domingo, 20 de fevereiro de 2005

A Vitória do PS foi a Vitória do PSD

Primeiro: não sou militante de nenhum partido, embora vote à esquerda.
Segundo: vou explicar o título deste post.
A maioria absoluta que o PS obteve era esperada, não só por mérito próprio como também pela fuga das gentes ao caos – PSL à frente do PSD por mais quatro anos de governo significava precisamente isso, e não há ameaça neo-gutérrica que o supere!
E por que foi isto o melhor que aconteceu ao PSD, sendo esta a sua pior derrota de sempre? Porque este descalabro é o toque de finados de PSL à frente do partido, e isso é a melhor notícia que esse partido podia ter! Há lá melhor que o fim da confusão e da palhaçada? E de atrás dele saírem pela porta de trás todos os beija-cus como o Luís Filipe Menezes e outros capachos dessa estirpe?
Embora não me situe na área política deste partido, reconheço que é necessária uma oposição construtiva, combativa e responsável na Assembleia de República, ao invés do circo da bicharada.
Uma palavra para o Bloco de Esquerda: em termos relativos, talvez tenham sido os maiores vencedores destas eleições, mais do que duplicando a sua votação anterior. A evolução deste agrupamento de partidos de extrema-esquerda, na sua deriva para o “mainstream” político, tem mantido uma coerência que lhe valeu uma votação recorde nestas eleições. Será que poderão ir mais além? A ver vamos.
Quanto ao PP, o jogo hipócrita de Paulo Portas (esta coincidência de iniciais será coincidência?!) não passou na totalidade, embora tenha evitado a potencial descida. Numa imagem sexual, digamos que ele conseguiu transformar o PP nos testículos, que participam a fundo mas não entram (passe a imagem forte…). E com essa atitude conseguiu passar o odioso da questão para o PSD, não sofrendo o justo castigo pela participação na governação. E o PP (partido) também perdeu, porque PP (dirigente) colocou a fasquia nos 10% e falhou rotundamente! Decerto irá rodear esta questão e sair airoso, como faz sempre.
A CDU inverteu a tendência de descida da última década, porventura pelo élan que um novo líder sempre dá (desde que não se chame PSL), e subiu mesmo no número de deputados.
E agora novamente o PS: foi-lhe concedido o que foi pedido – portanto, Doutor Sócrates, não defraude a carta branca que lhe deram! Não vá buscar ao armário da arrecadação os tonequistas-da-treta, tipo Pina Moura e quejandos. Isso equivale a um suicídio político e a uma traição. Os 9 milhões que lhe deram a maioria também lha podem tirar, lembre-se disso. Ah, e já agora, parabéns!
Concluindo, a esquerda ganhou em toda a linha estas eleições. Talvez assim se divisem menos anões da nova direita em bicos de pés, tentando ficar na fotografia.
(comentário místico: ninguém me tira da ideia que a irmã Lúcia teve algo a ver com isto. É que nem um santo já o aguentava!)

tuguinho, cínico aliviado (mas atento!)