segunda-feira, 31 de janeiro de 2005

Paris, 7ème Arrondissement

Pois é, chega-se aqui e começam a notar-se as diferenças...
Não, não estou a falar do frio, embora aqui esteja um bocadito mais fresco. Estou a falar da Internet, que neste momento estou a usar e que, aqui no hotel, é gratuita!
É que não há choque tecnológico que resista a hot spots a 5€ à hora, nem a linhas telefónicas de hotel que são lentas e custam os olhos da cara...
A acessibilidade à informação cria-se com estas coisas, não é atirando temas como os casamentos homossexuais para a fogueira da campanha!
Foi só para que constasse.

tuguinho, cínico emparisiado

Não se arranjam por aí uns castigadores da parvoíce?

Os acidentais fizeram uma ofensiva contra o Ricardo Araújo Pereira (Gato fedorento) porque este apareceu num jantar de apoio ao Bloco de Esquerda. Um dos argumentos usados é que um humorista “não devia ter ambições políticas”. Outro argumento, mais profundo, tem a ver com o passado dos regimes conotados com o comunismo e, suprema gravidade, o facto de o Ricardo ter sido filiado no PCP e ter saído do partido por causa do que fizeram ao Edgar Correia e ao Carlos Brito.
1ª questão: os acidentados não perdoam ao Ricardo o facto de ele ser de esquerda. Esse é o ponto de partida. Se ele tivesse aparecido num jantar de apoio ao CDS/PP (o grande guia espiritual dos sinistrados) ou do PSD apenas estaria, certamente, a exercer um direito de cidadania que lhe assiste, como a qualquer democrata-cristão, liberal ou conservador. O grave é que uma figura de popularidade crescente, que protagoniza um sketch que até já se transformou em anúncio e entrou na linguagem do dia-a-dia dos cidadãos, teve a ousadia de aparecer em público a apoiar um partido que é mal visto e mal aceite por algumas cabeças “bem-pensantes” do nosso burgo. Ou seja, o Ricardo Araújo Pereira não é politicamente correcto e apoia um partido que também não o é. Isso não se faz!
2ª questão: o que a “moderna” direita portuguesa não consegue engolir é que as suas teorias não medram (não confundir com merdam) como eles gostariam. O CDS é um partido que está sempre a viver na sombra do PSD (e tem de se colar ao PSD para ser governo), que esteve à beira da extinção no tempo de Cavaco Silva, enquanto o BE surgiu há poucos anos da aglutinação de pequenos partidos à esquerda do PCP e tem vindo a crescer de eleição para eleição. Os despistados entraram em pânico com a sondagem da (suprema ironia) Universidade Católica para a RTP e Público, que punha o BE com 8% das intenções de voto, a par do PCP, e o CDS/PP com 6%. Como no sábado o Expresso publicou outra sondagem que punha o BE com 4% e o CDS em 3º lugar, logo se apressaram a vir perguntar onde estão o Francisco Louçã e o Jerónimo de Sousa, que não comentaram esta sondagem. Se calhar não comentaram porque a RTP não lhes foi perguntar, porque não era a sua sondagem.
(Parêntesis para dizer que essa sondagem deve ser a da SIC, da responsabilidade da Eurosondagem. Esta empresa, como se sabe, é a do Rui Oliveira e Costa que, na noite das presidenciais americanas, deu 95% de hipóteses de vitória ao candidato derrotado… É só uma nota.)
3ª questão: os direitistas/conservadores portugueses não conseguem (porque não querem ou não têm capacidade para tal) distinguir a teoria da “sociedade sem classes” da prática dos aparelhos partidários e dos governos que instalaram regimes totalitários e opressivos sob a capa do comunismo. O filme REDS, protagonizado por Warren Beatty, é um excelente retrato do que era o ideal da revolução russa e no que a mesma foi transformada pelos burocratas do partido. O “ideal comunista” era, em tese, conseguir uma sociedade mais justa e dar o poder ao povo. Se isso é atingível ou não é outra conversa que não vem agora ao caso, mas há uns anos Álvaro Cunhal disse, numa espécie de reedição do debate com Mário Soares, que a utopia continua a fazer sentido. Isso mesmo: a utopia de conseguir um mundo onde toda gente tenha as mesmas possibilidades, que é ligeiramente diferente de uma “ditadura de esquerda”. Mesmo sendo uma utopia, se calhar a teoria, bem usada, poderia abrir caminhos para uma sociedade onde os ricos não fossem cada mais ricos e os pobres cada vez mais pobres, como acontece nas sociedades capitalistas.
Mas o pensamento obtuso da corrente política dos capotados confunde a obra-prima dum mestre com a prima do mestre-de-obras e mete tudo no mesmo saco. Assim, qualquer pessoa que seja apoiante, militante, filiada ou simpatizante num partido à esquerda do PS é apontada a dedo como se fosse leprosa e uma criatura repelente. E eu pergunto: não são o BE e o PCP partidos legalizados, com os mesmos direitos do CDS/PP? Não concorrem às eleições em igualdade perante os eleitores? E os seus votantes não são cidadãos de pleno direito como os do PSD e do CDS? Ou será que os 4%, 6% ou 8% que forem votar no BE devem ser escorraçados da sociedade ou, quiçá, postos num “gueto” como eram os judeus? (pois é, pá, a PIDE e o Tarrafal acabaram acabou há mais de 30 anos e Auschwitz há 60). E se o BE e o PCP ficarem à frente do CDS nas eleições, com que direito é que os acidentados vêm dar lições aos que têm mais votos que eles? Terá um partido de direita que fique em 5º lugar autoridade moral para dar lições a alguém?
4ª questão: não deixa de ser irónico que os desnorteados venham agradecer ao Presidente da República, com base numa sondagem que dá 45% ao PS e 8% ao BE, “por retirar o governo a uma maioria absoluta e o colocar nas mãos de um partido com 8% dos votos”. É o que se chama perder uma boa oportunidade para estar calado. Se for este o resultado eleitoral, significa que essa maioria absoluta na realidade já não o é. E pergunto: para “esta maioria” ser formada, não foram precisos os 9% do CDS? Fica-se portanto a saber que para os naufragados só é legítimo colocar a formação de um governo nas mãos dum partido com 8% dos votos (ou mesmo 6%) se esse partido for o deles.
Depois das lições de moral dadas ao Ricardo Araújo Pereira por causa da sua opção politica (e atacaram todos em bando, como nas quadrilhas: todos juntos a malhar num só), acabaram, face à ausência de réplica por parte do visado após duas respostas devidamente fundamentadas, por vir manifestar saudades dos amigos do Gato. Pois é, estes devem ter achado que não valia a pena estar a gastar mais cera com tão ruins defuntos.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

