
E o seu nome artístico, Mamede, é uma homenagem singela ao grande mimo Marcel Marceau?
- … … … prrrrróóóóó!
- Meu Deus! Pfffffff! Tá podre! Portanto, a homenagem é ao Fernando Mamede e o Marceau não valia um peido?!
- … prrrrróóóó … …
- Pffff! O que é que quer dizer com isso? Eu também não ando lá longe?!?
- …
- Castanheira! Ó Castanheira!
- Qu’é que foi agora, ó Mateus?
- Se o sacana do mudo torna a gozar comigo vais ver o gesto que lhe faço!
- Qual? Aquele que ele te está fazer agora?
- Filho da mãe! Sacana do c…!
[…]
- Parece impossível, Mateus! Acaba lá a entrevista!
- Azie?!
- E depois? Só estás com algodão no nariz, não é na boca! Ele é mudo mas tem punhos, não é paralítico! Vá, continua lá com essa treta que é para sair na próxima edição.
- …Gorre blus bentideros du beio ardisdíco gue foi condradado bur um blog borduguês. Isso ê verdade?
- …
- E budemos zaber gue blog ê esse?
- …
- Gródigas Dugas? Mach esses já dêm o Dorcado e o Barcelido!!
- …
- Um gaunzego e um darigudo que só dizêne berda?
- …
- Pois zenhore Babede, dezaju-lhe buida sorde, burgue eles já estão ali à zua esbera!
- …
- Olha, dão zabia gue ze budiam dizêre dandas asneiras gom os brazus! E gorre debreza, o zacana! Abanha-o Dorcado! Dá-lhe Barcelido!

(transcrição da escuta nº 35107 do mês de Novembro de 2007, no âmbito do processo de possível combinação de preços na lota de Matosinhos, onde o suspeito foi visto a comprar fanecas pelo agente Dálio, nos idos de 1997)

terça-feira, 13 de novembro de 2007

O que os outros disseram (XXXV)

“Quinze pessoas morreram porque um ligeiro abalroou um autocarro numa zona da A-23 sem qualquer perigo e em condições de circulação ideais. Fez-se um teste de álcool e de droga à condutora, que acusou negativo; procuraram-se indícios de excesso de velocidade, mas sem resultado. Mesmo assim, escreveram-se os inflamados artigos do costume sobre a mortandade rodoviária e o Governo tratou de anunciar maior repressão sobre o excesso de velocidade e o consumo de álcool ao volante. À preguiça comodamente instalada não ocorreu considerar a hipótese de que o acidente se possa ter ficado a dever à mais comum causa de morte nas estradas portuguesas: a inépcia ao volante. Sucede que, apesar dessa figura de estilo chamada exames de condução, nem toda a gente está habilitada a conduzir um carro. Recusando aceitar esta evidência, procura-se sempre uma causa externa que possa justificar os acidentes e, quando não há, remete-se invariavelmente para o excesso de velocidade. E como a má condução não constitui infracção, quando nem o excesso de velocidade se consegue provar, a culpa morre solteira e o condutor segue em frente. As estradas de Portugal estão cheias de condutores que causaram acidentes e mortes por simples inépcia e que continuam tranquilamente a conduzir.
Há anos que eu defendo isto: que o cadastro rodoviário tenha por base os acidentes causados e não as infracções cometidas. Para que não se tire a carta a quem estacionou na passadeira de peões ou foi flagrado numa auto-estrada deserta a 150 à hora, e se mantenha ao volante quem deixou para trás mortos e feridos, sem contudo ter cometido qualquer infracção. Mas para isso era necessário que, em vez da caça à multa, que dá dinheiro à polícia e ao Ministério das Finanças, o objectivo primeiro passasse a ser o de retirar das estradas os condutores perigosos.”
(Miguel Sousa Tavares, “Expresso”, 10-11-2007)

É preciso dizer mais alguma coisa?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Caça às bruxas no Benfica


Caça às bruxas? Eu acho que há caça aos benfiquistas. Oxalá eu me engane, mas cada vez mais a postura de Luís Filipe Vieira se começa a parecer com a de Vale e Azevedo, a postura do quero, posso e mando, eu é que sei, eu é que sou o bom. Aliás, na pesada herança que Vale e Azevedo nos deixou, foi precisamente com ele que começou a “caça aos benfiquistas”, correndo com tudo o que era benfiquista do clube e entregando a gestão das áreas fulcrais a sportinguistas ou ingleses. Essa mentalidade foi instilada nos benfiquistas nessa altura e permanece até hoje, gerando-se a convicção de que ter benfiquistas a servir o clube é mau. Por isso saiu Toni, por isso saiu Simões, por isso foram entrando, saindo e voltando a entrar pessoas como Álvaro, Chalana, etc.
Eu posso ser um romântico que vê o futebol como há 30 anos, mas era bom que os dirigentes não perdessem de vista uma coisa: é que sem os adeptos e os sócios, os clubes simplesmente não existiriam, portanto nem sequer haveria SAD’s nem profissionais doutros clubes, principescamente pagos com as receitas que os adeptos lá deixam (os adeptos, esses “tansos” que ainda vêem o futebol com romantismo e amor à camisola), a gerir essas mesmas SAD.
Eu sou sócio do Benfica há 30 anos, com lugar cativo no novo estádio e accionista, com modestas 50 acções. Mas sou, acima de tudo, benfiquista, e quero ver benfiquistas a gerir os destinos do meu clube. Acima de tudo, não gosto de ser enganado nem de ser tratado como atrasado mental, como acontecia no tempo de Vale e Azevedo. Infelizmente, parece que esses tempos começam a querer voltar. Se Vieira acha que os benfiquistas são incompetentes e não servem para estar no clube, então seria melhor que começasse por questionar a sua própria competência e o seu benfiquismo, porque isto de termos um presidente que é sócio dos outros grandes também deve ser caso único. E os supostos “incompetentes, invejosos e intriguistas” de que ele fala, foi ele que os levou para lá, portanto é ele o culpado de eles estarem no clube. E quanto à sua competência na área do futebol, ficou bem à vista de todos com a preparação para esta época. Se tem trazido algumas inovações interessantes na área da gestão empresarial, na área da gestão desportiva é um completo desastre. Portanto, segundo esse princípio deveria ser ele o primeiro a sair.
E já agora, não me esqueço que quando ainda não era ninguém no Benfica, apenas tinha sido convidado por Manuel Vilarinho para gestor do futebol (e não podia assumir nenhum cargo porque ainda era presidente do Alverca), Luís Filipe Vieira chamou “papagaio” ao Presidente da Assembleia Geral, Paulo Olavo Pitta e Cunha, que foi seguramente o melhor nesse cargo nos últimos 25 anos. Portanto, se há alguém que devia estar calado para não nos estar sempre a brindar com baboseiras e pontapés na gramática era o próprio Luís Filipe Vieira. Se há algum papagaio é ele próprio, que não consegue estar calado e até se dá ao desplante de querer dar lições de segurança a uma Comissária da PSP. Não há pachorra. Começo a estar farto dele até por cima dos cabelos.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

