domingo, 29 de abril de 2007

Puta que os pariu

Cheguei há pouco a casa de um passeio de sábado e liguei a televisão para ver o “Eixo do mal” na Sic Notícias. A seguir vi o noticiário da 1 onde apareceram uns anormais a desfilar em Santa Comba Dão a gritar pelo Salazar. Um imbecil estava mesmo exaltado e gesticulava furiosamente enquanto dizia que já era tempo de terem orgulho pelo que aquele grande homem fez pelo país.
Só me apetece dizer uma coisa: vão mas é levar no cu, filhos da puta!

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Reencontro de amigos


Mais de 10 anos depois do fim dos Trovante e oito anos depois do reencontro no Pavilhão Atlântico por sugestão de Jorge Sampaio, em plena campanha nacional de solidariedade com Timor, Luís Represas e João Gil voltaram juntos aos palcos. Já tinha havido um concerto há uns meses no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra. Agora houve continuidade com mais alguns concertos e no passado sábado fui de propósito ao Montijo para assistir ao concerto no Cine-Teatro Joaquim de Almeida.
Duas cadeiras, dois microfones, duas violas. Casa cheia e um público ávido de ouvir os velhos sucessos. E eles não se fizeram rogados.
O concerto decorreu ao longo de quase duas horas num ambiente intimista, como num reencontro de amigos que mesmo quando estão afastados se mantêm sempre juntos, e em permanente comunicação com o público. Foram percorridos alguns dos temas mais emblemáticos da era-Trovante (“Xácara das bruxas dançando”, “Travessa do poço dos negros”, “Memórias de um beijo”, “Um caso mais”, “Outra margem”, “Namoro II”, “125 azul”, etc. etc.) e dos dois músicos no seu percurso posterior (destaque para “Feiticeira” de Represas e “Loucos de Lisboa” de Gil na Ala dos Namorados). Pelo meio ainda houve tempo para uma canção cubana de homenagem ao “comandante Che Guevara” perante um público receptivo. Duvido que na Póvoa de Varzim, onde tinham actuado na véspera, se atrevessem a cantá-la...
Depois de dois ou três “encores”, o concerto terminou em grande, com o inevitável “Perdidamente”. E valeu a pena.

Kroniketas, melómano saudoso

quarta-feira, 25 de abril de 2007

Ontem, hoje e sempre



As Krónikas Tugas e as Krónikas Vinícolas desejam a todos os seus clientes e amigos um bom dia da liberdade. Gozem bem este bem inestimável.

Parafraseando João Gil (ex-Trovante, ex-Ala dos Namorados), o 25 de Abril tem a idade de Cristo; morreu mas vai ressuscitar.

Idálio Saroto, provedor do blog

+ 1 25 em q podemos dizer 30 por 1 linha






Chama-se Liberdade!

P.S. Ou, nas palavras de Sophia:

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo
(25 de Abril, Sophia de Mello Breyner Andresen)

tuguinho, cínico libertado

segunda-feira, 23 de abril de 2007

Finalmente, Marillion



Esperei muitos anos por este acontecimento. Nunca tinha tido oportunidade de ver actuar os Marillion, e só há alguns meses pude presenciar um concerto de Fish, ex-vocalista do grupo, na Aula Magna. Agora, integrado no lançamento do novo disco, ei-los que regressaram, na passada 3ª feira, também para a Aula Magna.
A expectativa era grande, mas o concerto foi um pouco morno. A execução foi irrepreensível (aliás são todos excelentes músicos), a voz de Steve Hogarth continua fantástica (e eu continuo a pensar que o grupo ficou claramente a ganhar com a troca), mas faltou ali mais qualquer coisa para agarrar o público. Parece-me que os temas não foram bem escolhidos, pois andou-se demasiado à volta de “slows” o que, ao fim de uma hora, começa um pouco a ser mais do mesmo. E com 14 álbuns de originais havia muito por onde escolher. Aliás, o tema de abertura, “Splintering heart”, do álbum “Holidays in Eden”, parecia dar o mote para o que vinha aí, e podiam ter andado mais por um registo semelhante.
Mas, exceptuando a última meia-hora, com alguns êxitos antigos revisitados a par com uma série de bolas gigantes lançadas para a plateia, a audiência não aqueceu verdadeiramente. Tecnicamente, nada a dizer. Mas soube a pouco.

