segunda-feira, 28 de junho de 2004

Orgulho idiota

Vi na televisão as imagens de um desfile na Avenida da Liberdade, em Lisboa, de um grupo intitulado “orgulho gay”. Só o nome é logo de muito mau gosto. Se ser homossexual é contra-natura, exibi-lo orgulhosamente em público é aberrante. Não consta que qualquer heterossexual tenha necessidade de desfilar para a baixa lisboeta a proclamar o seu orgulho em gostar de ter relações com o sexo oposto.
Afinal, de que é que eles têm orgulho? E o que é que eles pretendem? Porque é que hão-de ter todo o tipo de direitos de qualquer casal normal? E se metessem o idiota do orgulho no mesmo sítio em que gostam de meter outras coisas e não nos chateassem? Alguém tem culpa de haver uns maduros que gostam meter no traseiro outras coisas além de supositórios? Então façam-no em casa, que os outros não têm nada com isso.
As escolhas de cada um só ao próprio dizem respeito, mas não queiram impô-las à sociedade. Eu não aceito que um casal homossexual possa ter, por exemplo, o mesmo tipo de direitos parentais que eu e a minha mulher temos em relação aos nossos filhos.
E a propósito, o que é que estava lá a fazer o Miguel Portas? Não faria melhor em preocupar-se em fazer oposição ao governo ou pensar no que vai fazer em Bruxelas, do que andar a desfilar em manifestações ridículas?

Kroniketas, sempre kontra as tretas