A continuada ignomínia das juntas médicas

Ontem à noite entrei no portal do Governo e enviei ao Primeiro-Ministro a missiva que se segue:

“Não posso deixar de manifestar a minha indignação e o meu repúdio pela continuação da ignomínia que tem acontecido com as juntas médicas da Caixa Geral de Aposentações. Ainda ontem vi no telejornal mais um caso verdadeiramente escandaloso, que só num país de fantoche como este é que pode acontecer. Isto é pior que o terceiro mundo. Uma mulher que está quase imobilizada e não consegue fazer nada sozinha foi mandada apresentar-se no serviço porque é muito nova para se reformar. Para além de chocante, isto é profundamente revoltante para qualquer ser humano com um pingo de sentimentos e humanidade, coisa que os zelosos funcionários das juntas médicas parecem desconhecer.
Perante a sucessão de casos destes, não posso deixar de me perguntar que tipo de missão está aquela gente a fazer, se não serão mais uns “boys” ao serviço de um qualquer interesse obscuro. Pergunto-me também se a atitude seria a mesma se vissem um familiar seu na mesma situação. E pergunto-me ainda durante quanto tempo mais esta vergonha ainda irá durar e se você, sr. Primeiro-Ministro, mais o seu governo, não pretende fazer nada para pôr cobro a esta situação terceiro-mundista.
Se calhar isto vai durar até que algum doente mais exaltado, ou algum seu familiar, se levante da sua cadeira e dê com ela nas trombas de algum desses pseudo-médicos, que afinal não passam duns valentes pulhas!”


Por coincidência, hoje o Ministro das Finanças deu ordem à ADSE para reavaliar a situação. Vá lá, haja alguém ainda com uma réstia de bom-senso e vergonha na cara, que os filhos da puta das juntas médicas não têm nem uma coisa nem outra.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

Comparações

Pior que uma junta militar sul-americana, só mesmo uma junta médica portuguesa...

blogoberto, chico-esperto

domingo, 4 de novembro de 2007

Bamian e outras histórias


Assisti há alguns dias a um documentário, penso que da National Geographic, que falava sobre a arqueologia no Afganistão (Não, não falta nenhum “e”; é como em “Amsterdão”, percebem? Ai também escrevem com “e”? Então já nada posso fazer por vós…), entre outras coisas.
A inevitável época talibã servia de contraponto à situação actual em áreas tão diversas como a arqueologia (escavações no oásis de Bamian e tesouro bactriano), a arte (pintura e escultura) e o cinema (arquivo histórico).
Os talibãs tentaram eliminar tudo o que segundo os seus diminutos cérebros não era permitido pela religião muçulmana (versão hard), incluindo a música, as representações de seres vivos na pintura e na escultura (daí a destruição imunda dos budas de Bamian) e os arquivos cinematográficos históricos do país.
Pensavam-se perdidos irremediavelmente quilómetros de filmagens históricas, bem como inúmeras obras de arte da galeria nacional. E é aqui que se vê quão estúpidos podem ser os fanáticos! Podem ter até um grande QI, mas a visão distorcida da realidade toldar-lhes-á qualquer resquício de inteligência sempre.
Não é que um empregado da galeria nacional, em conjunto com um médico pintor, se lembraram, com risco das próprias vidas, em repintar os quadros com representações de seres vivos, tornando-os em inóquas cenas sem vivalma? Pintando a aguarela sobre o óleo, depois foi só passar um pano húmido para reaver a cena original. E os imbecis dos talibãs nem sequer sonharam com esta possibilidade!
Ainda mais rocambolesco e arriscado: os trabalhadores do arquivo cinematográfico construíram uma parede falsa frente à porta que dava acesso à sala onde se encontravam os negativos dos filmes, alterando mesmo a iluminação do corredor para uma melhor dissimulação, e limitaram-se a entregar cópias aos mentecaptos, para que as pudessem destruir alegremente.
Estas duas histórias mostram, como dizia o poema do Manuel Alegre, que

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Os heróis não usam armas.

tuguinho, cínico admirado

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Indecentes


A prestação do Benfica na Taça da Liga foi vergonhosa e inqualificável. Verdadeiramente indecente. Como benfiquista, sócio com lugar cativo e accionista, sinto-me revoltado e indignado com tamanha mediocridade. Pior que tudo, o treinador ficou contente por ter perdido. A equipa que escalou para entrar em campo foi uma manta de retalhos, sem qualquer nexo e cheia de equívocos. As declarações que fez no fim do jogo deveriam servir para o pôr na rua. Se entraram numa competição com o objectivo de perder, mais valia não terem lá ido para não sujeitarem os benfiquistas a estes espectáculos indecorosos e humilhantes. E se o treinador joga para perder vá-se embora.
Enquanto isso continuamos a assistir às palhaçadas do presidente que se farta de ameaçar que se vai embora mas nunca mais cumpre. É dele a culpa da excelente equipa que temos com este que é, segundo ele, o melhor plantel dos últimos 10 anos. Uma vergonha. Deviam ir todos para a rua.
Em cima disto, o artigo no site do Benfica acerca do jogo é patético, tentando mascarar a mediocridade da equipa de futebol.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Todos os santos nos valham!


O feijão "do" soja


Num telejornal de hoje, a jornalista explica o acidente com um veículo pesado carregado de soja referindo-se à carga repetidamente como "o soja"....
Não sabia que agora os jornalistas já nem precisavam de passar pela escola primária para o serem!!
Valha-nos deus, mesmo que não exista! Qualquer outra invocação perderia a luta com tamanha ignorância...

tuguinho, cínico descoroçoado

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Krónikas do Alto Alentejo (II)



