quarta-feira, 28 de dezembro de 2005

Bacalhau nas Krónikas Vinícolas - a polémica continua

A réplica do Tuguinho merece uma tréplica.

Kroniketas

Living in the fast lane - 2



A minha primeira máquina fotográfica foi-me oferecida nos idos de (censurado) pela minha avó. Era de uma marca japonesa desconhecida, de funcionamento básico e, obviamente, manual. Como o avanço do filme era manual, não foram poucas as vezes em que duas exposições ficaram sobrepostas, criando assim uma espécie de surrealismo fotográfico. Cada foto era largamente ponderada, porque os rolos eram caros e tinham no máximo as 36 exposições da praxe, o que tornava cada uma preciosa. E depois havia a revelação e a impressão. E embora estes processos tenham embaratecido com o tempo, a limitação dos rolos continuava.
Há alguns anos surgiram as primeiras máquinas digitais. Primeiro caras e com qualidade duvidosa, hoje vendidas em massa e adoptadas mesmo pelos fotógrafos profissionais mais renitentes. E imaginem, o que dantes estava limitado aos 36 fotogramas, agora está limitado ao tamanho do cartão de memória usado... Que chatice!
Agora é disparar, vilanagem! Qualquer coisa que remotamente possa ser assunto para uma foto não escapa da fúria da objectiva. Mas é assim que se pode aprender... sem limitações ou gastos adicionais.
Acelera que eu gosto!

tuguinho, cínico em pose

Mais bacalhau nas Krónikas Vinícolas...

...Ou aqui.

tuguinho, cínico natalício

terça-feira, 27 de dezembro de 2005

Bacalhau nas Krónikas Vinícolas

O nosso blog temático apresenta uma discussão interna entre os autores acerca dum tema próprio da época: o bacalhau. O que beber com pratos de bacalhau?
As opiniões dividem-se. Uma polémica a acompanhar aqui.

Kroniketas

O aviltamento da língua portuguesa (III)

Há duas expressões que se ouvem por aí a torto e a direito e que não sei se podem ser enquadradas na sinistra categoria das “consagradas pelo uso” porque, salvo melhor opinião, não passam de dois erros crassos.
À séria: não sei de que galáxia veio esta... coisa, mas agora até nos anúncios se vê escrito “diverte-te à séria”. Mas porquê? Então já não é “a sério”? Alguém pensou (que pergunta parva, é claro que ninguém pensou) que sentido é que isto faz, se é que faz algum? A expressão “a sério” já não serve, ou ninguém a conhece?
À última da hora: toda a gente (ou quase) diz isto, e também ninguém percebe o que está a dizer. Porquê “da” hora? Última “da” hora? Não faz mais sentido “à última hora”? O que é que o “da” está ali a fazer? Nos noticiários da televisão é uma praga. Será mais uma aberração consagrada pelo uso?

Kroniketas, defensor da língua portuguesa

Living in the fast lane - 1



Há cerca de 10 anos, uma disquete de 3,5” de alta densidade podia conter um máximo de 1, 44MB de informação. Cabia lá quase tudo.
Hoje em dia, achamos pequenos os CD-R que albergam 700MB e mesmo os DVD-R, com os seus mais de 4GB de espaço, já não servem para tudo. É por isso que os discos externos com centenas de gigabytes são tão úteis.
Acelera que eu gosto!

tuguinho, arqueólogo da modernidade (e cínico encartado, não se esqueçam!)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2005

Olh'ó post de Natal!



