domingo, 24 de junho de 2007

O verme rastejou para fora do buraco


O Papa voltou a vomitar umas aleivosias contra o seu inimigo de estimação, o Sport Lisboa e Benfica. Esta execrável e nojenta figura veio acusar o Benfica de pagar uma viagem ao Luxemburgo à Leonor Pinhão, dizendo ter na sua posse uma factura que o comprova.
Para além de ser estranho ele ter essa factura, o que tem isso a ver com a viagem (ao Brasil ou ao México, não me lembro bem...) que o seu clube pagou aos irmãos Calheiros? Os mais desatentos estarão nesta altura a perguntar-se: mas qual é a diferença entre uma coisa e outra? É que a Leonor Pinhão é jornalista e sócia do Benfica. Os irmãos Calheiros eram árbitros de futebol. Estão a ver? Os jornalistas não arbitram jogos, pois não?
Invocou o dito verme a confiança na justiça divina. Pois é, o Don Corleone também era religioso e baptizava os filhos enquanto os seus capangas assassinavam os chefes das famílias rivais. O Al Capone também chorava na ópera enquanto os seus “cappos” limpavam o sebo a uns quantos polícias incómodos.
Eu prefiro invocar a justiça dos homens, e pode ser que esta o ponha no lugar onde ele devia estar há muito tempo. Pode ser que então o Pinto deixe de cantar de galo.

Kroniketas, sempre kontra as tretas