Queres ver que acertaram?!

Queres ver que a compra do Nuno Assis foi uma decisão acertada? O que é certo é que o homem jogou, fez jogar, marcou, deu a marcar, correu, enfim... tudo aquilo a que já não estamos habituados a ver pelos lados da Luz.
É certo que, estatisticamente, teriam de acertar nalguma contratação. Mas ainda bem que foi agora.

blogoberto, chico-esperto (e treinador de bancada)

domingo, 30 de janeiro de 2005

A bomba rebentou!



Quando nos iniciamos nisto dos blogs, é natural que nos queiramos tornar visíveis, que nos leiam, que nos considerem "dos deles", que linkemos um pouco como quem tacteia no escuro. Não é diferente do comportamento humano quando sujeito a novos e desconhecidos ambientes - se se lembrarem do vosso primeiro dia de escola já devem conhecer a sensação. E tal como na escola, relacionarmo-nos com os mais populares parece sempre o mais acertado.
Com o decorrer do tempo e o ganhar de confiança as coisas adquirem definição e as nossas escolhas passam a ser mais alicerçadas na realidade. E o que antes nos parecia indiscutível passa muitas vezes a ser dispensável. Como diria o outro, é a vida! E é por isso que resolvemos limpar o pó às nossas Ligações Perigosas.
Nada nos move contra ninguém, simplesmente considerámos que actualmente (e na nossa opinião) alguns dos blogs linkados não têm o interesse suficiente para aparecer nas nossas ligações. Aliás, nunca exigimos qualquer reciprocidade nestas coisas para podermos manter a liberdade total, por assim dizer. Alguns dos presentes nunca nos linkaram e não foi por isso que corremos a retirá-los das nossas ligações. E quem for retirado, nada obsta a que no futuro não reapareça, se assim os revalorizarmos. Portanto, é natural que vejam por ali algumas mudanças.
Este será um processo que continuaremos a efectuar, para que os nossos links não se transformem em múmias sem sentido nem interesse. Prontos, foi só para que constasse.

Os diletantes preguiçosos

sexta-feira, 28 de janeiro de 2005

Grande Campanha de Limpeza e Renovação!



Agora que os bichos estão a morrer com o frio e o Sporting foi eliminado da Taça, chegou a altura de executar uma faxina no nosso canto bloguístico.
Assim, iremos retirar alguns linques e, provavelmente, acrescentar outros - aceitam-se sugestões dos excelsos leitores; os vencedores serão premiados com um jantar (pagando, claro!) com os proprietários do blog, num restaurante à (nossa) escolha.
Integrando-se no nosso plano de expansão, qualquer blog que nos linque não pagará absolutamente nada! Esta promoção será válida de 1 de Fevereiro de 2005 em diante.
Vamos por em marcha em simultâneo um processo para atrair mais visitantes, de que a próxima linha é um exemplo:
tsunami santana sócrates porno malacueco gajas melões benfica futebol pénis esclerose
Motores de busca, estamos aqui!
Brevemente a primeira alteração! E prometo que será bombástica!

Idálio Saroto, provedor deste blog (não é provador, ó ignorante!)

