sexta-feira, 11 de junho de 2004

A Iliteracia na Tugalândia (6) – Mais valia darem-me um tiro na nuca…

No Expresso do último sábado:
“Dos milhares de refugiados que passaram por Lisboa não ficou nada se não a imagem de uma ditadura…” – no Expresso não se lêem as Krónikas Tugas, está visto.
“Quando o mestre se imola, cola aos olhos, boca e orelhas um caractere que significa “encerramento”” – quando este jornalista escreve e este revisor lê, colam aos olhos, boca e orelhas um carácter que significa “imbecis”! Além de não lerem as Krónikas, nem o revisor ortográfico do processador de texto usam…
Esta vinha num panfleto de um supermercado de origem alemã, que versava sobre as características de um computador pessoal que punham à venda:
“Através do elevado desempenho do sistema operativo Windows XP Home Edition o processamento de médias digitais é uma brincadeira de crianças” – mas escrever não é, e se bem que a utilização do termo “media” não esteja completamente definida, “médias digitais” de certeza que está errado! Use-se o termo de origem latina (media – que é plural, não se esqueçam), adapte-se o termo à nossa grafia (média – mais uma vez, é plural), como em “multimédia” se faz, ou utilize-se “meio” ou “meios”, ou “suporte” e “suportes”, de acordo com o contexto.
Arre, que são burros!

tuguinho, cínico descoroçoado