segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

A lobotomia - parte 42


Como é habitual por aquelas paragens, o treinador Jesualdo Ferreira, mal entrou no FC Porto, começou logo a falar como se tivesse lá nascido e assimilou desde logo o discurso das queixinhas contra tudo e contra todos. Ainda não acenou com a perseguição do Terreiro do Paço, mas com jeito lá chegará.
O último triste episódio passou-se depois da derrota em Leiria na passada 6ª feira. Pressurosamente, Jesualdo veio dizer, depois do jogo, que aquela arbitragem devia ser investigada. Curiosamente, parece já ter-se esquecido do que acontecia ao Benfica sempre que ia jogar ao Porto quando ele lá estava. Curiosamente também, esqueceu-se de mandar investigar o penalty-fantasma assinalado contra o Atlético no final dos 5 minutos de desconto, no jogo para a Taça.
Como muito bem fez notar Leonor Pinhão na sua crónica das 5ªs feiras n’A Bola, se o Benfica tivesse tido um penalty daqueles quando foi eliminado pelo Gondomar talvez Jesualdo ainda fosse treinador do Benfica. Já se deve ter esquecido que esse jogo, também para a Taça, marcou a sua despedida do Benfica mas não teve um penalty-fantasma a favor aos 5 minutos de desconto.
Mas isto são apenas os efeitos da lobotomia. É apenas mais um triste episódio (para aí o 42...) do tratamento a que são sujeitos todos os que vão para aquele clube. Põem-lhes um cérebro novo...

Gabriel Alves dos Santos, tanto comenta livres como cantos