...ou até mesmo uns palhacentos!

blogoberto, chico-esperto e, às vezes, com dupla personalidade

quinta-feira, 27 de janeiro de 2005

Parafraseando o Ricardo Araújo Pereira...

Os Acidentados são, basicamente, uns palermas.

blogoberto, chico-esperto

Algumas pérolas do presidente da “instituição”

  • “O futebol pode recuar um bocadinho para trás” (isto é grave, porque seria muito melhor se recuasse para a frente)
  • “É preciso que TÊNHAMOS orgulho em estar à frente destas instituições”
  • “Para que não SÊJAMOS acusados de não tentar melhorar o futebol…”

Não sei se é por influência deste discurso, mas até o treinador-adjunto Álvaro na conferência de imprensa após o jogo com o Sporting disse que todos os jogadores deviam ter orgulho em representar esta “instituição”. Já cansa…
Em relação ao dito jogo, parece que por uma vez os jogadores se encheram de brios e pelo menos tentaram jogar um bocadinho mais que o habitual. É verdade que o Sporting foi sempre melhor e na primeira parte dominou completamente o jogo, mas a falta de futebol (meio-campo incapaz de controlar o jogo, defesa em constante aflição) foi compensada pela raça que em tempos não muito distantes era apanágio do que se chamava “jogadores à Benfica”.
Com um bocadinho de sorte – que também faz falta nestas coisas – e três pontapés inspirados conseguimos adiar a decisão para os “penalties”. Em futebol jogado dificilmente conseguiríamos ganhar o jogo, mas nos pontapés fatais vi pela primeira vez o Benfica marcar 7 seguidos, todos bem marcados, sem falhar nenhum. Pelo menos nisso parece que os rapazes estão bem treinados.
Agora o que se pede é que, a dois jogos da final, seja qual for o resultado do sorteio, a equipa do Benfica dê tudo para os ganhar, de modo dignificar o nome do clube e o estatuto de actual vencedor do troféu. Não vai ser um passeio, mas o mínimo que se exige é o que eles não têm feito até agora: honrar a camisola que vestem.

Kroniketas, à espera da presença na final da Taça

quarta-feira, 26 de janeiro de 2005

O Acidental não devia ter aspirações…

Há-de haver sempre basbaques que se gastam e desgastam a observar a vida dos outros, quais voyeurs da existência, e que depois se arrimam em grandes pensadores e dizem o que essas pessoas deviam fazer e como essas pessoas deviam pensar. Até pode já ter sido assim e haver gente que gostaria que o fosse novamente – mas aqui, agora, não é! Caro Ricardo, vá aos jantares que quiser, deixe-se usar e abusar, não se deixe manipular, mande-os foder a todos, dê-lhes palmadinhas nas costas… em suma, faça o que lhe der na real (sem causa) gana e mande todos os poltrões (sinónimos: cagarolas, inertes, pusilânimes) levar onde as Portas só deviam ser de saída!
E, parafraseando o dito Ricardo, obrigado por me terem dado a oportunidade de usar as palavras “basbaque” e “poltrão”, pelas quais nutro particular bem-querer (e, parafraseando o parafraseamento do Ricardo, obrigado por me terem dado a oportunidade de usar a palavra “bem-querer”, pela qual nutro particular ternura (e, parafraseando o parafraseamento do parafraseamento…).).
E viva o Benfica!

tuguinho, cínico sem aspirações (aqui ainda se usa vassoura!)

O fedorento acidental

O Ricardo “Gato fedorento” Araújo Pereira tem mais categoria numa frase só do que o Acidental PPM em 20 posts (esses sim) fedorentos que escreva a dar largas à sua cruzada obsessiva contra tudo o que se relacione com a esquerda.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

terça-feira, 25 de janeiro de 2005

Benfica - Mais do mesmo

Na continuação do descalabro benfiquista, mais uma boa notícia para todos os adeptos da “instituição”: o Miguel tem uma rotura muscular e não vai defrontar o Sporting na 4ª feira. Perante isto, aqui ficam mais algumas perguntas pertinentes:

  • Trapattoni disse que vai ser preciso começar tudo de novo. Pergunta: o que é que têm andado a fazer desde o início da época? A dar voltinhas ao campo, que é a imagem que aparece sempre que a televisão vai filmar os treinos do Benfica?
  • Porque é que Miguel se lesiona repetidamente e, mais grave, continua em campo a jogar lesionado? Que preparação é esta que permite constantes lesões musculares?
  • Luís Filipe Vieira apareceu na televisão, no camarote presidencial, a rir logo após o Beira-Mar ter falhado o 2º golo, ainda na primeira parte. Pergunta: o presidente da “instituição” ri de quê?
  • É NORMAL o Benfica perder 4 dos últimos 7 jogos?
  • A culpa de tudo isto será dos “abutres”? Será de Gaspar Ramos?


