domingo, 9 de julho de 2006

Já vai tarde


De que serve ter o melhor marcador de sempre da selecção se ele é sempre um jogador a menos em campo?
Pauleta passou ao lado do Europeu de 2004 e do Mundial de 2006. O homem que destronou Eusébio como melhor goleador da selecção revelou-se uma autêntica nulidade em jogos verdadeiramente a doer. Essencialmente revelou-se um bom goleador contra equipas como o Liechtenstein, o Azerbeijão, o Luxemburgo, Andorra, Angola e Cabo Verde. Durante este campeonato do mundo, com ele em campo estivemos sempre a jogar com 10. Ainda bem que abandonou agora a selecção, pode ser que no próximo Europeu ou Mundial jogue alguém naquela posição sem ser para fazer número. No MaisFutebol têm a mesma opinião.
Só não percebo esta paixão de Scolari por ele. Já no Europeu de 2004 teve que ser Nuno Gomes a resolver o problema com a Espanha, e Hélder Postiga com a Inglaterra. Desta vez, Nuno Gomes fez o mesmo em menos de meia-hora que Pauleta no campeonato todo. E mais que Postiga. Porque é que Scolari não o pôs a jogar mais vezes, só ele saberá.
Em contrapartida, os “indispensáveis” Deco e Costinha foram outro fiasco. Nos 5 jogos que Portugal ganhou, eles estiveram em campo um jogo e meio. Nos dois últimos jogos, com eles em campo, perdemos, o que só prova que não eram assim tão indispensáveis. Nos momentos decisivos, quando ganhámos, eles não estavam lá.

Kroniketas, sempre kontra as tretas