Já devem ter notado que hoje é dia de Natal (ok, tecnicamente já foi ontem mas para mim ainda é hoje). Estejam descansados que não vos vou aborrecer com o discurso habitual desta altura. Aliás, este só é um post de Natal porque está a ser feito no rescaldo do dia 25.
É que neste dia as esmolinhas podem ser maiores, mas as pessoas são as mesmas do resto do ano. Perceberam? Oops! Se não tenho cuidado ainda resvalo para o discurso moralista. Ou para o outro, no outro extremo...
As pessoas não têm de ser coerentes. A nossa vida é uma sucessão de incoerências e mudanças de rumo - se assim não fosse desconfio que a principal causa de morte seria o tédio. Mas chateia-me imenso a falsidade. É uma coisa que me chateia, pronto! Mudar é uma coisa, usar uma máscara que nada tem a ver connosco é outra. Claro que todos somos actores uma vez por outra, mas substituir quem somos por qualquer outra coisa é muito mau. E geralmente essa máscara encobre sempre algo que é pior.
Ena pá, que coisa deprimente que estou para aqui a derramar! É melhor desejar-vos muito boas festas e acabar aqui.
Vá, vão para dentro que está a chover e faz frio!
Até já! (isto não é patrocinado pela TMN, apeteceu-me!)

tuguinho, cínico enfeitado

sábado, 24 de dezembro de 2005

A praga do SMS

Desde as 4 da tarde já recebi mais de 10 SMS no telemóvel a desejar boas festas. Para não fazer má figura lá vou pacientemente respondendo a todas. Mesmo das pessoas que passo meses, às vezes anos, sem ver nem falar. Mas nesta altura desencadeia-se a praga dos SMS, muitos deles com um texto chatíssimo vindo sabe-se lá de onde. Tal e qual como no correio electrónico, são recebidas e reencaminhadas, acabando por ser completamente impessoais.
À conta desta praga, o ano passado gastei mais de 100 euros no telemóvel com as respostas às mensagens. Mas porque é que tem que ser agora que toda a gente deseja felicidades aos outros?
Pronto, eu desejo felicidades, bom Natal, bom ano a toda a gente, mas gostaria é que não me obrigassem a dizê-lo 50 vezes nos próximos 7 dias. Já repararam que com isto ninguém telefona? Eu quando quero MESMO desejar algo a alguém telefono a essa pessoa e falo com ela. Não faz sentido doutra maneira. Amanhã vou pegar no telefone e fazer, não uma carrada de mensagens, mas uns quantos telefonemas a pessoas de quem gosto.

Kroniketas, sempre kontra as tretas e a praga do SMS

sexta-feira, 23 de dezembro de 2005

Notas de prova (2)

As Krónikas Vinícolas estão em plena produção de provas (passe a alusão jurídica) aproveitando algumas incursões gastronómicas da época natalícia. Temos duas novas apreciações: Frei João e Duas Quintas. À vossa!

tuguinho e Kroniketas, dedicados ao halterocopismo

quinta-feira, 22 de dezembro de 2005

Comentários

Já estão disponíveis os comentários nas Krónikas Vinícolas, depois de resolvidos os problemas técnicos. Sirvam-se dum copo.

Kroniketas

terça-feira, 20 de dezembro de 2005

Notas de prova (1)

As Krónikas Vinícolas apresentam a primeira apreciação a um vinho, no caso o Dão Quinta dos Carvalhais, Touriga Nacional 2000.

tuguinho e Kroniketas, enófilos sóbrios

segunda-feira, 19 de dezembro de 2005

Não morreu

Ariel Sharon hospitalizado, mas livre de perigo.
Olha que pena. Era menos um canalha...