Kroniketas, sempre kontra as tretas

domingo, 23 de janeiro de 2005

Não, sr. Trapattoni, não é normal

Depois de mais uma exibição vergonhosa a roçar o zero de qualidade e de sermos humilhados no nosso próprio estádio pelo penúltimo classificado (que só tinha ganho 3 jogos e é treinado por um especialista em descer de divisão as equipas que treina), o treinador do Benfica, depois de repetir pela 20ª vez que o campeonato é longo (como se isso fosse atenuante para a vergonha exibicional que se arrasta há 6 meses, isto é, desde que o campeonato começou) disse que É NORMAL os adeptos assobiarem quando a equipa perde. E eu acrescento: É NORMAL os adeptos pedirem a saída do treinador quando se mete pelos olhos dentro que este é incapaz de pôr a equipa a jogar a um nível minimamente aceitável.

  • O que NÃO É NORMAL é que ao fim de 18 jornadas a equipa de futebol do maior clube português continue a ser uma das que pior joga neste país;
  • O que NÃO É NORMAL é que qualquer equipa do fundo da tabela (daquelas que lutam para não descer de divisão) que se apresente no estádio da Luz com um mínimo de organização dê um banho de futebol ao Benfica e saia como merecedora indiscutível da vitória;
  • O que NÃO É NORMAL é que depois de 4 vitórias nos primeiros 5 jogos, o Benfica esteja há 3 meses e meio sem ganhar fora, que não consiga duas vitórias seguidas desde então e que só tenha ganho 6 dos últimos 13 jogos;
  • O que NÃO É NORMAL é que um treinador que tem fama (e proveito) de ser defensivo não consiga, pelo menos, pôr a equipa a defender de forma minimamente segura, sofrendo mais de um golo por jogo (20 em 18 jogos) e na maioria dos casos como resultado de erros absolutamente primários;
  • O que NÃO É NORMAL é que enquanto as outras equipas evoluem com o decorrer dos jogos, no Benfica não se veja qualquer melhoria no jogo da equipa ao longo da época; pelo contrário, vê-se um constante decréscimo de entrosamento entre os jogadores, como se os que entram em campo fossem apenas um grupo excursionista que não se conhece de lado nenhum e se encontrou ali por acaso para fazer um joguinho de fim-de-semana do tipo “solteiros contra casados”;
  • O que NÃO É NORMAL é que uma equipa que se diz que é candidata a ganhar algo (não se sabe o quê) perca sistematicamente todos os jogos decisivos ou com adversários de algum peso e nalguns casos de forma expressiva (Anderlecht 3-0, Estugarda 3-0, Belenenses 4-1, Porto duas vezes, Sporting);
  • O que NÃO É NORMAL é que o presidente da “instituição” (por favor, alguém que lhe ensine outra palavra para ele mudar o disco, pois já não há paciência para o ouvir repetir até à exaustão as referências ao clube como “a instituição”) continue a assobiar para o lado, como se nada de especial se passasse, e se mantenha na firme disposição de continuar com este treinador até ao desastre final;
  • O que NÃO É NORMAL é que o ex-dirigente Gaspar Ramos que, bem ou mal, enquanto lá esteve fez algo pelo clube, ganhou títulos e até se sentou no banco dos réus em defesa do clube num processo movido por Pinto da Costa, de quem sempre foi um feroz opositor (ao ponto de numa assembleia do Porto ter sido declarado inimigo nº 1 daquele clube) seja agora apelidado de “abutre” por um presidente em exercício que, por acaso, quando o Benfica foi vilmente atacado pelo “Papa” e seus acólitos – ao ponto de alguns dirigentes terem que sair do estádio das Antas escondidos numa ambulância – ninguém sabe onde estava, ou se calhar estava aliado a esse declarado inimigo da “instituição”. Que autoridade moral tem Luís Filipe Vieira para chamar “abutre” a alguém que lutou pelo clube muito antes dele?
  • O que NÃO É NORMAL é que o director do futebol seja o fundador da casa do F. C. Porto no Luxemburgo e que a gestão do plantel profissional do clube esteja inteiramente dependente dos seus interesses particulares, só assim se justificando as contratações feitas no Estoril, de que o dito cujo é o principal accionista – ainda ontem se viu a (in)utilidade da contratação de Carlitos.
  • E NÃO É NORMAL, sobretudo, que o presidente da “instituição” reaja com um “qual é o problema?” após uma das várias humilhações da época, o desastre dos 4-1 no Restelo, coisa que não acontecia há meio-século.

Será que os benfiquistas acham tudo isto NORMAL? Eu não acho e também aqui (porque me recuso a ir ao estádio alimentar ainda mais aqueles calões) mostro o meu lenço branco ao treinador e à direcção.
Há alguns anos um jornalista escreveu que o grande problema do Benfica é que quem tem dinheiro não tem classe e quem tem classe não tem dinheiro. Mas há outro que se junta a esses dois, e que é o principal de tudo: com ou sem dinheiro, o que não há é COMPETÊNCIA para gerir um clube de futebol. Este negócio não é bem igual a uma loja de pneus. E só por manifesta incompetência se pode fechar os olhos ao descalabro por que o futebol do Benfica passa. Não fazer nada e continuar a fingir que tudo está bem só pode ter dois motivos: incompetência ou apenas estupidez. A não ser que haja outros interesses, ligados ao director do futebol, que escapam a quem está de fora…

Kroniketas, farto da incompetência do presidente e do treinador

sábado, 22 de janeiro de 2005

E havia alguma dúvida?!?

