quarta-feira, 26 de janeiro de 2005

O Acidental não devia ter aspirações…

Há-de haver sempre basbaques que se gastam e desgastam a observar a vida dos outros, quais voyeurs da existência, e que depois se arrimam em grandes pensadores e dizem o que essas pessoas deviam fazer e como essas pessoas deviam pensar. Até pode já ter sido assim e haver gente que gostaria que o fosse novamente – mas aqui, agora, não é! Caro Ricardo, vá aos jantares que quiser, deixe-se usar e abusar, não se deixe manipular, mande-os foder a todos, dê-lhes palmadinhas nas costas… em suma, faça o que lhe der na real (sem causa) gana e mande todos os poltrões (sinónimos: cagarolas, inertes, pusilânimes) levar onde as Portas só deviam ser de saída!
E, parafraseando o dito Ricardo, obrigado por me terem dado a oportunidade de usar as palavras “basbaque” e “poltrão”, pelas quais nutro particular bem-querer (e, parafraseando o parafraseamento do Ricardo, obrigado por me terem dado a oportunidade de usar a palavra “bem-querer”, pela qual nutro particular ternura (e, parafraseando o parafraseamento do parafraseamento…).).
E viva o Benfica!

tuguinho, cínico sem aspirações (aqui ainda se usa vassoura!)