blogoberto, chico-esperto

Chumbita chumbado



Degradante e vergonhoso o que se passa no Vitória de Setúbal, um dos clubes mais antigos e um histórico do futebol português. Os futebolistas da equipa principal não recebem os ordenados há 3 meses e meio, e desde o princípio da época, em Agosto, só receberam uma vez.
A crise ameaçou rebentar há várias semanas, mas os jogadores têm aguentado a situação com grande coragem, continuando a jogar e mantendo o Vitória numa posição invejável (actualmente 3º classificado no campeonato) e com a melhor defesa da Europa. Só que a paciência tem limites e dois jogadores já rescindiram o contrato com justa causa. Seguiu-se o treinador Norton de Matos, o primeiro a alertar para a situação e que ainda foi acusado de desestabilizador pelo presidente e obrigado a pedir desculpa. Agora, depois de ter mantido uma postura de grande dignidade em todo este processo, bateu com a porta porque “chegou o momento de dizer basta às promessas por cumprir”. Entretanto, pela segunda vez os jogadores ameaçam fazer greve e não comparecer ao próximo jogo com o Benfica, na 4ª feira, o que obrigaria o Vitória a apresentar a equipa B, os juniores ou, mais simplesmente, perder por falta de comparência.
Enquanto isso, o presidente do clube e da SAD, Chumbita Nunes, assobia para o lado, vai para o banco de suplentes fumar cigarrilha durante os jogos e mantém-se refastelado a ganhar os seus 6000 euros por mês. Mas não toma a única decisão decente que poderia tomar, se tivesse um pingo de vergonha na cara: demitir-se. Pelo contrário, ameaça o treinador, diz que este quis demiti-lo e assiste impávido e sereno ao desmoronar duma equipa. Parece Nero a tocar lira enquanto Roma ardia.
Perante a gravidade da situação, fica patente aos adeptos de futebol em Portugal que estamos perante mais um vigarista, um sem-vergonha, um escroque, espécimes em que o nosso futebol é pródigo. Consta que o indivíduo é advogado, pelo que não deve ser falta de lucidez que o impede de perceber que, não sendo parte da solução, é parte do problema. Aliás, ele tornou-se o principal problema, porque não resolve nem passa a pasta a alguém que resolva.
O mais espantoso no meio disto é os sócios e os restantes órgãos sociais terem dado um voto de confiança ao indivíduo. Mas estão à espera de quê para correr com ele? Dum milagre que já se viu que ele não traz? Ou será do Pai Natal?
Por mim, só há uma saída para tentar resolver a crise: é mostrar a porta de saída ao Chumbita. Já o deviam ter chumbado há muito tempo.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

sexta-feira, 16 de dezembro de 2005

Chocante!

1 - Não sei se as palavras chegam para exprimir a raiva, a revolta, a indignação que senti com a notícia de mais uma criança maltratada pelos pais. 7 semanas de vida, 7. Nada, nada mesmo, pode justificar ou explicar, sob qualquer ponto de vista, que se faça isto a um ser que não se pode defender. Um bebé com 7 semanas não fala, não anda, não responde. Apenas, dorme, mama... e chora!
Quem é capaz disto não são pessoas, são monstros, estão abaixo dos irracionais no reino animal. Os irracionais protegem e acarinham as crias.
Por norma costumo ter uma posição crítica e de censura em relação às forças policiais, porque acho que muitas vezes não cumprem a sua missão essencial, que é zelar pela segurança dos cidadãos, e limitam-se a fazer o que é mais fácil que é chatear quem está mais à mão, por pequenas coisas sem importância. Mais ainda quando abusam da sua autoridade impunemente e sem justificação. Mas em casos destes, acho que os que os pais mereciam ser fechados num calabouço da polícia e levar um enxerto de porrada até confessarem o que fizeram. Como aconteceu, ao que parece, com a mãe da Joana no Algarve. A “senhora” apareceu nos jornais com nódoas negras na cara. Bateram-lhe? Se calhar ainda foram poucas! E não me venham com a treta dos direitos dos arguidos, porque aí esquecem-se sempre do mais importante: os direitos das vítimas.

