segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

A tua liberdade acaba onde a minha começa

Este é o princípio que os fumadores não parecem entender. A sua liberdade de fumar e de querer arranjar cancros do pulmão não se pode sobrepor à minha liberdade de querer estar a tomar o pequeno-almoço ou a jantar com a família sem levar com nuvens de fumo de quem só quer a sua liberdade acima de tudo... e da dos outros.
Estes fumadores furiosos não sabem nem querem saber o que é estar a levar com fumo em cima e ter de soprá-lo para o lado, chegar a casa a tresandar a tabaco e ter que estender a roupa ao ar livre para tirar o cheiro, dormir com o cheiro a tabaco no cabelo, ou ficar com dor de garganta depois duma noite passada num ambiente saturado de fumo. Não sabem, pois não?
Pois agora, e com uns 30 anos de atraso, finalmente vou poder ver reconhecido o meu direito a não ter que respirar o fumo alheio. Em tempos, até no meu carro tive que discutir com fumadores que se achavam no direito de ali fumar. Era um bocado demais, não acham? Sentem-se constrangidos? Se não fosse assim, estavam-se borrifando para os outros.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

PS: Numa conversa com uma fumadora inveterada, esta sugeriu-me que experimentasse fumar porque melhora o raciocínio e ajuda a pensar. Tomando-a como exemplo do que o tabaco faz à cabeça dos fumadores, é mais um motivo para não fumar.