quarta-feira, 23 de março de 2011

O ataque dos porcos - parte 5

O clube dos mafiosos do norte aproveitou umas pedras atiradas a uma porta de uma casa em Coimbra, sem ninguém lá dentro, para descarregar o seu ódio de estimação contra o inimigo obsessivo: o Benfica.

Depois dum comunicado aparentemente pacificador emitido ontem, hoje deixaram cair a máscara e mostraram a verdadeira face. A propósito dum episódio que até parece ter sido preparado de premeditadamente para forjar a ocasião, descarregaram todo o seu veneno no Benfica e no Rui Gomes da Silva, o tal que foi agredido no Porto e a quem o Pinto da Bosta chamou palhaço.

Este segundo comunicado é um dos maiores nojos já vistos no futebol português. Não é que surpreenda porque daquele clube, com aquela gentalha à frente, espera-se sempre tudo do pior. Um clube cujo presidente anda há 30 anos a incendiar o futebol português, a incentivar o ódio e a guerra do norte contra o sul; que andou pelos estádios do país com o guarda Abel e com guarda-costas armados a bater em porteiros; que paga prostitutas e viagens de férias a árbitros; que recebe árbitros em casa na véspera dos jogos; que combina notícias falsas com pseudo-jornalistas como António Tavares Teles; que controla audiências em tribunal pelo poder paternal porque o juiz é amigo; é este o clube que agora se arma em vítima, como se fossem eles os inocentes e os outros os culpados.

O comunicado do Benfica não fez referência a pessoas nem a clubes, mas o clube do norte atira-se como gato a bofe ao Rui Gomes da Silva, que acusa de ser o responsável pelo clima de guerrilha por causa dos comentários que faz na televisão. Curioso, não é? Foi a mesma razão usada pelos agressores de Rui Gomes da Silva, a tal que Pinto da Bosta disse que era simulada. Fugiu-lhes a boca para a verdade. É este o conceito de democracia desta escumalha, ao mesmo tempo que Miguel Sousa Tavares desfia as suas crónicas trogloditas no jornal A Bola ao mesmo tempo que aproveita para atacar a imprensa da capital. Ao que parece, nunca foi molestado pelo que escreve n’A Bola.

No meio desta inqualificável verborreia, ainda se dão ao desplante de dizer que os adeptos deles são diferentes dos outros porque estão habituados a festejar muitos títulos em paz e alegria. Esses mesmos adeptos são os que atacaram os adeptos do Benfica que tentavam festejar em paz e alegria um título conquistado no Porto em 2005, porque são os mesmos que acham que são donos de parte da cidade e que só eles podem celebrar onde lhes apetece; são os mesmos que ameaçam jogadores e treinadores do próprio clube, que assaltam e vandalizam todas as áreas de serviço por onde passam, que apedrejam autocarros e atiram bolas de golfe. Sempre em paz e alegria.

Com esta gentalha não há remédio possível. Não têm princípios, não têm pudor, não têm vergonha. Podem ganhar 10 campeonatos seguidos com 30 pontos de avanço, mas continuarão a ser um desprezível e execrável bando de aldrabões, terroristas, vigaristas e mafiosos.

E quanto ao porco-mor, a única coisa que merecia era um balázio entre os olhos. Era um bem para a humanidade.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

E que tal uma carga de porrada?

Vara passa à frente de todos em centro de saúde

Ex-ministro socialista apareceu de surpresa, passou à frente de todos os doentes e deu ordens a uma médica para lhe passar um atestado. Se os outros utentes lhe tivessem dado uma carga de porrada logo ali, aí sim, ele ia precisar mesmo de um atestado de urgência.

Isto já não vai lá com manifestações, nem greves, nem e-mails. Vai com uma revolta popular que acabe no linchamento de alguns. Ontem vi imagens de manifestações no Iémen e na Líbia, onde os manifestantes tomaram de assalto bases militares. Do que este país está a precisar é que acabem as manifestações pacíficas e haja um assalto aos centros de poder.

1 milhão de pessoas na Av. da Liberdade em protesto contra uma "geração à rasca"? Não, devia ser um milhão de pessoas em frente da Assembleia da República a tomar de assalto o parlamento. Em 75 o parlamento foi sequestrado com o então 1º ministro Pinheiro de Azevedo lá dentro. Do que esta corja precisa é de ser corrida a pontapé. Já não é só uma questão de mau governo, de ser de esquerda ou de direita: é uma questão de despudor e de falta de vergonha, de completo assalto ao bolso e à dignidade dos portugueses. Esta classe política é corrupta e está podre, e já passou todos os limites do admissível e do tolerável.

É preciso uma revolução a sério que deite abaixo esta estrutura para depois reerguer tudo de novo de forma mais limpa. Em 1640 um tal Miguel de Vasconcelos foi atirado de uma varanda. Na revolução francesa houve umas cabeças cortadas na guilhotina. Enquanto não houver umas cabeças cortadas ou uns quantos atirados da varanda este país não se endireita.