A serra, a vinha, o montado

Aqui em Portalegre a vida corre mais devagar, há mais tempo para tudo (até para não fazer nada), e estou a 900 metros do local de trabalho, 2 minutos de carro e 12 minutos a pé, e na periferia da cidade já estou em pleno campo, com um quintal, oliveiras à porta, passarinhos a cantar de manhã. Mas no centro da cidade vêem-se, sobretudo, estudantes de capa e batina, supostamente da Escola Superior de Educação e da Escola Superior de Enfermagem. A semana passada deve sido tempo de praxe: uma rapariga tinha metade da cara pintada de roxo e outra tinha na cabeça umas orelhinhas do tipo-rato Mickey (porque raio não as tirou ela, pensei eu?).
Ir ao supermercado é quase como um passeio, não há quase ninguém, nem bicha nas caixas, e há quatro supermercados para aí num raio de 500 metros (Modelo, Intermarché, Leclerc e Lidl) e três bombas de gasolina, sendo que a do Leclerc vende combustível entre 10 e 15 cêntimos mais barato que as outras. Isto do outro lado da rotunda que as separa... Ali ao lado, a zona industrial com as poucas fábricas que restam, mais para a esquerda um estádio junto a um kartódromo e a zona onde se concentraram há duas semanas os jipes para a Baja de Portalegre, que vim a saber depois que já vai na 21ª edição e é um dos clássicos todo-o-terreno do país e uma das provas mais importantes. Quando saí para o regresso a casa eles andavam por ali, junto ao IP2, e o estacionamento nas bermas prolongava-se por quilómetros.
Aqui à volta a vinha é omnipresente, assim como a oliveira e o montado, este mais a caminho de Estremoz. Ainda se podem ver uns rebanhos a pastar perto da estrada. Empregos é que parece que nem por isso. Os lanifícios já tiveram a sua importância mas fecharam. À semelhança do resto do país, parece que o comércio e os serviços predominam. Só me pergunto é: se poucos produzem, como é que todos compram?
Subindo a serra de S. Mamede encontram-se várias propriedades vitícolas. Já passei à porta da Adega da Cabaça, da Quinta do Centro (de que o enólogo Rui Reguinga é um dos proprietários) e passei ao lado das Altas Quintas sem dar por isso. Ainda hei-de voltar e procurar também a Tapada do Chaves. E na Adega Cooperativa de Portalegre passo todos os dias...

Kroniketas, enófilo viajante

domingo, 28 de outubro de 2007

Cães e homens



Tem andado por aí a circular na net e já teve mesmo honras de jornal, uma notícia que diz que um malvado artista guatemalteco deixou morrer um cão vadio à fome numa sua exposição de arte. Tomando como verdade que foi isso mesmo que aconteceu (e se lerem a notícia do Expresso de hoje perceberão que isso não é líquido...), é realmente uma crueldade para com o pobre do bicho. Mas o problema não é esse - é a relativização que se faz das situações.
Então não é que vejo mais pessoas indignadas com a morte do cão do que com a morte de mais de 200.000 pessoas no Darfour? Pode realmente ter-me passado ao lado, mas não me recordo de ver petições tão exaltadas na Internet a pedirem a paz para aquele pedaço de terra. Ou assim uma petiçãozita a pedir para engavetarem os donos de rotweilers e afins que andam por aí a trincar pessoas.
Parece-me a mim que esta situação é da mesma estirpe das não-notícias, já aqui referidas pela pena do Kroniketas - está a transformar-se uma crueldade pessoal e remota num acontecimento artificialmente empolado e completamente desajustado da (possível) realidade que lhe deu origem...
Enterrem o canito, dêem um correctivo na besta e ide preocupar-vos com coisas realmente importantes.
Ah! E parem com a merda dos emails na net, que já há trampa demais a circular.

tuguinho, cínico encartado

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Anedota da semana

A CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários) perguntou a Jardim Gonçalves se tinha dado 12,5 milhões de euros ao filho.
Ao que o banqueiro respondeu:
- Oh, Puis Dei!

blogoberto, chico-esperto

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Disparates radiotelevisivos (2ª parte)

A caminho de Portalegre para uma nova semana de trabalho, vou ouvindo o noticiário da TSF. Notícia de abertura, a vitória de Kimi Raikkonen no campeonato do mundo de Fórmula 1. Não podia começar pior: a locutora de serviço apresenta-o como o piloto que a Ferrari escolheu para substituir... Ralf Schumacher!!! Depois vem um “especialista” traçar o perfil do finlandês e volta a apresentá-lo como substituto de Ralf Schumacher na Ferrari.
Incrível! Como é possível tanta incompetência, confundindo o irmão mais novo, ainda a correr pela Toyota, com o mais velho, 7 vezes campeão do mundo? Será que quem escreve (e quem lê) estas notícias tem alguma noção do que está a fazer?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

domingo, 21 de outubro de 2007

Disparates radiotelevisivos

“Sabe-se a esta hora que a Inglaterra já está na final da Taça do Mundo de Rugby. Os ingleses bateram a selecção de França por 14-9, em casa, num jogo decisivo que terminou há cerca de uma hora”.
(Sic Notícias, Jornal da meia-noite, 14/10/2007)

Em casa... de quem??? Por acaso foi na casa da França, mas é isso que é dito na notícia?

“O Fátima venceu o Sporting por 2-1 em jogo da 4ª eliminatória da Liga de Futebol”.
(Sic Notícias, Jornal da 1, 21/10/2007)

4ª eliminatória da Liga de Futebol? Qual Liga? Ninguém sabe que há uma Taça da Liga?

“Um bebé foi retirado aos pais por suspeita de maus-tratos. 36 dias depois da agressão, a Federação divulgou o castigo a Scolari”.
(Rádio Clube Português, 19-10-2007)

36 dias depois de qual agressão? Dos maus tratos do bebé? Há alguma separação entre as duas notícias, ou trata-se apenas de uma? Sem pausas?

Mas esta gente não sabe o que anda a fazer? São profissionais ou andam apenas a fazer um biscate?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

O caso Maddie, mas agora a sério

Já se falou demais deste caso. Mais: já se avançaram com as explicações mais estapafúrdias e rebuscadas para este caso! Mas é tudo tão evidente!
É mais do que claro que a Mossad está metida. Onde, não sei bem, mas está sempre metida! E a CIA, esses são outros iguais, mas que fazem tudo mal.
Ao que parece o rapto foi encomendado pelo Priorado do Sião depois do pai de Maddie ter recusado trocar o primeiro-ministro britânico por um clone, mas em travesti. Isto usando a sua intimidade com Gordon Brown. Daí ao envolvimento da máfia tchetchena apoiada financeiramente pela N'Drangetta e logisticamente pela Telepizza, foi um pequeno passo.
É tudo claro como água e ainda nem falei do envolvimento dos barões do betão da nossa costa sul, vejam lá!
Podem crer que voltarei ao caso.

Ângelo Prepúcio, detective lúcido

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

O penitente

Pois é, fui zurzido e com razão... directamente do norte alentejano.
Por isso, aqui me penitencio por ter alinhado muito poucas palavras em frases e estas em posts nos últimos tempos. Mas pelo menos não sou mentiroso, visto que me abrigo debaixo do epíteto de diletante preguiçoso.
Enfim, de promessas está aquele sítio quente cheio, mas vou ver se escrevo mais qualquer coisinha. Assim, de fininho.

tuguinho, diletante preguiçoso (um dos)

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Krónikas do Alto Alentejo (I)

Uma temporada em Portalegre

Cheguei Domingo à noite para umas semanas de trabalho. A antena parabólica não está ligada e a ligação à Internet sem fios da Zapp não funciona.
Sinto-me como se tivesse voltado à pré-história...

Kroniketas, um alentejano do sul na capital mais a norte

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Controlar os manifestantes?

