domingo, 30 de maio de 2004

Ladrando ao Sol – só porque o Verão vem aí (18): A Vergonha foi a Banhos

Não se trata de partidarismos nem de afirmação de posição política própria do autor – é apenas bom-senso e um olhar lúcido. Não sei se foi o Dr. Portas que levou algum vírus de demagogite aguda para o governo, ou se a incubação foi individual e intransmissível e já estaria instalada nas meninges do nosso primeiro desde os tempos vermelhos do MRPP. O que é certo é que o Dr. Durão Barroso e os seus alter-egos políticos de circunstância proferiram nos últimos tempos certas declarações de bradar aos céus e pedir explicações a deus!
Vamos por partes, como diria Jack, o Estripador:
1. No decorrer do congresso do PSD Madeira tivemos um conjunto de declarações que podiam figurar no mais selecto manual de lambe-botices políticas – além do Dr. Durão, tivemos o privilégio de que o Dr. Arnaut e o Dr. Dias Loureiro declarassem os seus casos de amor pela democracia na Madeira, alcandorando os processos e as políticas locais ao que de melhor a democracia poderia produzir, e sugerissem mesmo estender os excelsos métodos de Jardim ao resto do país. E disseram isto tudo sem se rirem, o que é bastante mais preocupante do que as declarações em si!
2. Num processo que poderíamos denominar como monty-pythoniano, foram produzidas no congresso do PSD Nacional mais declarações que, em paralelo com as anteriores, nos fazem duvidar se não estarão a gozar connosco – então agora os Açores têm um défice democrático? Será por não ser o PSD que está no poder lá e isso ser considerado automaticamente um défice de democracia? Como mero observador e visitante ocasional das ilhas açorianas, posso constatar que os Açores se desenvolveram mais nos últimos 5 a 6 anos do que nas décadas anteriores. "Sim, mas até nas ditaduras pode haver desenvolvimento económico!", poderão alvitrar os leitores. Mas alguém no seu juízo perfeito acha que há uma democracia deficiente nos Açores? De certeza que não foi um erro geográfico de confusão de arquipélagos (não, não estou a referir-me às Canárias…)? Ora tenham vergonha, por favor!
3. Esta penso que também foi proferida no mumificado congresso nacional do PSD, que se pareceu muito com um congresso da União Nacional na docilidade das declarações e na ausência de linhas divergentes e de conteúdo que se visse: então agora o PCP será o culpado se alguma coisa má acontecer durante o Euro 2004? Quer dizer, se as contas derem buraco, o PC é o culpado? Será que o Dr. Cunhal se verá novamente arrecadado em Caxias (pelo menos agora há lá um café-restaurante-bar no perímetro) só porque o SEF iria fazer uma greve durante o Euro? Greve aliás perfeitamente legítima, aproveite ou não o contexto do Euro 2004. Se um hooligan partir uma garrafa de cerveja na cabeça de um eleitor do partido no governo, será que Carlos Carvalhas se verá condenado a trabalhos forçados no bar da sede nacional do PSD? Carvalhas tinha razões para chamar mais do que cobarde político ao Dr. Durão – agora que toda a gente já se tinha esquecido de que os comunistas comiam criancinhas (não, meus caros leitores mais jovenzinhos, não estamos a falar de pedofilia – a afirmação é em sentido literal) vêm apor-lhes mais este estigma inusitado!?
Mas anda tudo doido, ou a Ministra das Finanças já fez negócio com os neurónios do cidadão vulgar sem que ele soubesse e por isso já ninguém consegue distinguir a nuvem de Juno?
É certo que todos estamos habituados a alguma chicana política, e essa atitude não é exclusivo de uma ou outra formação política, mas quando os limites deixam de existir (e a vergonha na cara também!) então é a democracia que está em perigo. Da acusação fictícia à acção repressiva baseada nessa acusação vai um passo pequeno. E é assim que as democracias vão pelo ralo…

tuguinho, cínico encartado (e que, apesar dos tempos não o valorizarem, continua com vergonha na cara)