quinta-feira, 27 de janeiro de 2005

Algumas pérolas do presidente da “instituição”

  • “O futebol pode recuar um bocadinho para trás” (isto é grave, porque seria muito melhor se recuasse para a frente)
  • “É preciso que TÊNHAMOS orgulho em estar à frente destas instituições”
  • “Para que não SÊJAMOS acusados de não tentar melhorar o futebol…”

Não sei se é por influência deste discurso, mas até o treinador-adjunto Álvaro na conferência de imprensa após o jogo com o Sporting disse que todos os jogadores deviam ter orgulho em representar esta “instituição”. Já cansa…
Em relação ao dito jogo, parece que por uma vez os jogadores se encheram de brios e pelo menos tentaram jogar um bocadinho mais que o habitual. É verdade que o Sporting foi sempre melhor e na primeira parte dominou completamente o jogo, mas a falta de futebol (meio-campo incapaz de controlar o jogo, defesa em constante aflição) foi compensada pela raça que em tempos não muito distantes era apanágio do que se chamava “jogadores à Benfica”.
Com um bocadinho de sorte – que também faz falta nestas coisas – e três pontapés inspirados conseguimos adiar a decisão para os “penalties”. Em futebol jogado dificilmente conseguiríamos ganhar o jogo, mas nos pontapés fatais vi pela primeira vez o Benfica marcar 7 seguidos, todos bem marcados, sem falhar nenhum. Pelo menos nisso parece que os rapazes estão bem treinados.
Agora o que se pede é que, a dois jogos da final, seja qual for o resultado do sorteio, a equipa do Benfica dê tudo para os ganhar, de modo dignificar o nome do clube e o estatuto de actual vencedor do troféu. Não vai ser um passeio, mas o mínimo que se exige é o que eles não têm feito até agora: honrar a camisola que vestem.

Kroniketas, à espera da presença na final da Taça