Depois do que se passou com a polícia na manifestação da Covilhã, é impressão minha ou estamos a assistir a uma progressiva instalação de tiques pidescos?

blogoberto, chico-esperto

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Orçamento de Estado

O governo entregou a proposta de Orçamento de Estado para 2008. Deixem-me adivinhar o que vai acontecer: o PS vai votar a favor e toda a oposição vai votar e zurzir sem dó nem piedade no orçamento.
Vai uma aposta?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

O regresso de Nuno Golos


Finalmente, a noite passsada em Leiria o Benfica teve um Nuno Golos em lugar do Nulo Gomes que tem alinhado nos últimos meses...

blogoberto, chico-esperto

sábado, 6 de outubro de 2007

15 anos de tele-lixo



Parabéns, SIC. Desde que apareceu, nunca mais a televisão em Portugal foi a mesma. Nunca se tinha chegado tão baixo, ao ponto de criar seguidores e conseguir ser batida pela TVI em inutilidades e baixo nível.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Ah, grande Santana!

A semana passada um dos temas em destaque foi a saída de José Mourinho do Chelsea, que se prolongou até à sua chegada a Portugal. Ao ponto de interromper uma entrevista de Pedro Santana Lopes na Sic Notícias para mostrar o treinador a entrar à pressa no carro e ir-se embora. Ou seja, era uma não-notícia.
Santana Lopes é que não gostou e abandonou a entrevista, deixando a entrevistadora Ana Lourenço visivelmente embaraçada com aquela atitude. Aliás, no dia seguinte foi lido várias vezes um comunicado nos noticiários da estação, a considerar a reacção de Santana Lopes excessiva.
Eu acho que ele fez bem. Ainda se fosse alguma “caixa” que não pudesse esperar, ainda vá, mas aquilo foi um absurdo. E poucas pessoas teriam a coragem de o fazer assim, logo ali em directo. É o que se chama “tê-los” no sítio.
Pode ver o vídeo completo aqui.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Ambulância parada pela Brigada de Trânsito

Já só nos faltava esta. Os inúteis que é suposto às vezes regularem o trânsito, mas que são mais especialistas em estarem emboscados com radares em rectas que convidam a acelerar para conseguirem umas multazinhas e fazer a receita do dia, resolveram parar uma ambulância porque esta era particular e levava as luzes de emergência ligadas. Acontece que levava um doente em perigo de vida, com suspeita de enfarte do miocárdio.
Mas os muito eficientes agentes da BT fizeram o condutor soprar no balão duas vezes, fazendo perder um tempo precioso que acabou por custar a vida ao doente quando chegou ao hospital. Claro que agora vai ser feito um inquérito interno que há-de provar que os agentes agiram muito bem no cumprimento do dever... não fora ter provocado a morte dum doente em estado de emergência.
Agora a família pondera levar o caso a tribunal. É claro que o deve fazer. Façam-nos bater com os costados no banco dos réus para ver se aprendem que o facto de usarem uma farda não lhes dá direitos ilimitados.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Um dia milagreiro

Hoje foi dia de milagres:

Em Fátima o clube local eliminou o Futebol Clube do Porto e, tal como Portas, também aqui vejo mão de Nossa Senhora...

E, na Amadora, tornou a intervir e a mostrar de que lado está: o Benfica apurou-se sem merecer e foi usado um instrumento do mal (o árbitro Duarte Gomes, que já tinha inventado 2 penalties contra o Benfica) para marcar um penalti inventado a favor do SLB...

São estranhos os caminhos do senhor! Neste caso, da senhora.

blogoberto, chico-esperto

sábado, 22 de setembro de 2007

Exorbitante



No passado fim-de-semana fui ver o Benfica-Naval ao Estádio da Luz. A minha filha de 9 anos quis ir também, de modo que levei-a comigo e fui mais cedo para comprar bilhete para ela, para a mesma zona onde tenho o meu lugar cativo.
Felizmente a afluência às bilheteiras era pouca, pelo que a operação foi relativamente despachada (já cheguei a estar 50 minutos na bicha para comprar um bilhete para ver o Oliveira do Bairro e entrei com meia-hora de jogo...). O pior era o preço dos bilhetes: para o piso 3 superior da bancada PT, o lugar mais barato daquela bancada, 17 euros! Qualquer coisa como 3400 escudos!
Irra! Um bilhete de sócio com 9 anos de idade, 17 euros? Um roubo! É assim que querem encher os estádios?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Assim é bonito


O Sporting perdeu em casa com o Manchester United, e o marcador do único golo foi o Cristiano Ronaldo, uma das pérolas nascidas em Alvalade e por muitos já considerado o melhor jogador do mundo.
Mas Ronaldo desta vez comportou-se como um homenzinho. Não festejou o golo, fez uma vénia ao público e quase que pediu desculpa por ter marcado.
Nestes tempos de profissionalismo exacerbado em que se fala de milhões como se fossem gotas de água, sabe bem a um adepto de futebol que dá valor ao amor à camisola ver um jogador respeitar o clube de onde saiu quando tem de o defrontar. Agora ele está do outro lado, mas o seu gesto mostra que cresceu e respeita o público que antes o idolatrava. E o público correspondeu com aplausos. É bem melhor do que atitudes como a dum certo Fernando Mendes que uma vez no Estádio da Luz virou-se para a bancada e chamou filhos da puta aos benfiquistas, depois de lá ter jogado.
Assim é bonito, ainda vale a pena ver o futebol com algum romantismo.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

O Mexia ainda mexe


Pois é, o antigo Ministro das Obras Públicas, António Mexia, actual presidente da EDP, numa medida de grande alcance social, resolveu acabar com as refeições gratuitas aos funcionários da empresa em situação de antecipação à pré-reforma, pré-reforma ou reforma.
De acordo com a notícia veiculada pelo Correio da Manhã, «a eléctrica esclarece que esta decisão visa apenas “distribuir melhor o apoio que presta aos seus reformados” e sublinha que isto não era “um direito consignado”. Segundo a EDP, menos de 10% dos reformados usufruíam desta regalia e que o faziam essencialmente em Lisboa e no Porto, onde a média de pensões é mais elevada, pelo que a EDP considera essencial “redireccionar a verba para apoiar os mais carenciados em todo o País.»
Ainda segundo a mesma notícia, «pelas contas do SIESI (Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas), a EDP gastará por ano cerca de 125 mil euros com as refeições gratuitas servidas aos beneficiários.»
Ora deixa cá ver: 125 mil euros são cerca de 25 mil contos. Isto dará, certamente, para adquirir um carrito quase topo de gama para um dos administradores, provavelmente com um carro já utilizado há 3 anos e, portanto, já demasiadamente gasto para ser usufruído por suas excelências.
Ah ganda Mexia! Assim mesmo é que é! Tirar aos pobres para dar aos ricos! Assim também eu enriquecia!