2 - Qual é o papel das comissões de protecção de menores nestes casos? Porque é que de cada vez que aparece uma criança morta ou maltratada, vem sempre a saber-se que uma comissão qualquer fez umas visitas à família e acabou por deixá-la com quem depois se verifica que a maltratou? Fizeram umas visitas e não viram nada de anormal? Então esperavam o quê? Ver os pais a bater-lhe quando eles lá iam?
Será que estas “comissões” são competentes e responsáveis naquilo que fazem? Como é que se justifica que estas situações se repitam sistematicamente? O ministro veio dizer que o sistema neste caso funcionou. Acha? Funcionou depois do bebé estar em coma? E qual é o papel destes avós a quem as crianças são confiadas e que é suposto supervisionarem a situação? Não serão muitas vezes cúmplices, como aconteceu com a criança que apareceu a boiar nas águas do Douro? Ridículas as afirmações do presidente da comissão, de que “nada falhou” e “a coordenação entre o hospital e a CPCJ foi perfeita”! Olha se não fosse!!!
Porque é que, aos primeiros sinais de violência, a criança não é desde logo retirada da alçada dos pais? E porque é que muitas vezes acabam por devolvê-la precisamente àqueles que depois a matam? Os próprios hospitais deveriam desde logo reter uma criança vítima de maus tratos e chamar a polícia. Como é possível que a criança tenha sido hospitalizada 3 vezes e tudo tenha ficado na mesma? Entretanto, ninguém sabia que o pai está referenciado por violência, furtos e abuso sexual de menores?
Em pouco mais de um ano, desapareceu uma criança no Algarve sem que se saiba o que lhe aconteceu; outra apareceu a boiar no rio Douro, com sinais de queimaduras, suspeitando-se que era colocada numa banheira com água a ferver; um miúdo surdo-mudo e amblíope foi morto em casa e violado por um padrasto de 16 anos; uma rapariga morreu em Coimbra depois de andar a saltar de casa em casa, entre a mãe e a avó e uma família adoptiva. Em todos estes casos, o que andaram a fazer os técnicos das comissões? A dormir? Andamos a brincar às famílias?

3 - Como sempre acontece nestas situações dramáticas, há sempre quem se aproveite para lançar a confusão com argumentos retorcidos. Ontem vi no Portugal Diário um comentário acerca desta situação em que uma leitora se insurgia contra o facto de não ser permitida a adopção por casais homossexuais, dizendo que é uma hipocrisia continuar a apostar-se num único tipo de família porque a pedofilia é de pais (heterossexuais) para filhos. Como se isto fosse argumento. Como se o facto de haver heterossexuais que maltratam crianças torne aconselhável entregá-las a homossexuais. À partida não podem maltratá-las porque não as têm, mas o que é que garante que sejam melhores? Se já têm um desvio, quem garante que junto a esse não venham outros? O Bibi, da Casa Pia, é um heterossexual? E um casal homossexual é um bom exemplo para educar uma criança? Com que princípios?

4 - Diz uma das notícias que a mãe é intelectualmente débil. O pai já se viu o que é: violento, ladrão e violador. Tem processos pendentes em tribunal. O bebé já antes apresentava sinais de negligência paterna. Não seria melhor que tivessem abortado? Que direito tem esta gente de pôr uma filha no mundo para a tratar assim, deixando-lhe marcas físicas e psíquicas porventura irreversíveis? É este o “direito à vida” de que falam todos aqueles que impedem que se despenalize o aborto? O que terão a dizer sobre este caso?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

A certeza do erro

“Bush admite que argumentos para a guerra do Iraque estavam errados” (manchete do Público).
E agora? Aqueles que defenderam “à outrance” a invasão, não terão nada a dizer? Não terão vergonha das posições então tomadas, acusando de anti-americanos os que estavam contra a invasão por a considerarem injustificada e ilegítima? Não lhes apetece pintar a cara de preto?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

O que os outros disseram (XIII)

“Não percebo esta rivalidade. Nalguns jogos em que o Sporting estava a ganhar, os cânticos que se ouviam no estádio eram contra o Benfica, mesmo não sendo o Benfica o adversário. Isto para mim não faz sentido”.
(Jorge Gabriel, apresentador de televisão, comentador sportinguista no “Trio de ataque”, RTP N, 13-12-2005)

Sem comentários. É um clube diferente.

