terça-feira, 18 de abril de 2006

O pintor da luz e da água


Impressão - Nascer do sol


Bordighera


La Grenoulliére


Ora vamos lá fazer outra pausa nas desgraças e nas futebolites e olhar para o que vale a pena.
Num post publicado já há alguns dias falei de Èdouard Manet como precursor da modernidade na pintura. Mas se Manet foi o precursor, Claude Monet foi a alma.
Figura de proa dos impressionistas, a quem indirectamente deu o nome, ele é o mestre da água e da luz, cuja impressão refulgente nos consegue transmitir com as suas pinceladas livres de academismos.
A primeira obra apresentada, Impressão – Nascer do Sol, mostra-nos um porto francês ao amanhecer (Le Havre, se não me engano) de uma forma que escandalizou – eles nesse tempo escandalizavam-se facilmente – as mentes formatadas do tempo. Quase parece um esboço se olhado menos atentamente, mas o que parece inacabado mostra-se, numa análise atenta, um portento de economia de meios para transmitir emoções. Foi um jornalista, ao falar sobre o movimento, e tomando como exemplo este quadro e o seu título, que os baptizou como impressionistas.
O segundo quadro, Bordighera, foi pintado no mediterrâneo, numa das muitas viagens em grupo que estes pintores fizeram para procurar novos temas e outra luz, e consegue transmitir-nos toda a luz cálida de uma tarde do sul.
A terceira tela glosa um tema muito utilizado pelos impressionistas (Renoir tem uma obra com o mesmo tema e um enquadramento semelhante, o que é óptimo para verificar as diferenças de estilo entre os artistas), uma zona fluvial perto de Paris, onde os assalariados da pequena burguesia buscavam a diversão e o repouso nos fins-de-semana, num assomo do que se chamaria depois turismo.
Monet foi sempre um pintor da água, chegando mesmo a possuir um barco-estúdio, salvo erro em Argenteuil, para poder pintar essas superfícies estando dentro delas. Algumas das suas últimas obras são precisamente a representação de nenúfares pousados na água.
Também posso dizer que é o meu preferido. Se quiser conhecer mais, existem livros da Taschen (uma versão mais resumida, mas muito boa, aí pelos 9 euros, outra mais grossinha que deve andar pelos 15) e também uma colecção da FNAC (7 ou 8 euros) que nos fornecem muita informação sobre a sua vida, carreira e obra.
Voltarei a atacar brevemente com outro artista ou assim.

tuguinho, cínico impressionado