Razão tinha o Otelo Saraiva de Carvalho quando queria armar o povo...

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Quadratura do Círculo - o nojo


Eu já calculava que não publicassem o meu comentário na página da Quadratura do Círculo. Devo ter utilizado alguma linguagem grosseira quando disse para os comentadores terem vergonha. Mas já que não aparece na página, foi por mail, assim podem mostrá-lo aos comentadores se quiserem.

De facto o último programa da Quadratura do Círculo, emitido no passado dia 10-2-2011, foi vergonhoso. Chegou a enojar-me aquilo que lá se disse. Atingiram o cúmulo da desfaçatez ao passarem um programa inteirinho a zurzir sem só nem piedade no Bloco de Esquerda ("aquela gente", como lhes chamou António Costa), como se o Bloco de Esquerda tivesse alguma culpa do Estado a que o país chegou! A sanha odiosa contra o BE é tal que até chegaram (pasme-se!) a elogiar o PCP! Um partido, dizem, de confiança, mas com quem o PS nunca quer nada, e do qual, em tempos, Dias Loureiro disse numa noite de eleições autárquicas que tudo que o fosse afastar o PCP de lugares de poder era positivo para o país...

Pois agora sou eu que digo: TENHAM VERGONHA, senhores comentadores! Os vossos partidos são aqueles que governaram Portugal nos últimos 36 anos e que o colocaram no buraco em que está. PS e PSD, os irmãos siameses nas políticas e nas práticas da pouca vergonha, repartem as benesses, os tachos, os "boys", as nomeações para reformas milionárias... e a incompetência. Decidem entre si quem deve e não deve ser o Provedor de Justiça, os administradores dos bancos e das grandes empresas onde o Estado ainda tem um resto de controlo, antes de as alienarem aos grandes tubarões, para onde depois irá um ex-ministro. Repartem os ministros que fazem, em nome do Estado, contratos leoninos com empresas para onde depois esses ministros serão nomeados administradores (se para a CGD vão Celeste Cardona e Armando Vara, para a Lusoponte e a Mota Engil vão Ferreira do Amaral e Jorge Coelho).

Esmifram o Estado até ao limite com gastos inúteis e sumptuosos e sugam o pobre contribuinte até ao tutano, cortando ordenados enquanto aumentam para si próprios as despesas de representação! É o cúmulo! E no fim disto tudo entretêm-se durante 60 minutos a desancar no Francisco Louçã e no BE. O Louçã e o BE ainda teriam muito que aprender para se conseguir igualar à capacidade de chulice dos vossos aparelhos partidários. Mas quem os ouvir falar até poderia pensar que estamos perante virgens inocentes que nenhuma responsabilidade têm no caos em que se tornou este país. Até parece que António Costa não foi ministro... Até parece que não arregimentaram excursões para vir a Lisboa festejar a pífia vitória de Costa na autarquia... E depois dá-se ao luxo de desancar "aquela gente" enquanto se entretém a gastar o dinheiro dos contribuintes a construir ciclovias onde ninguém circula e a impôr uma vida de terror a todo e qualquer automobilista que precise do carro para trabalhar em Lisboa e se atreva a esquecer-se da moedinha, porque logo a gatunagem da odiosa EMEL se apressa a cair-lhe em cima.

Estou farto! Desta vez passaram dos limites! Foi a última vez que ouvi a Quadratura do Círculo. Tenham vergonha na cara! Quem julgam vocês que são para dar lições de moral seja a que partido for?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

PS: Nada contra o moderador, Carlos Andrade, que parece ser um homem sério. Mas foi ele que escolheu "aquela gente" que lá está a comentar.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Ponham uma raposa nesta capoeira

VERGONHA! É a palavra que define o que se passa na Federação Portuguesa de Futebol, onde um grupo de dirigentes retrógrados das associações teimam em querer manter, contra tudo e contra todos, um poder decrépito e anquilosado, que foi ultrapassado pelo tempo. À boa maneira do Estado Novo, o regime dá os últimos estertores, desafiando a legalidade, o poder democrático da República e o Estado de Direito. Sempre sob a égide dessa figura sinistra da Associação de Futebol do Porto, que dá pelo nome de Lourenço Pinto, verdadeiro mentor dos golpes baixos que mantêm a longa tradição de “xitos” do tempo de outro Pinto, de seu nome Adriano, um autêntico cancro que minou o futebol português ao longo de décadas com golpes subterrâneos nas assembleias da federação, onde o único objectivo era deter o poder da arbitragem e da disciplina. Coincidência curiosa, este período coincidiu com a ascensão do principal clube da cidade…

Agora, o pseudo-legalista Pinto vem dizer que foi uma vitória da legalidade e do bom-senso. Um nojo! Já há tempo de mais que os Pintos mandam no futebol português. É preciso uma raposa que destrua de vez esta capoeira.

Kroniketas, sempre kontra as tretas