sábado, 11 de junho de 2005

Mar de Chamas - Episódio MMV

Eu sinceramente não percebo! Como é que é possível que, ano após ano, aconteça tudo da mesma maneira? É assim tão difícil dotar os bombeiros de meios e organizar um sistema eficaz de vigilância das florestas? Custa dinheiro? Pois custa, e então? Os dois submarinos do Portas custam 200 milhões e não servem para nada e, no entanto, vão ser adquiridos! Tenho a certeza de que organizar eficazmente o combate aos incêndios florestais não iria custar tanto. Mas mesmo que custasse mais, tinha retorno.
Que merda de país adiado é este em que ninguém consegue fazer nada? Uns não querem fazer e os que tentam não conseguem porque são impedidos pelos outros que nada fazem. Não me venham dizer que são argumentos demagógicos – a verdade é que o estado se transformou numa máquina que existe para se alimentar a si própria, não para servir os cidadãos. Limpem-se as estruturas da porcaria e do peso morto e logo funcionarão melhor. Para isso tem de se despedir? Então despeça-se! Comece-se pelos tachos e cunhas e boys de diversas cores que se foram acumulando na administração pública nas últimas décadas; continue-se pelos incompetentes e pelos calaceiros; acabe-se na reorganização dos serviços e na simplificação da burocracia. Não é impossível, basta querer fazer-se. Basta não se governar com o olho nas próximas eleições; basta fazer orelhas moucas aos lobbies e tábua rasa dos interesses instalados.
É muito fácil fazer discursos dizendo que o problema, no próximo ano, estará resolvido. E “no próximo ano” vê-se sempre que tudo ficou na mesma. Arde tudo e quem se lixa são os bombeiros, que arriscam o coiro, e os desgraçados que perdem os seus haveres. O tempo já acabou. O que há a fazer tem de ser já! É que já não estamos longe de viver num pedaço de chão queimado.

tuguinho, cínico chateado