blogoberto, chico-esperto

quarta-feira, 14 de dezembro de 2005

Gang à solta

Parece que umas câmaras de vigilância filmaram os assassinos do agente da PSP num posto de combustível. Segundo o Público, já são conhecidas as identidades dos "heróis".
Agora, se forem apanhados, dava jeito que fosse numa barragem de estrada ou numa perseguição. Assim sempre havia justificação para a polícia atirar a matar e fazer picadinho deles. Caso contrário vai ter que ser o erário público a sustentá-los na cadeia e ainda se "arriscam" a ser postos em liberdade por bom comportamento. Estes crimes começam a parecer-se com os filmes americanos, mas só da parte dos criminosos. Era bom que também começassem a dar-lhes caça como nos filmes. Talvez começasse a haver uma "limpeza". Com gente desta só se perdem as que caem no chão.
O problema é que em Portugal os bandidos podem atirar a matar mas a polícia não pode. É mais fácil pôr a polícia a chatear os automobilistas que estacionam mal o carro do que a proteger-nos dos facínoras que assaltam bombas de gasolina e caixas multibanco e matam pessoas... que às vezes são os próprios polícias.
Se a polícia não se consegue defender, como pode defender a população?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

O vómito



O presidente do FC Porto vomitou mais umas boçalidades contra o Benfica a propósito da vitória dos encarnados sobre o Manchester United.
Com o estilo insolente que o caracteriza, Pinto da Costa fez o habitual discurso para atrasados mentais que faz as delícias dos seus prosélitos, logo secundado por alguns sabujos e lambe-botas travestidos de jornalistas que chamam a todas as suas alarvidades “ironias”.
Mais uma vez Pinto da Costa, a propósito de coisa nenhuma, meteu-se com o Benfica e com os benfiquistas, fazendo comentários parolos e idiotas acerca do jogo do Benfica, minimizando o mérito da vitória e mascarando a realidade com alusão ao atraso de 10 pontos do Manchester United no actual campeonato em relação ao Chelsea, mas “esquecendo-se” convenientemente que ficou em último lugar no seu grupo, eliminado por uma equipa que ninguém conhecia (um tal Artmedia) e pelo Glasgow Rangers que, também convenientemente, se esqueceu de referir que está a 16 pontos do Celtic no campeonato da Escócia. Sem falar no nível competitivo de um e outro campeonatos.
As constantes investidas deste indivíduo contra o seu ódio de estimação são um verdadeiro vómito e só num país com uma grande densidade de moços de recados se pode apelidar de “fina ironia” aquilo que não passa de insolência e má-criação.
Como não sou religioso, não digo que do céu lhe venha o remédio, mas espero que quando chegar a sua hora vá arder no inferno em lume brando.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

Relações

Tudo é relativo - nomeadamente o tempo e os números, pequenos e grandes

tuguinho, demasiado novo para ter tido aulas de latim no liceu

domingo, 11 de dezembro de 2005

In Illo Tempore



Hoje é dia de aniversário. As Krónikas Tugas perfazem dois anos de constante (mais ou menos) linguajar em postas. Tal como os cães e outros bichos menos prolixos nos anos de vida, também para um blog é muito tempo de vida. As semelhanças também não ficam por aqui: já ladrámos à lua, espumámos de raiva e urinámos numas quantas pernas. Pensando bem, um blog é melhor que um cão: gasta-se menos em alimentação e não é preciso levá-lo à rua, conquanto, qual tamagotchi de 3ª geração, seja preciso alimentá-lo continuamente, senão morre.
Nos tempos que correm existe uma pressão enorme para as coisas crescerem, sob a pena de acabarem. Esta lógica de fuga para cima fustiga as empresas, as pessoas e até os blogues (aqui usei a grafia tuga…). Não conseguindo escapar-lhe, resolvemos abrir a nossa primeira excrescência, uma espécie de franchise de nós próprios (já o Fernando Pessoa adoptou uma estratégia semelhante que se revelou ganhadora, embora tarde demais para lhe proporcionar vantagens pessoais), que resolvemos denominar, num assomo de inspiração avassaladora, Krónikas Vinícolas.
E do que trata este blogue (outra vez a tuguidade!...) associado, perguntar-se-ão? Embora o nome não o denote, vai tratar de vinhos e dos assuntos a ele ligados. Nada melhor que um começo cambaleante para uma marcha que se quer triunfante! O link está aqui ao lado, sirvam-se.
Mas falava eu, no início desta prosa épica, no nosso segundo aniversário. Pois é, foi a 11 de Dezembro de 2003 que se iniciou esta manhosa publicação de bem saber e mal dizer, com um rubicundo post que assim versava:

"Olá a todo o universo tuga! Isto é só para abrir as hostilidades! O sumo aparecerá nos próximos dias.
tuguinho"


Dois anos depois ainda não estamos preparados para parar. Já nos trataram mal, já nos fizeram festinhas no lombo e nos coçaram a barriga, já tivemos confusões zoológicas e outras que não, enfim, já somámos alguma coisa à nossa existência. Vamos continuar a somar – é que, ao contrário de muita gente, ainda sabemos fazer contas, até com números grandes.
Parabéns a vocês.
Parabéns a nós!

tuguinho e Kroniketas, os diletantes preguiçosos

Efeméride e inauguração

Assinalando a passagem do nosso 2º aniversário (sim, foi há dois anos que saiu a primeira posta de pescada neste blog), as Krónikas Tugas inauguram hoje uma nova secção, que funciona como uma espécie de extensão do blog original: as Krónikas Vinícolas, já devidamente assinaladas no painel de ligações à esquerda.
Vai ser um espaço menos dinâmico que este, onde os nossos enófilos de serviço vão, esporádica ou frequentemente, verter as suas sugestões e apreciações acerca dos vinhos que vão encontrando e provando.
Para marcar a estreia, apresentamos um artigo que vai funcionar como referência permanente, que é a lista de sugestões pacientemente elaborada pelo Kroniketas, onde estão escolhidos os vinhos verdes, brancos e tintos da nossa preferência, separados em patamares de preços e organizados alfabeticamente por regiões, com a referência ao preço mais barato encontrado nas feiras de vinhos.
Como termo de comparação apresentamos também os preços encontrados este ano na feira de vinhos da Makro (com IVA incluído).
Esta lista será actualizada sempre que os cronistas de serviço considerarem pertinente, mantendo sempre a mesma estrutura. Começamos com 99 vinhos, mas esperamos encontrar rapidamente o 100º para compor a lista.
Temos assim um leque para todos os gostos e todos os bolsos, que esperamos poder ajudar os mais desatentos a fazer compras acertadas.

Idálio Saroto, provedor do blog

Portugal no Mundial-2006

Grupo D: México, Irão e Angola. Mais fácil era difícil.

blogoberto, chico-esperto

sábado, 10 de dezembro de 2005

O Regresso



Tenho para mim que não há alegria como a do regresso! É certo que não fui a lugar nenhum, mas também é certo que voltei. Aos posts. Não é às postas, é aos posts! Não, não é aos postes, porra! Não sou guarda-redes, jogo a ponta direita do sofá!
Voltei para vos perturbar com publicações sem interesse, jogos de palavras da treta e assuntos inqualificáveis. Eu sei que gostam. Todos os três leitores, mais coisa, menos coisa.
Portanto vou tentar arranjar assunto e pespegar com mais um post descabido aqui no sítio do costume. Talvez amanhã, talvez depois - com esta incerteza sempre passam por aqui mais vezes.
Então até amanhã (ou depois).

tuguinho, cínico regressado (claro que não fui, mas é certo que voltei, percebem?)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2005

Ah, nós estivemos lá

Por coincidência, ficámos a saber que um dos blogs presentes nas nossas ligações, o Sound+Vision, é da autoria dos promotores das sessões que durante a última semana decorreram nas lojas Fnac de Lisboa, numa evocação da carreira dos Beatles e em particular da vida e carreira de John Lennon, tristemente morto por 3 balas assassinas há 25 anos.
Conhecendo antecipadamente a existência dessas sessões, as Krónikas Tugas deslocaram-se a duas das realizadas no Colombo, no passado dia 3 e hoje, dia 8, esta dedicada à memória de Lennon.
Verificámos agora que aquele blog tem vindo a promover as referidas sessões ao longo da semana, apresentando muita informação acerca dos conteúdos das sessões. É uma leitura que vale a pena.