(ou “Volta Camacho qu’estás aperdoado! – 2”)

Se alguém ainda tivesse alguma dúvida de que este treinador não nos serve, essas dúvidas teriam ficado dissipadas hoje, no jogo com o Beira-Mar. Não se está a dizer que a culpa da má exibição foi exclusiva do treinador mas quando, num jogo com o penúltimo classificado, a equipa entra apática e continua apática e na mesma depois do 0-1, depois do 0-2, e não se vê qualquer atitude por parte do treinador para incentivar a equipa, para lhe dar ânimo, para lhe modificar a táctica desajustada ao decorrer do jogo, então há alguma coisa que está mal! Por muito maus que os jogadores sejam não são tão maus assim. Por essa ordem de ideias, o Beira-Mar nunca poderia ganhar, porque os seus jogadores seriam piores. O treinador está lá por isso mesmo – ganhar com equipas de estrelas é teoricamente fácil, onde se vê o valor do treinador é no que ele consegue fazer com o grupo que tem, com todos os seus defeitos e todas as suas vantagens.
Se nos jogos em casa, com equipas do fim da tabela, a equipa entra no jogo com medo é porque isso lhe é incutido pelo treinador e pelas suas tácticas defensivas e ultrapassadas! No jogo de hoje não se viu um único cruzamento feito da linha final nas costas da defesa adversária. O que se viu foram lançamentos longos para o ataque, um comportamento completamente desajustado face à defesa bem organizada do Beira-Mar.
Como se diz nos panfletos bancários sobre fundos financeiros, os comportamentos passados não garantem os comportamentos futuros – não podemos ser treinados por uma recordação! O que o treinador Trapattoni fez no passado, o que ganhou e perdeu, não constitui garantia nem valor – ele tem de ganhar é agora! Se quer curtir a reforma aqui, é melhor ir embora quanto antes.
Os lenços brancos de hoje – pondo de lado as psicologias de multidão e os populismos de pacotilha – significam o que todos sentimos: um treinador que não treina não nos serve. De que serve comprar avançados se só joga um de cada vez e as tácticas são defensivas? O Benfica sempre jogou ao ataque e é assim que devia continuar, tenha uma equipa fraca ou forte, jogue contra quem jogar! O resto é contra-natura!

tuguinho, cínico chateado (muito)

SLB – Uma solução genial

A solução encontrada pela SAD do Benfica para o jogador Sokota é, seguramente, genial. Costuma dizer-se que os génios são sempre incompreendidos, deve ser por isso que o envio do jogador para a equipa B é totalmente incompreensível.
Se o jogador não interessa, das duas uma: ou rescindem o contrato, ou transaccionam o jogador para outro clube. Acontece que o jogador não quis ser emprestado, não chegou a acordo para a rescisão amigável e ninguém o quis comprar. Resultado: as mentes brilhantes que “comandam” o futebol do Benfica enviaram o jogador para o degredo da equipa B, a jogar na 3ª divisão nacional, e continuam a pagar-lhe o ordenado até ao fim do contrato se até lá não aparecer nenhum clube que o queira. Daqui a 6 meses o contrato termina e o jogador sai a custo zero.
Conclusão: o jogador continua a receber o ordenado mas, ao contrário do que seria normal, não dá o contributo à equipa. Digam lá: é ou não é uma solução genial? Só destas cabeças é que podia vir uma destas! Tão grande capacidade de gestão devia mesmo ser objecto de um estudo aprofundado nas universidades e por parte dos grandes gurus da economia mundial. O Michael Porter que se cuide, porque vai passar à história.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

sexta-feira, 21 de janeiro de 2005

Já não há pachorra!

Estes imbecis do PSD não se fartam de vomitar alarvidades cá para fora? Não há paciência para ouvir tanta asneira, tanta verborreia! E se metessem mas era a língua no cu? Melhor: e se emigrassem todos de uma vez e deixassem de nos chatear a molécula? Será record mundial? A maior concentração de imbecis num único governo?

Kroniketas, sempre kontra as tretas e farto do PSD até à medula

E não há ninguém que os cale?

