sexta-feira, 23 de novembro de 2007

2099?

Depois de meter os pés pelas mãos, o Ministro das Obras Públicas não conseguiu desmentir um decreto do governo que dá a concessão rodoviária do país às Estradas de Portugal até 2099. Tentando mostrar que a coisa não é assim tão escandalosa, o inefável Mário Lino disse que, afinal, a concessão é “só” de 75 anos, o que faz toda a diferença.
Desta gente já nada me surpreende. O que eles não conseguiram explicar foi o que é que justifica que se ceda uma concessão, seja ela qual for, até quase ao fim dum século que ainda vai na primeira década. Em 2082 ou 2099, nenhuma desta gente já cá estará, nem os seus filhos, pelo que só os nossos bisnetos é que se poderão ver livres desta concessão. Que legitimidade tem um governo para entregar de bandeja uma benesse a uma empresa durante 3 gerações? O que é que está por trás disto? Será um compromisso para entregar um tacho aos futuros administradores das Estradas de Portugal e aos seus descendentes no século XXI?
E que poderes vai ter esta empresa? Os de instalar portagens em qualquer estrada que lhe apeteça para nos vir aos bolsos? Será que ainda viremos a ter cá uma réplica dos protestos de Paris?
O governo de Cavaco Silva começou a cair por causa de um buzinão. Parece que este país está a precisar é de um mega-buzinão para pôr esta corja na ordem.

Kroniketas, sempre kontra as tretas