Kroniketas, sempre kontra as tretas

O que os outros disseram (XXXIV)

“...para quem, como eu, se tenha perdido na interminável novela das oito (“pequena Maddie, uma história de crime, sexo e traição”), não vale a pena ler jornais e ver televisão para perceber seja o que for. Que o jornalismo desistiu de nos dar informação, não é novidade para ninguém. Mas o ponto a que chegámos, com Moita Flores a dirigir a Câmara de Santarém nos estúdios da SIC, um senhor que dá pelo nome de Barra da Costa a ter delírios psicóticos em directo, condenações feitas por especialistas em expressão facial, populares a fazer julgamentos de rua porque a mãe "nunca chorou", repórteres a repetirem cada boato nas páginas dos jornais e a encherem directos com coisa nenhuma ultrapassa tudo o que a saúde pública ainda pode suportar. Uma dúvida para os jornalistas que têm alimentado esta loucura: não se sentem ridículos? Ou há figuras que, com o tempo, nos habituamos a fazer?”
(Daniel Oliveira, “Expresso”, 15-09-2007)

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

As multidões ululantes

Estes tempos de ressaca da esquerda de Scolari em Dragotinovic e de banho-maria no Caso Maddie, fizeram-me pensar um pouco na forma como os aglomerados de mais de 3 mamíferos Homo Sapiens Sapiens se comportam (especialmente se forem tugas).
Primeiro foram aquelas vaias a Kate McCann, provavelmente feitas pelos mesmos imbecis que a aplaudiram no resto do tempo. Não estou aqui a fazer considerações sobre a sua culpa ou inocência, tão só a realçar a atitude mentecapta daqueles mirones todos (quem tem tempo e paciência para passar horas a olhar para uma porta de um prédio não pode estar na posse de todas as suas faculdades mentais, se é que em dada altura teve alguma).
Passa-se o mesmo com o soco de Scolari. Toda a gente colocou uma bandeirinha de Portugal na janela, no carro, sei lá onde, quando Scolari o pediu. Toda a gente se habituou a ver Portugal qualificado e a lutar pelos primeiros lugares nos Europeus e nos Mundiais. Toda a gente se esqueceu de tudo isto depois da tentativa de soco no sérvio… Tal como no caso anterior, não estou aqui a julgar o acto (que foi penoso e impensado), mas a atitude de mais esta multidão ululante.
Ó cambada, e se pensassem pelas vossas cabeças e não aplaudissem ou vaiassem alguém assim às primeiras?

tuguinho, cínico encartado

P.S. – além de tudo isto, ninguém me tira da ideia de que houve aqui uma associação instantânea de Scolari com o nome Drago, o que motivou aquela reacção automática… não sei se sabem do que eu estou a falar!

P.S. 2 – senhor Luso 51, concordo consigo (ver comentário ao post anterior)

domingo, 16 de setembro de 2007

O “tapa”


Dizia-me o tuguinho no final do jogo de Portugal com a Polónia que quando se joga para os mínimos, o pior acontece. O que aconteceu nesse jogo e no jogo com a Sérvia, com Portugal a esbanjar duas vitórias à beira do fim, adivinhava-se pela atitude da equipa e pela (má) gestão do treinador, com jogadores mal escolhidos e substituições mal feitas que convidaram os adversários a atacar.
O célebre “tapa” de Scolari em Dragutinovic no final do jogo com a Sérvia é a reacção de um homem que perdeu a cabeça porque perdeu o controlo da equipa e o controlo das contas que tinha feito. A abordagem à qualificação, de empatar fora e ganhar em casa, tem sido um desastre, e agora a equipa entrou em desespero depois de ter esbanjado pontos onde não devia.
Scolari atingiu o limite da sua competência e já não me parece capaz de levar a Selecção mais além do que já levou. Acho que o seu prazo de validade à frente da selecção portuguesa chegou ao fim.

PS: No golo da Sérvia, obtido em posição por muita gente considerada “fora-de-jogo”, não estou convencido dessa irregularidade. Após o primeiro cabeceamento do jogador sérvio, a bola dirige-se na direcção de Paulo Ferreira e é este que a desvia na direcção do outro jogador, em posição de fora-de-jogo, para este fazer o golo. Só que, ao receber a bola vinda de um jogador português, o fora-de-jogo deixa de contar. É verdade que no primeiro momento ele já estava em posição irregular e beneficia disso, mas não do passe do seu companheiro e sim dum adversário. Assim, a desculpa para a irritação causada pelos prejuízos da decisão arbitral deixa de ter validade. Curioso é que não ouvi ninguém abordar este aspecto do discutido lance.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Dalai Lama

Parece que há por aí umas pessoas incomodadas pelo facto de nem o Presidente da República nem o 1º Ministro terem recebido o Dalai Lama.
Perguntava-me a minha mulher: mas porque é que haviam de receber?

blogoberto, chico-esperto

terça-feira, 11 de setembro de 2007

O circo que desceu à cidade



Penso que será virtualmente impossível não ter ouvido falar no Caso Maddie, mesmo que nunca veja televisão, não leia jornais, não ouça rádio, ou seja mesmo cego, surdo e mudo e viva numa caixa em que não entra a luz.
Independentemente do desenlace que venha a ocorrer sobre o crime e a sorte da criança, o alarido mediático extremo que se desenvolveu foi de quase histerismo por parte de todos os agentes desta área. Escrevo isto passados 4 meses da ocorrência, altura em que, por virtude dos novos dados que têm surgido com a rapidez de um caracol coxo, o caso reavivou e tomou outros rumos.
É que por muito doloroso e horrível que o caso seja, por muito bem relacionados que os pais estejam, nada justifica a globalização que se verificou e episódios completamente patéticos como foi a recepção que o papa concedeu aos pais. Se tivesse sido dada a mesma atenção aos acontecimentos na Serra Leoa, no Ruanda ou no Darfour, de certeza que nunca teriam sido os genocídios que foram (ou estão a ser, no caso do Darfour).
É esta mentalidade de telenovela que nos há-de levar a todos pelo esgoto abaixo, quando damos mais atenção a um crime (lamentável, é certo) que a chacinas grotescas, só porque não nos entram pela garganta abaixo nos telejornais de todos os dias e porque as personagens não são tão telegénicas nem tão (aparentemente) inocentes. E as vítimas não foram colegas de escola do Gordon Brown...
Em relação ao potencial desfecho deste horrível acontecimento, lembrava só o que se diz em relação ao culpado nos romances policiais: é quase sempre o mordomo, lembram-se?

tuguinho, cínico encartado

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Nessun dorma!



