segunda-feira, 19 de março de 2007

O fim do embuste


O estudo vindo a público no passado fim-de-semana acerca do aeroporto da OTA, para além de arrasador para as intenções do governo, põe a nu aquilo que já muita gente dizia à boca cheia mas que ainda não tinha sido confirmado: é um completo embuste, com uma localização totalmente inadequada e que, ainda por cima, nem resolve os problemas pois não tem capacidade para o número do voos por hora que era pretendido e, pasme-se!!!, não permite uma aterragem e uma descolagem em simultâneo. Como se não bastasse, estará saturado ao fim de… imaginem… 13 anos! Então vão demorar 10 anos a construir um aeroporto que vai custar uma fortuna, para depois deixar de servir ao fim de 13 anos, em vez dos 50 previstos???
E as condições do terreno, alagadiço, onde passam 3 cursos de água? Tudo questões de somenos? Para o Ministro das Obras Públicas parece que sim, pois já disse que a decisão é irreversível. Pois claro. Quando nos querem enfiar o barrete, sejam quais forem as razões que desaconselhem a decisão, ela está tomada de modo a levar o embuste até ao fim. É o bando dos embusteiros.

Kroniketas, sempre kontra as tretas