sexta-feira, 5 de maio de 2006

Tempestade num copo d’água

Vai para aí uma grande algazarra por causa das declarações de Ronald Koeman (treinador do Benfica) acerca dos golos do Sporting no último jogo com o Rio Ave. Um coro de carpideiras, quais virgens ofendidas, tem vindo a público protestar contra a ignomínia cometida pelo treinador holandês ao classificar dois dos golos como cómicos, concluindo daí que o Sporting teve a tarefa facilitada para ganhar o jogo.
Desde o defesa que encerrou a contenda com um golo na própria baliza, digno dos mais eficientes avançados, até aos presidentes dos clubes em confronto, até chegar agora a Liedson, avançado “leonino”, todos querem um pedido de desculpas de Koeman, invocando para isso outros jogos já realizados, inclusive o Benfica-Sporting desta época em que Liedson fez gato-sapato da defesa benfiquista. Os mais acirrados até invocam um jogo Estoril-Benfica de há um ano realizado no Algarve, como se fosse para aqui chamado.
Mas... pedido de desculpas porquê? Acaso Koeman disse alguma mentira acerca dos golos? Não é verdade que foram erros infantis do Rio Ave? Acaso Koeman afirmou que o Rio Ave facilitou o Sporting propositadamente? Não, limitou-se a constatar um facto e a retirar daí as consequências: com o Sporting a ter estes brindes é impossível o Benfica apanhá-lo, mas em nenhum momento disse que os brindes foram propositados.
Também não cola a comparação com o Benfica-Sporting, porque o Benfica teve deficiências e por isso perdeu o jogo. Logo, já teve a sua penalização, pelo que invocar-se esse jogo é despropositado. Mais despropositado é ir buscar o jogo do Algarve e aconselhar Koeman a revê-lo: não só é descabido como ridículo, porque Koeman não estava no Benfica, logo esse assunto é-lhe completamente alheio. Faz tanto sentido como acusar o actual primeiro-ministro pelas medidas tomadas pelo anterior.
É claro que os comentadores politicamente correctos aproveitaram para bater no holandês, mas se fosse o insuportável Pinto da Costa teríamos como notícia de abertura a estafada frase “Pinto da Costa comentou com a sua habitual ironia...”
Mas é assim Portugal: inventam-se factos a partir de coisa nenhuma. A verdade é que não se ouviu tamanha vozearia na semana anterior a propósito da afirmação de Paulo Bento (essa sim, bem mais grave) de que alguém estaria a tentar afastar o Sporting do 2º lugar para o entregar à equipa que vem a seguir. Mas aí já não se levantou nenhum coro de protestos nem de exigência de pedidos de desculpa...

Kroniketas, sempre kontra as tretas