segunda-feira, 17 de abril de 2006

Para lamentar

Se ainda dúvidas houvesse sobre o carácter de uma boa parte dos eleitos da nação, elas ficariam dissipadas com o último episódio lamentável passado no parlamento.
Os senhores deputados concederam a si próprios uns diazinhos extra de férias e deixaram a câmara sem quorum… A minha turma de liceu tinha mais responsabilidade do que este bando de chupistas possui. Desculpem a dureza, mas estou farto de ler nas notícias episódios deste cariz e parece-me que as moscas mudam mas o resto (vocês sabem do que estou a falar!) é o mesmo.
Estes senhores são pagos, e bem pagos, para estarem presentes no hemiciclo no decorrer dos trabalhos – sim, porque a maioria não faz mais nada do que isso, fazer figura de corpo presente e votar de acordo com o que o partido lhes diz. Quando nem isto fazem a contento, o que é que se pode dizer de semelhantes criaturas? Que o que lhes interessa é o tacho, que se estão a lixar para o país e para nós todos? Porque isto é gozar com todos nós, que até votamos em consciência e na esperança de estarmos a escolher pessoas responsáveis e realmente interessadas no progresso do país! Somos uns ingénuos…
Parece que os meninos vão levar falta. Porra, estamos a falar dos deputados! E o pior disto tudo é que eles nem se envergonham com a situação e irão repeti-la quando tiverem uma oportunidade idêntica!
Nem sei por que é que me aborreço com isto. Acho que vou desistir e arranjar um lugar de deputado. O meu problema é que tenho uma língua sensível que não se dá com o couro das botas…

tuguinho, cínico inconstitucional