Kroniketas

domingo, 22 de abril de 2007

Veto primitivo

A participação de Ricardo Araújo Pereira nas comemorações do 25 de Abril como orador em representação dos jovens foi vetada pela Juventude Comunista Portuguesa. O nome do humorista dos Gato Fedorento tinha sido sugerido pela Juventude Socilaista, secundada pelos jovens do Bloco de Esquerda e da UGT, mas os comunistas, ao que parece, preferiam um orador dos anos anteriores. Vá lá saber-se porquê.
Não se chegou a saber quais as razões que levaram a JCP e vetar o nome de RAP, mas esta posição ortodoxa leva-me a pensar que estes “jovens” ainda devem viver nos anos 50...
Agora vem a JS dizer que o veto aconteceu porque RAP foi filiado no PCP mas saiu do partido. Como diria o Raul Solnado: pois...

Kroniketas, sempre kontra as tretas

terça-feira, 17 de abril de 2007

Última hora


A direcção do Sport Lisboa e Benfica acaba de anunciar que vai mudar o emblema do clube. A famosa águia será substituída por 3 foices: “foice” o campeonato, “foice” a Taça Uefa, “foice” o 2º lugar.
Ainda fica de reserva uma 4ª foice, para quando se puder anunciar que “foice” o Fernando Santos.

Gabriel Alves dos Santos, tanto comenta livres como cantos

domingo, 15 de abril de 2007

Será?



E eis que do mais recôndito das mentes judiciais surge outra sentença exemplar! O caso já foi mais do que falado, mas é sintomático da mais profunda tuguice: o supremo tribunal de justiça afiançou que publicar uma notícia completamente verdadeira dá direito a pagar indemnização por difamação e ofensas ao bom nome dos visados...
Se não fosse tão sério, até dava vontade de rir. E o mais engraçado é que o valor da indemnização até é mais elevado do que aquele que se costuma atribuir em termos de morte!
Começo a pensar que os problemas da justiça portuguesa não são apenas orgânicos, mas também mentais. É que no supremo deviam estar mentes equilibradas, racionais que baste mas não cegas, ponderadas, visto que são, ou deviam ser, a elite dos juristas. Pois, mas acho que isso é nos países a sério. Por cá deve ser composto por nomeações políticas e corporativas, sem olhar ao perfil dos mamíferos no que toca a discernimento jurídico.
Só mentes retorcidas e completamente alienadas poderiam lavrar uma sentença destas, ainda por cima quando o caso não causara qualquer polémica nem dúvida nas instâncias inferiores, de tão claro que era.
Se eu fosse cínico, até diria que é assim que se aumenta a confiança das pessoas na justiça.
Olha, aqui na linha de baixo até diz que sou! Então é melhor não apagar a frase.

tuguinho, cínico encartado

quinta-feira, 12 de abril de 2007

O engenheiro (ou licenciado em engenharia) José Sócrates

Todo este processo à volta da licenciatura de José Sócrates me tem parecido sempre eivado duma grande dose de ridículo, gastando-se rios de tinta por aquilo que me parece ser mais um pseudo-caso do que propriamente um caso. A entrevista de ontem à noite na RTP veio confirmar a impressão que eu já tinha acerca desta história.
Por volta das 21 horas abdiquei dos jogos da Liga dos Campeões para ouvir a entrevista e ver onde é que aquilo iria parar. No final fiquei com a sensação de que a montanha pariu um rato. Não é que, afinal, o homem apresentou todos os certificados que foram postos em causa?
O próprio conteúdo das perguntas dos entrevistadores se revestiu, em muitos casos, dum ridículo atroz, centrando-se em questões caricatas como a data em que o certificado foi passado, o mês em que foram lançadas as notas ou até, pasme-se!, na forma como ele assinou uma carta, terminando com a expressão “seu”. Se tivesse escrito “de V. Exa.”, o que vem dar no mesmo, se calhar já não fazia mal. Para cúmulo do ridículo, até se chegou ao ponto de questionar se o homem tinha estado isento do pagamento de propinas. E não é que ele tinha os recibos dos pagamentos??? Imaginem se não os tivesse guardado todos estes anos: seria uma prova de que tinha estado isento?
No final disto, mudei para a Sic Notícias para ouvir a “Quadratura do círculo”. Para meu grande espanto, ouvi Pacheco Pereira dizer que nada tinha sido esclarecido. Sinceramente, não sei o que é que querem mais. Que o homem mostre os testes que fez para provar que teve aproveitamento?
Não há paciência para tamanha ridicularia.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quarta-feira, 11 de abril de 2007