Luciano Pavarotti
(12/10/1935 - 6/9/2007)

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Hoje é dia de pescaria


No meu último dia de férias no Algarve foi assim. Na última ida à praia deparei-me com este cenário, que já tinha acontecido antes: sempre que havia uma diminuição de carros estacionados fora dos lugares que não há, lá estava a muito pressurosa polícia a angariar a féria do dia e vá de bloquear os carros estacionados.
No dia 1 de Setembro já havia pouca gente na praia, mas mesmo assim ainda a suficiente para encher os magníficos parques de estacionamento que a edilidade de Portimão disponibiliza para os turistas que afanosamente quer engaiolar nos arranha-céus da Praia da Rocha. E quando não há lugares nem num terreno baldio empoeirado não resta outra hipótese que não seja estacionar com duas rodas em cima do passeio. Quando são poucos nessa situação, aproveitam desde logo os parasitas de farda para lhes passar o devido correctivo. Sim, porque nos dias em que aquilo está completamente saturado e metade dos carros estão em cima dos passeios não se vê nenhum carro bloqueado, que aquilo dá muito trabalho e depois já viram o tempo que demorava a desbloquear aquela gente toda quando saísse da praia?
Assim ganha-se duas vezes, porque os tansos vão para lá gastar dinheiro e ainda levam com umas multas em cima que é para aprenderem.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

terça-feira, 4 de setembro de 2007

A verdadeira tripa-forra



Ouvi dizer que uns senhores do Millennium BCP gastaram à volta de um milhão de euros para organizar duas assembleias de accionistas. Posso assegurar-vos que, com esse dinheiro, conseguia organizar duas festas muito mais a rasgar e ainda mais badaladas! Podia não conseguir ter lá alguma daquela gente, é certo, mas também não me parecem ter muito jeito para dançar ou para se divertir com outra coisa que não seja a cotação das suas acções, por isso não faziam grande falta. Aliás, apesar do dinheiro gasto, as festas não devem ter sido grande coisa, a avaliar pelas trombas de grande parte deles à saída...

Meus amigos, com um milhão de euros até conseguiria contratar o Sócrates e o Marques Mendes para dançarem em cima do balcão! Isso seria bastante fácil, quando comparado com tarefas impossíveis de realizar, como fazer rir o Paulo Teixeira Pinto ou ensinar o Joe Berardo a falar português.

Enfim, é a silly season no seu auge...


tuguinho, cínico accionado

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

De volta ao país real

Durante um mês quase não ouvi noticiários. Fui sabendo de umas notícias esparsas aqui e ali, quando via uns jornais ou revistas numa papelaria, ou enquanto esperava por vaga na casa de banho depois de chegar da praia. A única coisa que interessava era a temperatura do ar e da água e a direcção do vento.
Agora já estou mais ou menos a par das novidades e... está tudo na mesma. A Madeleine McCann não apareceu, um pai e um filho afogaram-se no Guadiana, morreram umas dezenas de pessoas na estrada em Agosto, o PSD foi financiado pela Somague e Marques Mendes nada sabe, o Jardim continua a dizer asneiras, a polícia continua a facturar com os famigerados radares, uns energúmenos destruíram um hectare de milho, as televisões perdem horas com a discussão dos milionários do BCP que só lhes interessa a eles e lá temos que levar com mais umas intermináveis reportagens sobre a princesa Diana... Ah, e parece que Cavaco Silva vetou três diplomas num mês!
Bem-vindo ao país real.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

A frase do mês

“Camacho acabou com o losango no Benfica. Já nos livrámos de um losango no futebol português”.
(Rui Santos, jornalista, “Tempo extra”, Sic Notícias, 26-8-2007)

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Abençoada Autoridade da Concorrência

38 milhões de euros é muito dinheiro. Cerca de 7 milhões e 600 mil contos. Foi esta a multa que a Autoridade da Concorrência aplicou à Portugal Telecom por abuso de posição dominante, impedindo o acesso da TVTel e da Cabovisão a condutas de passagem de cabos. No entanto, no universo PT é uma gota de água, apenas 2% do valor da PT.
O presidente da PT argumenta que “o efeito mais devastador é no ânimo das pessoas desta casa, que exercem um serviço público”. Eu, por acaso, nunca dei por nada, pois andei durante anos a pagar uma assinatura telefónica que não percebi para que é que serve. Além disso, os preços cobrados pela PT e suas subsidiárias (como a TVCabo e o Sapo) são de longe os mais caros do mercado e não correspondem sequer aos serviços mais vantajosos. Aliás, ainda hoje me custa a perceber como é que alguém, tendo melhores alternativas, subscreve o acesso à Internet pelo Sapo...
Agora Henrique Granadeiro anuncia que a PT vai impugnar a decisão e “lamenta consequentemente ter de, novamente, submeter a decisão da AdC ao escrutínio dos tribunais. Está no entanto confiante que, em última análise, tudo visto e ponderado, saberão os tribunais, mais uma vez, fazer justiça”.
Eu também espero que se faça justiça. É mais que tempo de acabar com a roubalheira desta empresa detestável. Do telefone e da Internet deles já me livrei. A televisão por cabo há-de vir a seguir.
Abençoada Autoridade da Concorrência. Finalmente alguém teve coragem de os pôr na linha.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

O Algarve turístico


Estas fotos foram tiradas na praia de Porto de Mós, perto de Lagos. Este é o turismo que temos. Construções em barda e parques de estacionamento em terra batida... quando os há.
E quando os turistas estacionam em cima de um passeio porque nas superlotadas praias não há lugares para estacionar, a sempre prestável polícia aproveita para multar e bloquear os carros dos malfadados turistas.
Que país de merda!

Kroniketas a banhos

sábado, 18 de agosto de 2007

Pensamento estival

Se este é o Verão mais quente dos últimos anos, não quero saber como será o mais frio...

blogoberto, chico-esperto

terça-feira, 14 de agosto de 2007

1907 - 2007



Ter um destino é não caber no berço
onde o corpo nasceu.
É transpor as fronteiras uma a uma
e morrer sem nenhuma,
às lançadas à bruma,
a cuidar que a ilusão é que venceu.

Miguel Torga, 1907 - 1995

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Lavar os dentes

Parece que o treinador do Porto disse que, para eles, ganhar a Supertaça era como lavar os dentes.
Bom, devem estar a precisar dum dentífrico novo, porque me parece que há para ali mau hálito.

blogoberto, chico-esperto

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

O horror, a tragédia, o desamparo...





Pois é, parece que o deserto da outra banda apanhou os nossos blogues.
O Idálio já tinha avisado, agora eu confirmo-o: o Kroniketas está a banhos, eu também, mas ainda tinha acesso à net.
Vou deixar de ter, portanto nas próximas 2 ou 3 semanas vai ser o horror, a tragédia, o desamparo... em suma, o vazio de postes! (se fosse no Porto, ainda dava para fazer uma piada estúpida com o corte de carne homónimo, mas enfim, fico por aqui (não, não fico por aqui! não sei se estão a perceber: fico por aqui em termos de escrita, mas não fisicamente! (não sei se estão a contar os parentesis abertos, mas era melhor porque daqui a bocado sou capaz de precisar de ajuda! (é claro que esta afirmação é retórica, mas ilustra bem a situação)))) (acho que os fechei a todos! (refiro-me aos parentesis, claro (o contexto era suficiente para saberem do que estava a falar, ou não?))) (ufa! desta vez é que foi!)