Como é que se consegue fazer uma acusação a um adversário político que se é obrigado a desmentir horas depois? Conclui-se que o nível de (in)competência dos capachos que servem o chefe é idêntico ao dessa mesma chefia - que raio de fonte lhes dá informação errada sobre uma nomeação que eles próprios fizeram? Que confiança se pode ter nestas pessoas, que nem caluniar outrém conseguem? É o descalabro completo...
Se fossem homenzinhos pediam desculpas publicamente, sem justificações esfarrapadas de confusões com nomes - muito mal amanhadita, porque nem sequer revelaram que nome foi confundido com o anunciado, e esse era o cerne da questão: uma nomeação já feita após a vitória do PSD nas anteriores eleições legislativas! Afinal, quem foi nomeado por Sócrates nestas condições? Ficámos sem saber.
Mais do que a obsessão com o défice financeiro, as cabecinhas do PSD deviam estar preocupadas com o défice de inteligência que por ali grassa. Mas a verdade é que nunca vi nenhum tolinho de aldeia preocupado com as suas próprias tolices...

tuguinho, cínico competente

quarta-feira, 19 de janeiro de 2005

Estou assustado

E se o Sócrates é um alter-ego do Santana? Eu não ia aguentar! Será que vamos ter um governo a sério ou será apenas uma troca de boys e girls para agora se encherem os outros e deixarem o país a debater-se no estrume? É que eu já avistei algumas figuras sinistras do tempo do Tonecas a aparecerem, qual pneu recauchutado, no segundo plano das fotografias, mas a tentarem chegar-se à frente!
Confesso que estou assustado. É que é a única alternativa que temos!
Sócrates, se fizeres merda vais ter-me à perna! Tás avisado...
Vou.

tuguinho, cínico amedrontado

sábado, 15 de janeiro de 2005

A bronquite anda por aí! -2

Um frio de rachar...

Não, não estou a culpar o jornalista. Prefiro pensar que foi um revisor distraído... 1800 graus negativos de temperatura na superfície de Titã?!? Coitadinhas das moléculas que devem ter ficado enregeladinhas!
Agora a sério, qualquer estudante do secundário, mesmo distraído, sabe que o limite para as temperaturas negativas é de -273,16 graus Celsius (0º Kelvin), temperatura à qual cessa toda a agitação molecular e portanto não é produzido qualquer calor, mas que nem no espaço cósmico é atingida porque existe sempre matéria e energia, por muito difusa que seja.
Ó Expresso, compro-te há muitos anos, mas nem tu escapaste à ignorância que grassa por aí...

tuguinho, cínico enregelado

sexta-feira, 14 de janeiro de 2005

Os aldrabões - parte III

Os advogados são todos uns interesseiros que só querem ganhar o deles à custa dos desgraçados que não têm quem os defenda, ou há alguns realmente interessados em defender a verdade e a justiça? (se conhecerem algum avisem-me)

blogoberto, chico-esperto

quinta-feira, 13 de janeiro de 2005

Resposta pronta

O Kroniketas teve mais que fazer pois esteve a reinstalar o sistema operativo por causa das bronkas que o Windows estava a dar todos os dias com os drivers. Estou aperdoado?

PS: Vê lá mas é se trazes algum tintol para despejarmos, para ver se afogamos as mágoas pela pobreza do Glorioso...

Castigo Exemplar


O Kroniketas baldou-se e não postou nada durante a minha ausência por motivos profissionais (que aliás ainda não terminou)! Estou a pensar se o hei-de suspender, como o Sporting fez ao Liedson, ou se o hei-de transferir, como o Porto fez ao Derlei...
Provavelmente vai safar-se com uma multa paga em botelhas de bom tinto de Portugal. É a vida.

tuguinho, cínico em tournée

A Voz do Povo - O Regresso!

De viagem em viagem, enche o Falcon o bolso... perdão, o papo!

domingo, 9 de janeiro de 2005

Campanha "Volta Camacho qu'estás aperdoado!"

Caros leitores
Depois do jogo desta noite, em que vimos um treinador sem ambição a comandar uma equipa sem ambição, vamos lançar aqui o desafio de fazer regressar o Camacho, ou outro treinador qualquer que não vá antecipadamente derrotado para os jogos, acabando a dizer que a derrota foi justa, etc., etc.
Ora porra! Se num jogo de paixões como o futebol não se tenta o improvável, se à partida nos consideramos inferiores, então mais vale nem sequer jogar!
O que atrai multidões a um jogo de futebol não é a razão - que levaria a equipa mais forte a vencer sempre - mas a imponderabilidade do resultado final, que faz os pequenos vencerem os grandes, que torna clubes obscuros em campeões - é o desafio da impossibilidade! Se temos um treinador que na semana anterior ao jogo vai dizendo que os outros são melhores e que é difícil vencer, e que num jogo em que está empatado e a jogar contra dez não tem a coragem de tentar vencer o jogo, então para que nos serve ele? E não passará este derrotismo para os jogadores, independentemente das debilidades que a equipa possui?
Por isso estou tentado a pedir ao Camacho para voltar. Quem não tem vontade de ganhar não devia estar no futebol. Dedique-se antes à pesca.

