quinta-feira, 2 de junho de 2005

Eles estavam a pedir

Os dois referendos à constituição europeia, com resultados desastrosos do ponto de vista dos eurocratas, deixaram claro que, ao contrário do que eles pretendem, as pessoas (entenda-se os povos) não estão dispostas a assinar de cruz tudo o que lhes querem impingir. Por isso só me posso regozijar por os votantes terem decidido pensar pela sua cabeça. Moral da história: eles estavam a pedir isto.
Quanto ao referendo em Portugal, também estão a querer impingir-nos o xarope sem nos explicarem o que estamos a tomar. PS e PSD já se puseram de acordo para realizar o referendo no mesmo dia das autárquicas, contra tudo o que aconselha a lógica e o bom-senso e contra todas as opiniões minimamente prudentes. A verdade é que todos os analistas que ouvi até agora acham desajustada esta coincidência de datas, mas eles continuam a fazer orelhas moucas. Entretanto Mário Soares (um federalista inamovível) acha que em Portugal está tudo controlado.
Então vamos esperar para ver. Se não me explicarem, muito bem explicadinho, para que serve, afinal, essa tal constituição de 400 artigos, eu voto NÃO porque não aprovo aquilo que não conheço. Querem manter-nos na ignorância, passar por cima da discussão diluindo-a na batalha das autárquicas, mas pode ser que o tiro lhes saia pela culatra e os resultados não sejam os que eles querem. E nessa altura, poderemos voltar a dizer: eles estavam a pedir isto.

Kroniketas, sempre kontra as tretas