Kroniketas

25 anos depois



John Winston Lennon
9/10/1940 – 8/12/1980


A nossa singela homenagem à memória dum génio

Kroniketas

quarta-feira, 7 de dezembro de 2005

Grande vitória




Esta noite o Benfica matou mais um borrego, ganhando pela primeira vez ao Manchester United (o clube mais rico do mundo) nas competições europeias e qualificando-se para a segunda fase da Liga dos Campeões, atirando os ingleses para fora da Europa.
Foi um jogo sofrido, com uma exibição adulta e segura duma equipa que soube superar as adversidades resultantes de ausências de jogadores importantes e dum golo caricato sofrido a frio. A reacção que levou à vitória foi notável e o espírito colectivo e de luta demonstrados fizeram esquecer os craques ausentes, mostrando que a equipa é sempre mais importante que as individualidades. Até o treinador acertou na táctica desta vez.
Esta vitória merece ser dedicada a todos os anti-benfiquistas primários e frustrados que vêm para os sites festejar os golos do adversário e fazer-nos o funeral aos 5 minutos de jogo; aos portistas que com a sua habitual arrogância andaram a anunciar que o Benfica ia envergonhar o país na Liga dos Campeões (afinal não fomos nós que ficámos em último lugar no grupo); e ao merdoso advogado do jogador Miguel, que tem um ódio de morte ao Benfica e que ontem à noite na SIC Notícias não teve coragem que dizer que estava contra o Benfica, limitando-se a dizer que o Manchester tem o Ronaldo e o Carlos Queirós, de quem ele é amigo. Tomem umas pastilhas Rennie que isso passa. E não mordam a língua porque a raiva pode matar.
Quanto a Cristiano Ronaldo, fez uma triste figura no Estádio da Luz e limitou-se a fazer palhaçadas e uns quantos números de circo mal sucedidos, terminando da pior forma com um gesto provocatório para o público. É melhor que cresça em vez de vir para o seu país fazer espalhafatos. Quanto ao dedo que mostrou ao público, bem o pode enfiar num sítio que eu cá sei...

Kroniketas, sempre kontra as tretas e orgulhoso do Benfica

segunda-feira, 5 de dezembro de 2005

Xaropada

Isto não é um debate, são entrevistas cruzadas. Com este formato americano não há debate nem confronto, há uma xaropada...

blogoberto, chico-esperto

domingo, 4 de dezembro de 2005

O que os outros disseram (XII)

“A hipocrisia é um dos grandes princípios do dogma católico”
(Clara Ferreira Alves, “O eixo do mal”, Sic Notícias, 3-12-2005)

sábado, 3 de dezembro de 2005

Os habituais abusos duma empresa detestável

Vale a pena ler esta notícia.

Comentários para quê? É a Portugal Telecom!

blogoberto, chico-esperto

quinta-feira, 1 de dezembro de 2005

Restauração

Hoje também é dia de restauração da independência. Há 365 anos a dinastia dos Filipes foi corrida de Portugal, Miguel de Vasconcelos foi atirado da varanda e proclamou-se a independência.
Na Praça dos Restauradores, em Lisboa, um daqueles eventos a que só alguns saudosistas septuagenários assistem (como comemorar a implantação da República a 5 de Outubro e outras coisas assim) obrigou ao corte do trânsito provocando o pandemónio na Avenida da Liberdade (e os pobres dos automobilistas, que se calhar só queriam ir passear ou fazer compras, a gramar aquilo debaixo duma chuva incessante).
Vendo o estado a que Portugal e Espanha chegaram 365 anos depois, o que apetece perguntar é se valerá mesmo a pena comemorar...

Kroniketas, sempre kontra as tretas

Blog on the rooftops...



Hoje é o dia mundial de luta contra a SIDA.
Não há muito a dizer sobre isto.
Não é praga bíblica.
Nem castigo divino.
Ou experiência biológica descontrolada.
Nem componente de conspiração global.
É só a vida.
Se fosse fácil até as pedras respirariam…

tuguinho, cínico solidário