tuguinho, cínico encarnado

O problema é dos actores

As últimas sugestões que temos ouvido para a mudança do sistema eleitoral (Jorge Sampaio) ou do próprio regime (Guilherme Silva), por causa da ausência de maiorias de governo ou dos poderes do Presidente da República (já de si tão mitigados) são um absurdo porque o problema não está no regime nem no sistema eleitoral.
Os poderes do PR até deviam ser mais; aliás têm vindo a ser sucessivamente reduzidos nas várias revisões constitucionais, até deixar o PR quase no papel de figura decorativa. No actual regime semi-presidencialista, o PR pode e deve funcionar como um contra-poder aos desmandos do governo, uma vez que quando há maioria parlamentar esta limita-se a ser a caixa de ressonância do governo, em vez de um órgão de fiscalização – veja-se a palhaçada que são as comissões parlamentares de inquérito, cujas conclusões são invariavelmente favoráveis aos interesses do poder instalado. Uma farsa! Querer mudar o próprio regime porque o PR fez a leitura política das sucessivas trapalhadas que o actual governo foi cometendo e fez o que devia ter feito em Julho, isto é, convocar eleições, é uma completa aberração que só podia vir de uma cabeça ao melhor estilo de Alberto João: daquela ilha já nada me espanta. Como as decisões de um órgão não me agradam, acaba-se com o órgão. É a velha história de que quando a mensagem é má mata-se o mensageiro.
Agora foi o próprio PR que sugeriu alterações à lei eleitoral por causa das maiorias. Outro absurdo. Este sistema é bem melhor que o sistema maioritário, em que só quem ganha mete deputados, e que considero uma completa perversão da democracia representativa. Depois dá resultados aberrantes como os das eleições americanas, em que pode ganhar quem tem menos votos, porque ganhou em mais círculos eleitorais. O problema não é a ausência de maiorias: é a forma de fazer política em Portugal, que não é séria nem em função dos interesses do país (a palhaçada das listas do PSD, de que já falei noutro post, é um bom exemplo), mas apenas dos compadrios partidários e da ambição do tacho.
Se tivéssemos partidos que fizessem uma oposição construtiva em vez de simplesmente fazer bota-abaixo não interessava que houvesse maioria ou não. As leis seriam votadas em função do interesse nacional e não em função do partido que a apresenta, e não se correria o risco de passarem todas as que têm uma maioria por trás (e aí é que nos vale o PR quando veta algumas ou as manda para o Tribunal Constitucional) ou serem bloqueadas todas as que não têm o suporte dessa maioria.
Isto é como se, por causa de os actores serem maus, se mudasse a peça. No caso português, o problema não está na peça, porque a peça não está mal escrita: o problema está nos actores, que são de péssima qualidade. O que faz falta não é mudar de peça nem de teatro: o que faz falta é mudar de actores!

Kroniketas, sempre kontra as tretas

sábado, 8 de janeiro de 2005

A prova que faltava...

...de que nem sempre a instrução dá educação (ou responsabilidade, ou inteligência, ou...)

Maria do Carmo Felix da Costa Seabra

Graus Académicos:

1977 - Licenciatura em Economia pela Universidade Católica Portuguesa.

1987 - Doutoramento em Economia

1997 - Agregação em Economia, pela Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Economia.

tuguinho, cínico mas admirado (com tamanha lata!)

sexta-feira, 7 de janeiro de 2005

Os aldrabões - parte II

As companhias de seguros são todas um bando de gatunos, que só existem para se encher e lixar-nos na primeira vez que precisamos deles, ou há alguma que não seja assim? (se conhecerem alguma que não seja avisem-me)

blogoberto, chico-esperto

quinta-feira, 6 de janeiro de 2005

O folclore

Toda a trapalhada a que temos assistido na formação das listas de candidatos a deputados é bem o reflexo do grau zero em que funciona a política em Portugal: um vergonhoso e despudorado jogo de interesses, compadrios, caciqusimos e trocas de favores.
Ao mesmo tempo, a mês e meio das eleições e com um governo de gestão, um ex-director do Instituto de Estradas de Portugal é nomeado para outro lugar relacionado com o anterior. Há que garantir uns quantos jobs enquanto ainda há boys...

Kroniketas, sempre kontra as tretas

Os Faquistas

Ressurgindo resoluta dos antigos romances de cordel a naifa está outra vez na moda, agora no selecto (?!?) círculo político social-democrata.
Ele é o líder a dizer que anda a servir de almofada de alfinetes, cheio de facadas nas costas.
Ele é Cavaco Silva a lançar um autêntico facalhão e a mandar para o lixo centenas de cartazes novinhos em folha porque não gostou de se ver na fotografia, o que só lhe fica bem – quem gostaria de se ver retratado na companhia de um morto, um fugitivo, um desaparecido e um idiota?
Agora foi o próprio Lopes que, depois de afagar o lombo ao Pôncio Monteiro (certamente para encontrar o melhor sítio), lhe cravou uma faca que, azar dos azares, estava romba. E ainda lhe pediu – por interposta pessoa, é certo – para não dizer nada a ninguém, mas parece que Pôncio lavou daí as suas mãos (seguindo o clássico exemplo) e pôs a boca no trombone (menos clássico, mas efectivo), chamando-lhe traidor.
Nem Shakespeare conseguiria ser mais shakespeariano que isto, com facções desavindas, naifadas nas costas, agressões a petizes nas incubadoras, traições desaforadas, complexos de inferioridade, inveja, vitimizações, enfim, tudo o que faz uma boa tragédia! Penso inclusive que o próprio Santana seria o veículo ideal de recuperação do Parque Mayer, pois peça com ele chamaria multidões ao recinto.
Só não percebi muito bem o objectivo desta última jogada: se foi uma manobra saloia que pretendia fazer as pazes com o FCP e ganhar os votos dos seus adeptos estava condenada ao fracasso, devido ao número um da lista ser quem era. Se quis avaliar a força de Rui Rio no partido, estatelou-se ao comprido. Se foi mais uma trapalhada sem pés nem cabeça, foi coerente.

