quinta-feira, 9 de março de 2006

Os anões


Numa altura em que a coligação Sporting-Porto está há muito tempo afastada das competições europeias e só resta o Benfica como representante português nas provas da UEFA, é curioso verificar algumas mudanças de discurso de alguns anões e marrecos mentais.
- Agora já não somos todos portugueses porque agora já não é uma equipa portuguesa que lá está.
- Agora já não é obrigatório torcer pela equipa que lá está porque agora os pontos ganhos por essa equipa já não são importantes para o “ranking” dos clubes na UEFA.
- Agora já há razão para desejar que a equipa presente seja eliminada porque os seus adeptos são arrogantes (isto dizem os portistas!!!).
- Agora há quem deseje que o Benfica seja goleado e banido das competições europeias porque não tem categoria para lá estar.

Isto é dito pelas mesmas pessoas que desejam que se não for o Sporting a ganhar o campeonato, que seja o Porto, e se não for o Porto, que seja o Sporting. Estamos, portanto, perante os adeptos do Sporting Clube do Porto. São as mesmas pessoas que dizem que a maior alegria que têm é quando o Benfica perde por 7 (sendo assim só tiveram duas alegrias na vida). São as mesmas pessoas que desejam que o Porto ganhe todos os seus jogos até jogar com o Sporting para não correr o risco de o Benfica se aproximar do 1º lugar. São as mesmas que chamam ao nosso estádio “galinheiro” ou “capoeira”. São os mesmos que nos chamam o clube da codorniz ou galináceos. São os mesmos que dizem que não temos categoria para estar na Liga dos Campeões (mas não dizem que o seu “grande clube” ficou em último lugar no grupo que tinha esses colossos do futebol mundial que dão pelo nome de Artmedia e Glasgow Rangers, e que na Liga dos Campeões que ganharam defrontaram outros colossos como o Lyon, o Corunha e o Mónaco, e quando ganharam uma Taça no Japão venceram nos penalties uma equipa cujo nome ninguém sabe...).
Estes marrecos mentais só têm um fim nas suas tristes e grotescas existências: odiar o Benfica. Os únicos momentos de felicidade que estes pobres de espírito devem ter são quando podem estar num site dum jornal ou num programa de rádio a destilar veneno contra o clube a quem devotam todo o seu ódio.
A sua pequenez não lhes permite ver que ao odiarem-nos tanto só nos engrandecem, porque só se odeia aquilo que é importante, aquilo que nos incomoda. Mas a nós, benfiquistas, esses anões não nos incomodam, porque por muito que se ponham em bicos de pés nunca deixarão de ser anões, nem nunca saberão o que é um clube com dimensão mundial. Não percebem que por muitos troféus que ganhem nunca deixarão de ser aquilo que são, anões, porque nasceram pequenos e provincianos e hão-de ser sempre assim. Assim como a rã que queria ser boi e, de tanto inchar, rebentou. Têm a mesma importância duma mosca varejeira que esvoaça à nossa volta mas que nos limitamos a enxotar.
Espero que passem todos uma péssima noite, que espumem de raiva até ao desespero e que continuem a desejar ardentemente as nossas derrotas, porque cada momento de glória que tivermos, como esta noite em Anfield Road ao ganhar ao campeão europeu, será mais um grande sapo que terão de engolir. Espero que não se asfixiem para poderem ainda engolir muitos outros sapos.
Como disse um estadista, longa vida aos nossos inimigos (em especial Pinto da Costa e seus acólitos) para que assistam de pé às nossas vitórias.

Kroniketas, sempre kontra as tretas e em jeito de desabafo