quinta-feira, 3 de junho de 2004

Ponte? E depois?

O socialista António Costa anda muito preocupado com a possibilidade de o governo dar tolerância de ponto aos funcionários públicos a seguir ao feriado de 10 de Junho, alegando que isso é um convite à abstenção nas eleições.
Afinal, que mal faz a ponte? Com ou sem ela, o facto de haver um feriado não convida a que quem quiser (e puder) meta um dia de férias? Quem é que precisa de tolerância de ponto para fazer ponte? E afinal, a quem interessa a porcaria das eleições a não ser aos próprios políticos que querem arranjar um tacho em Estrasburgo, e aos eurocratas que em Bruxelas querem decidir a nossa vida sem nos dar cavaco (lagarto, lagarto)?
Cá por mim, com ou sem ponte, vou-me embora e só volto no dia 13, de preferência a tempo de ver o França-Inglaterra. Quanto às eleições, tanto me faz. E até me vou fartar de rir se a abstenção chegar aos 70 ou 80 por cento, como da última vez. É uma forma de mostrarmos aos senhores políticos o significado que esta Europa feita à força tem para nós. Eles que se governem, mas não nos chateiem.

Kroniketas, sempre kontra as tretas