domingo, 18 de janeiro de 2009

O carniceiro


Chama-se Bruno Alves, é defesa-central e joga no FC Porto. Este é apenas mais um na longa lista de carniceiros do FC Porto que passam impunes pelos estádios deste país, numa tradição que já vem do tempo do Rodolfo. Teve muitos e “bons” precursores: André, Paulinho “cotovelinhos” Santos (deve ter sido o jogador na história do futebol português que partiu mais narizes, maxilares e pôs olhos negros aos adversários), Fernando Couto, Jorge Costa, João Pinto... É sempre a mesma coisa. Não haverá ninguém que dê o mesmo tratamento ao Bruno Alves? A este brutamontes fazia falta um tratamento como o que o Acosta deu ao Paulinho Santos no Jamor. Sendo sul-americano, ainda sabia mais que o outro e sem ninguém ver meteu-lhe o maxilar para dentro. Só pecou por tardio. Ele é cotoveladas, pisadelas, patadas no pescoço, vale tudo e fica sempre impune. Devia ser expulso em quase todos os jogos e nem o cartão amarelo vê. Só em Portugal! E depois ainda temos que ouvir o dr. Guilherme Aguiar e o dr. Rui Moreira a defender o indefensável, a dizer que o homem salta muito alto e é apenas impetuoso e que tudo aquilo é fortuito. Até o Luís Sobral já escreveu um editorial no Mais futebol a este respeito, a dizer que os “acasos” já são demais!
Como até agora ninguém foi parar ao hospital vale tudo não é? Pisadela entre as pernas do João Moutinho, patada no pescoço do jogador do Jorge Gonçalves do Leixões, golpe de karaté num jogador do Estrela, pisadela na cabeça do Reguila do Trofense... Se ficar só uma marcazinha no corpo não faz mal, não é senhores comentadores? Mas se fosse o Katsouranis, o Petit ou o Binya era violência e entradas assassinas. Haja vergonha, senhores!
Para verem melhor a "impetuosidade" do Bruno Alves aqui ficam algumas imagens que mostram a inocência do jogador. Espero que se divirtam a vê-las.

Kroniketas, sempre kontra as tretas