Nota final: não consegui decidir que imagem usar, por isso usei todas...

tuguinho, cínico em vacanças

O design da treta



As coisas evoluem. Já é cliché de tanto ser verdade. O problema é que nem sempre evoluem bem…
Se olharmos por exemplo para os objectos do nosso quotidiano e depois virmos como eram há anos ou décadas, notamos diferenças. Boas e más.
Consideremos por exemplo os puxadores das portas que, apesar do nome, têm de se rodar antes de puxar. Ninguém duvida que o formato em alavanca, com o eixo de rotação na ponta dessa alavanca, é o mais cómodo para a mão e por isso mesmo mais eficaz. E a este modelo podemos apor-lhe modificações de estilo, mais ou menos floreados, mais ou menos comprido, mas não perderá a sua eficácia na função para que foi concebido. Mas há-os diferentes: posso dar o exemplo dos meus, que são assim a modos que um ovo metálico com o eixo de rotação a meio, uma espécie de variação dos puxadores redondos. Funciona? Claro que sim, mas não é tão eficiente como o formato, chamemos-lhe assim, original. Mas enquanto a forma não afecta grandemente a função, não vem daí grande mal ao mundo.
Falemos agora, por exemplo, de lavatórios de casa de banho. Lembram-se certamente dos modelos antigos, geralmente suspensos, branquinhos e em louça. Com lugar para pôr o sabonete e o que mais fosse preciso, embora exíguo. Este bicharoco evoluiu em várias direcções, maiores tamanhos do modelo base, linhas menos quadradas, encastrados numa bancada, etc. E aqui, as coisas iam pelo melhor caminho, porque uma bancada com o lavatório encastrado é a solução que nos dá mais espaço e funcionalidade para coisas como lavar a cara ou fazer a barba. Mas eis que chegaram os iluminados do design e resolveram desatar a desenhar lavatórios noutros materiais como metal (e aí também não há problema), mas que em termos de aspecto e funcionalidade não são diferentes das velhas bacias de lavatório que se usavam nas aldeias (e não só), suportadas por armação de ferro e sem sítio sequer para pôr a máquina de barbear, quanto mais sabonetes e coisas assim. As fotos são para verem do que estou a falar. Qualquer tia ou novo-rico se deve pelar por ter uma coisa daquelas nas suas casas de banho, porque está na moda. Não servir muito bem para aquilo que devia ser a sua função é secundário.
Quando se começa a sacrificar a funcionalidade ao design algo vai mal. Os objectos até podem ser bonitos, atraentes, mas não são funcionais, tornam-se apenas bibelôs, quiçá até arte, mas não servem para aquilo para que foram criados. O verdadeiro objectivo do design é dar novas formas ou aspecto aos objectos que nos preenchem a vida, mas mantendo ou aumentando a sua funcionalidade. E há tantos, tantos bons exemplos! É por isso que me chateiam estes modismos estéreis e mentecaptos, sendo este apenas um pequeno exemplo.
De que me serve um jarro com o qual tenho de fazer malabarismos para lhe pegar, ou uma cadeira tão incómoda que nem me consigo sentar nela?

Valter Rego, observador desassombrado

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

O Maratonista - Jornal de Notícias Discretas (VIII)

Após aturadas investigações da nossa equipa de redacção, não conseguimos apurar o que é que Luís Filipe Menezes andou a fazer na Cova da Moura.

Mateus Bichoso, repórter horroroso

Desculpem a ignorância do macaco...

O que é que Luís Filipe Menezes andou a fazer na Cova da Moura?

Rogério Profundo, cidadão do mundo

quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Obrigado, Capitão


Após ter sido “vendido” várias vezes pelos jornais nas últimas épocas, desta vez Simão Sabrosa foi finalmente transferido pelo Benfica. Após 6 anos de águia ao peito, em que se alcandorou ao posto de “capitão” de equipa e foi sucessivamente o melhor goleador da equipatendo ainda sido eleito o melhor jogador do último campeonato, o ex-leão partiu para uma segunda experiência em Espanha.
Sendo sportinguista de origem, ainda assim Simão tornou-se, graças ao seu papel preponderante na equipa, um dos símbolos do clube e entrou para a galeria dos históricos, com mais de 200 jogos quase 100 golos marcados,
Os benfiquistas sentem-se mais pobres com a saída do número 20, que nestas 6 épocas andou muitas vezes com a equipa ao colo, assumindo um papel semelhante ao que, 10 anos atrás, tinha sido desempenhado por João Pinto. A ele se devem em boa parte os poucos sucessos alcançados pelo clube, com uma vitória na Taça de Portugal, um Campeonato Nacional e uma Supertaça.
Perante isto, na hora da despedida só nos resta dizer: obrigado, Capitão.

Kroniketas

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Krónikas a banhos

As Krónikas Tugas e as Krónikas Vinícolas vão de férias e durante o mês de Agosto a actividade será reduzida. O Kroniketas vai para o Algarve, como habitualmente, e o tuguinho, como sempre, não vai a lado nenhum!
Haverá alguns bitaites se e quando a disposição e a tecnologia Wi-Fi o permitirem. Provas de vinhos, certamente, haverá muitas, posts é que haverá poucos, que em tempo de férias há coisas mais importantes para fazer que escrever num blog, quanto mais em dois... E sempre podemos estar umas semanas sem ouvir as desgraças que povoam os noticiários.

Idálio Saroto, provedor do blog

segunda-feira, 30 de julho de 2007

Os “senhores doutores” de merda

Não sei se “ignomínia” é uma expressão suficientemente forte para classificar o que se tem passado e tem vindo a lume com as pseudo-“juntas médicas” que recusaram a reforma a funcionários que padecem de cancro, entre outras situações menos graves. Depois de ler as sucessivas notícias sobre casos conhecidos (esta semana apareceram mais, e estes são só os que foram denunciados) e, ainda por cima, os comentários jocosos de que foram alvo os doentes em causa, só posso sentir nojo por estes crápulas que se arrogam o direito de brincar com a vida e a desgraça das pessoas.
Como é possível que um professor morra de cancro enquanto é forçado a dar aulas? Como é possível que um professor com cancro na laringe (saberão esses anormais que as aulas se dão... falando?) ouça um comentário de que “se tratasse dos dentes e fizesse uma limpeza aos ouvidos ficava muito bem”? Como é possível que alguém diga que “a senhora não quer é trabalhar”? Mas quem é que eles se julgam? Serão eles, na realidade, médicos? (o terceiro elemento já se sabe que não é; deve ser um pau-mandado qualquer, um verbo de encher que está ali em comissão de serviço para servir de capacho a um medíocre qualquer com o cargo de “chefe”). E se são, é assim que querem granjear o respeito da opinião pública? E o senhor bastonário, sempre tão pressuroso a vir bradar aos quatro ventos que os médicos, coitadinhos, são alvo duma campanha de perseguição, não terá nada a dizer sobre isto?
E você, senhor Ministro da Saúde, que tão orgulhoso se mostrou da decisão tomada de não fazer um inquérito à morte dum acidentado no Alentejo que demorou 7 horas a ser transportado para Lisboa, não cora de vergonha perante mais esta infâmia?
E esses filhos de uma senhora com muitos maridos que vão para essas pseudo-juntas, se vissem um familiar nessa situação teriam a mesma opinião? O que eles mereciam era que o doente, ou algum familiar que o acompanhasse, se passasse dos carretos e lhes afiambrasse umas quantas bordoadas naquilo a que popularmente se chama “os cornos”.
A esses miseráveis sem nome, o que lhes desejo é o dobro do mal de que padecem os doentes com quem eles gozaram.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

sábado, 28 de julho de 2007

O que os outros disseram (XXXIII)

