terça-feira, 8 de agosto de 2006

A queda (II)

Continuando na senda da queda da língua portuguesa, esta noite assisti a mais duas preciosidades linguísticas na nossa querida televisão.
Durante a transmissão do jogo Áustria-Benfica, o locutor fartou-se de dizer que os “correctores” de apostas davam não sei quantas vezes o dinheiro investido no resultado do jogo. Fiquei a pensar para mim: os correctores de apostas serão uns tipos que corrigem as apostas que os outros fizeram? É que eu já conhecia os correctores ortográficos. Quanto aos das apostas e da bolsa, conhecia-os como “corretores”, mas pelos vistos agora foram promovidos.
Terminado o jogo, fiz uma passagem por alguns canais e na SIC Mulher apanhei um filme em que uma juíza dizia algo que a legendagem apresentou como “interveniu”. Está bem que a língua evolui, mas por agora parece-me que “interveio” era bem capaz de servir para a frase em causa. Aliás, era bom que usassem um dicionário quando fazem estas coisas. É que o verbo “intervir” é dos mais mal tratados entre nós. Desde o “interviu” que se ouve a torto e a direito, já evoluímos para o “interveniu”.
Bom, isto é capaz é de ser do sol que apanhei na cabeça. Desculpem, mas vou ali dar mais um mergulho na Praia da Rocha, que a água está a 22 ºC.

Kroniketas, veraneante com ligação Wi-Fi