tuguinho, cínico armado (com naifa, para autodefesa)

quarta-feira, 5 de janeiro de 2005

Os aldrabões - parte I

Porque será que todos os construtores de casas são aldrabões? (se conhecerem algum que não seja avisem-me)

blogoberto, chico-esperto

terça-feira, 4 de janeiro de 2005

A inteligente do ano

Com inteligências assim, não admira que haja um José Castelo Branco a ganhar uma Quinta das celebridades...
Bravo, D. Dulce, assim mesmo é que é. Ver as coisas ao natural, como elas são, depois de lhes ter passado um tsunami por cima! Assim, sim, vale a pena viajar!...

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 3 de janeiro de 2005

A bronquite anda por aí! - 1

Olá amiguinhos! Esta rubrica é a sucessora da brilhante (na minha opinião) Iliteracia na Tugalândia, que expôs algumas pérolas do desconhecimento que muitos exemplares de tugas tomam por suas. Não precisam pois de se assustar com o título, apesar de nos encontrarmos no período de invernia: a bronquite doença no aparelho respiratório não teve nenhum surto, a bronquite derivada do bronco, essa sim, pulula por este jardim à beira mar plantado. Como o nome deixa antever, pretende-se que esta secção seja mais abrangente do que a anterior, embora o tema mais frequente seja o mesmo: a língua portuguesa, o bonito idioma falado por alguns milhares de portugueses, algumas centenas de brasileiros e umas quantas dezenas de indivíduos nos palopes e afins.
O tema de hoje é premente: é vê-los dizer nos telejornais de todos os canais (uma rima fica sempre bem) e em jornais de circulação nacional, a propósito do tsunami, a "crosta" para cá, a "crosta" para lá. Pois bem, meus caros bronquíticos, crosta tem o pão (excepto aquele que já vem sem ela), a ferida que está a sarar ou, em geral, todo o corpo cuja camada externa possua características que a destrincem do resto (do corpo, obviamente). Quando estamos a falar da Terra, a expressão correcta para designar a litosfera é "crusta terrestre". Perceberam? É que apesar das duas palavras terem uma origem comum (do latim crusta) e de até serem sinónimos noutras situações, quando estamos na área da geologia é “crusta” que se deve utilizar. Esta bronquite deve ser prima daquela de chamarem “Antártica” à “Antártida”…
No tempo em que ainda se ensinava (e aprendia) alguma coisa na escola, qualquer mamífero com a escolaridade obrigatória sabia usar os termos correctos. Agora, nem jornalistas com um curso superior (não se sabe a quê), nem revisores de jornais com responsabilidades (o jornal, o revisor não parece tê-la mesmo) sabem a diferença. Pior: podiam não saber a diferença e ter a sorte de usar o termo correcto, mas nem isso. É triste.
Dicionários do meu país! Quão pouco usados sois…

tuguinho, cínico frustrado (pela bronquite…)

domingo, 2 de janeiro de 2005

Preocupação postal

Tenho uma grande preocupação no que concerne a este blog para o ano de 2005: em Fevereiro acaba-se a desbunda! Lá se vão as piadas diárias, os desmentidos às mentiras, as desautorizações e tudo o mais que este governo produziu, qual maná infindável, e que nos dava assunto para escrever, pelo menos, uns duzentos posts por dia. Como vamos fazer a partir dessa data? Sim porque, a menos que todos os tugas sofram de amnésia em último grau, a cor da situação deve mudar! Muda pouco, de laranja trapalhão para rosa excitado, mas muda.
O que ainda me vale, o que me dá esperança, é que continuaremos tugas mesmo depois das eleições e, portanto, não me parece que nos vá faltar motivo para escrita, ainda que não a este ritmo alucinante. Além disso, o Lopes e o Portas continuam por aí, e de certeza que não vão deixar de nos continuar a presentear com as suas ideias e trapalhadas. Ainda bem.
Portanto, aqui continuaremos, firmes e hirtos que nem barras de ferro, mas activamente cuscando nas tuguices da nação.
É como dizia o outro: alea jacta est!

tuguinho, cínico encartado