sexta-feira, 28 de abril de 2006

Reles


A televisão mostrou, os jornais fizeram eco. Nos festejos da conquista do campeonato nacional de futebol, os adeptos do FC Porto entoaram o seu habitual cântico de vitória (SLB! SLB! Filhos da puta SLB!), tendo os jogadores, na varanda do Estádio do Dragão, feito coro com os adeptos (com Ricardo Quaresma em destaque).
Deixando de lado o desrespeito para com os colegas de profissão e de selecção (como reagirão um Simão, um Nuno Gomes ou um Petit quando se encontrarem num estágio da equipa nacional?), a atitude dos jogadores do Porto só vem confirmar aquilo que qualquer pessoa mais atenta já sabe: o único objectivo deles é atacar e achincalhar o Benfica. As vitórias deles não valem nada por si próprias, só valem por ser contra o Benfica, tanto assim que as festejam insultando o Benfica. Que a maioria dos adeptos (felizmente ainda há honrosas excepções, como o comentador Rui Moreira no “Trio de ataque” da RTP N, que tomou uma posição digna em relação a isto) são um bando de imbecis já se sabia. Quando são os próprios jogadores a comportar-se assim, apenas demonstram mais uma vez a sua pequenez. Demonstram que não sabem ganhar porque não é essa a sua natureza.

A minha avó costumava dizer: “se querem ver um pobre soberbo, dêem-lhe a chave de um palheiro”. Estes, por muito que ganhem campeonatos, taças e taças europeias, continuarão sempre a ser pobres. Querem-se fazer grandes mas não sabem porque não nasceram para isso, de tal forma que até aldrabaram a data de fundação. Com estas atitudes só mostram que nunca serão um clube grande a nível nacional, mas apenas um reles clube de província com gente reles. A começar pelo presidente, que é o grande profeta inspirador deste espírito belicoso que os caracteriza.
Tenho dito.

Kroniketas, sempre kontra as tretas