“Num país normal, (Fernando) Charrua seria indemnizado e reintegrado na DREN. E a sra. Margarida Moreira demitia-se, ou seria demitida, por andar a perseguir politicamente os seus funcionários. Mas este não é um país normal.”
(João Pereira Coutinho, “Expresso”, 28-7-2007)

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Arquive-se


No meio das trapalhadas que os “boys” têm arranjado nas escolas, centros de saúde e Caixa Geral de Aposentações, safou-se a decisão da Ministra da Educação de arquivar o processo contra o professor Charrua. Ao menos houve um pouco de bom-senso para acabar a palhaçada desencadeada pela mui zelosa directora da DREN.
Agora, para enterrar de vez o caso, só falta arquivar a Margarida Moreira.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 26 de julho de 2007

terça-feira, 24 de julho de 2007

Os “lisboetas” de Cabeceiras de Basto

Esta gente não tem a noção do ridículo. Aquele espectáculo patético dos velhotes que vinham de excursão e foram levados à porta do hotel Altis, para festejar a estrondosa vitória do candidato António Costa com uns fabulosos 57.000 votos em Lisboa, e que foram apanhados de surpresa pelas televisões e só sabiam que ali estavam porque o motorista sabia o caminho, é das cenas mais caricatas a que já assisti e revela bem o despudor em que caiu um partido que de esquerda já tem muito pouco e de socialista, de certeza, já não tem nada. Deviam mudar o nome, como outros fizeram, e chamar-lhe partido dos “boys”, ou dos corruptos, ou dos compadrios.
Das poucas vezes que votei no PS em eleições nacionais acabei sempre por me arrepender, porque no governo consegue sempre ser mais direitista que os partidos de direita. Mas o mais grave é o completo despudor em que se caiu, com o compadrio descarado com os lóbis da construção civil, os paus-mandados que agora funcionam como bufos, a partidarização do Estado, a tentativa de imposição de leis que representam um retrocesso ao 24 de Abril.
Aquilo que se tem passado com a reforma selvagem da Administração Pública, com o processo do novo aeroporto de Lisboa, com os projectos de construção desenfreada ao arrepio de todas as regras, com as juntas médicas, com os delatores dos que “ofendem” o governo, com a tentativa de liberalização dos despedimentos que até o ex-Ministro Bagão Félix considera “um arbítrio inaceitável”, é uma completa ignomínia que devia fazer corar de vergonha uns quantos imbecis que andam por aí a responder pela alcunha de ministros. Esta gente perdeu o respeito pelo país, pela democracia e, pior que tudo, pelo passado do próprio partido que os colocou lá. Já quase nada resta do partido que durante três décadas se ufanou orgulhosamente de ter ido para a fonte luminosa lutar pela democracia e para derrotar o papão comunista. Agora só resta um partido cuja prática me mete nojo.
Já quase me apetece dizer como Miguel Sousa Tavares escreveu há pouco tempo no Expresso: se isto é a esquerda, que venha a direita...

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 19 de julho de 2007

Esbodeganço



Ai que no próximo fim-de-semana é que vai ser! Fui convidado para a festa da vitória nas eleições intercalares da Junta de Freguesia de A-das-vacas! Excursão e festança a seguir, e sem pagar nada!
Está certo que não conheço ninguém em A-das-vacas, mas que mal é que isso tem? Como é que ia conhecer se aquilo é longe de Lisboa como o caraças e eu não tenho família nem lá, nem em mais de 100 km ao redor? Dahhhhhh!
Não faço ideia quem está a pagar isto tudo nem me interessa. O mais engraçado é que o meu avozinho contava-me umas histórias parecidas passadas noutros tempos, mas aí eram as pessoas da província que vinham a Lisboa. Devia ser diferente porque acho que eles nessa altura sabiam ao que iam e até conheciam o homem que iam apoiar. Acho que não podiam era dizer que não. Outros tempos…
Só não percebo porque não convidaram pessoas de lá! Já dizia o outro, dá Deus nozes a quem não tem dentes. Parvalhões! Em vez de homenagearem quem merece se calhar vão para a praia (a conhecida praia fluvial do Pulo da Vaca!*) ou para a discoteca (a afamada Coice!*), laurear a pevide. Melhor! Mais fica!
Só espero que não me tentem impingir nenhum colchão ortopédico como na última excursão em que fui…

Rogério Profundo, cidadão do mundo (e de A-das-vacas também!)
* sim, porque eu já me andei a informar sobre a zona!

In memoriam...

Quando vemos partir alguém próximo de nós, também nós partimos um bocadinho...

Kroniketas

domingo, 15 de julho de 2007

Hoje estamos de luto


Um amigo perdeu a última batalha. Aqui nos curvamos respeitosamente perante a sua memória. Em sua homenagem fazemos três dias de silêncio.
Descansa em paz, Quim.

Kroniketas

quarta-feira, 11 de julho de 2007

O Maratonista - Jornal de Notícias Discretas (VII)

A guerra ao efeito de estufa


O maior contribuinte para o efeito de estufa em plena prevaricação

Um meliante foi detido ontem à saída do tasco do Zé das Iscas em dia de feijoada como prato do dia. O referido indivíduo, depois de se alambazar com a dita feijoada, aliviava-se alarvemente do produto da sua fermentação à esquina da Travessa do Conde de Alarvão com o Beco da Cardina, contribuindo de forma irresponsável para o efeito de estufa e as consequentes alterações climáticas.
Quando instado pelas autoridades ainda se tentou desculpar, dizendo que o que estava a fazer era um acto Carbono Zero, mas acontece que o metano, constituinte principal das bufas bem tiradas, causa ainda mais efeito de estufa que o carbono.
Ainda relacionado com este assunto, anuncia-se para breve a proibição da ópera bufa e a extinção dos buffet e dos estufados nos restaurantes.
A esta hora ainda se discutia no parlamento se a água que diversos ministros têm metido a toda a hora deveria ser considerada um benefício (ao evitar a seca) ou um prejuízo (ao aumentar o nível do mar). Espera-se uma conclusão na próxima década.

Mateus Bichoso, repórter horroroso