segunda-feira, 26 de julho de 2004

Não há nada que aconteça ao Schumacher

11 vitórias em 12 Grandes Prémios disputados! 81 vitórias, mais do que a Lotus, 4ª equipa mais vitoriosa da Fórmula 1! Além de já ter igualado o seu próprio “record” de vitórias numa época, já conseguiu 6 vitórias consecutivas, que também é “record”, e está quase a fazer aquilo que o Senna disse que queria fazer: ganhar 16 corridas e fazer 16 “pole-positions”. Para além da quase impossibilidade de isso realmente acontecer, por este ou aquele imponderável (o acidente no Mónaco é um desses casos), a verdade é que nunca se esperou que “isto” alguma vez pudesse acontecer na Fórmula 1. Até porque as regras actuais foram feitas justamente com a intenção de o evitar.
A grande diferença entre Michael Schumacher e Ayrton Senna é que Senna julgava-se um Deus, enquanto “Schumi” se limita a ser melhor do que todos os outros e melhor do que alguma vez alguém foi. Só isso. E tanto faz partir à frente como atrás, parar 2, 3 ou 4 vezes para reabastecer, o resultado é sempre o mesmo.
A McLaren bem se esforça e o Raikkonen promete, assim como o Alonso e o Button, mas o que é que se há-de fazer contra esta combinação carro-piloto? Talvez esperar que o homem se canse de ganhar e de bater recordes. Até lá é ir-lhe fazendo companhia nos “outros” lugares do pódio e ouvir os hinos italiano e alemão todos os 15 dias, no final de cada Grande Prémio.

Kroniketas, sempre kontra as tretas e à espera que o Schumacher chegue às 100