Suspenso por 40 dias


Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, foi suspenso por 40 dias pela Comissão Disciplinar da Liga de Clubes. Pergunta-se: suspenso de quê? De ir ao estádio? De entrar no balneário dos jogadores? De ir para o camarote presidencial? De assistir aos treinos? De passar cheques dos ordenados? De... de... de...
Bom, como parece que ele hoje foi internado com sintomas de pneumonia, pode ser que fique suspenso de toda a actividade por uns 40 dias. Mas não por causa da Liga de Clubes.
Mas que raio... para que serve a suspensão?

Kroniketas, sempre kontra as tretas

quinta-feira, 5 de abril de 2007

A quem possa desinteressar

Os abaixo assinados declaram formalmente, e para que conste, que se estão positivamente borrifando para a licenciatura de José Sócrates e que dispensam qualquer informação que lhes queiram fazer chegar às mãos, por mais relevante que seja.

A mal da nação

tuguinho e Kroniketas, os diletantes preguiçosos

Novidades tugas à chegada

De regresso a solo tuga depois duma incursão por terras de Astérix, graças às tecnologias modernas pude aceder a um manancial de informação que ficou registada no gravador de DVD durante os dias de ausência.

A mais interessante foi saber que, afinal, foram “apenas” 65.290 imbecis que votaram na execrável figura do beato de Santa Comba no concurso “Os grandes portugueses”.

Outra novidade interessante, verificada à chegada e ainda no rescaldo do Benfica-Porto, foi que o treinador do FCP, Jesualdo Ferreira, começa a “ficar farto” de ter que analisar os jogos “a posteriori” para detectar os prejuízos de que a sua equipa supostamente é vítima. Ouvindo tais declarações, apressei-me a ir à procura das imagens do jogo que provocassem o fartanço no dito treinador, provocadas por um suposto fora-de-jogo no golo do Benfica. A conclusão é que, tal como é habitual, os supostos prejuízos só existiram na imaginação delirante de quem os referiu. É triste ver uma pessoa que parecia ser ponderada a resvalar pela idiotice parola.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

domingo, 1 de abril de 2007

Rectificação à «Rectificação à "Notícia de última hora!"»



Por razões alheiras à noça vontade, o pus-te hanterior sa-iu cum lijeiricima grá-lha na fótó que em cimava o hartigo. Bem-ajão pe-la passiênssia!

Marteu Bisexual, repórter anormal

Rectificação à "Notícia de última hora!"


Lamentavelmente, e sem qualquer responsabilidade da nossa parte, o post anterior saiu com duas pequenas gralhas facilmente rectificáveis.
Certamente tereis detectado a ligeira discrepância entre o tema e a natureza da fotografia, só devida à ignorância de um estagiário que tem um curso superior dos modernos, em que se entra e sai sem saber português ou alinhar uma ideia entre dois neurónios. Podereis verificar que foi corrigida.
A outra foi uma pequena gralha: onde se lê "Salazar vai ser canonizado!" deve ler-se "Salazar vai ser canhonizado!"`
Às partes envolvidas, especialmente à canhoneira, pedimos as nossas desculpas. Já agora, ao Papa também.

Mateus Bichoso, repórter horroroso

Notícia de última hora!




Salazar vai ser canonizado!

Processo vai bem adiantado na Santa Sé e, apesar do secretismo, conseguimos saber por fonte bem colocada em Roma (numa das praças principais) que o principal milagre que lhe é atribuído foi o de conseguir manter um povo inteiro na ignorância, mesmo depois de morto e comidinho pelos bichos!

"Neim nózz, quê zomozz molto piú velhozz, conzeguimozz izo!", terá exclamado o papa, aturdido com a enormidade da graça.

Do vosso correspondente em Roma, directamente da Brandoa:

Mateus Bichoso, repórter horroroso