segunda-feira, 22 de agosto de 2005

Só vim aqui para dizer uma coisita

ou
Os nossos políticos são todos uns idênticos filhos da puta incompetentes


Era de esperar. Como o Kroniketas já aqui o disse, as moscas mudaram mas a merda continuou a ser a mesma.
É certo que este ano as condições de seca potenciavam a ocorrência de incêndios. Não choveu praticamente desde Outubro e tudo está seco e à espera do fogo.
É certo que as pessoas negligenciam a limpeza das matas e mesmo da envolvente das suas habitações. E com isso deixam acumular material combustível que serve de rastilho fácil para os incêndios.
É certo que muitos fogos são de origem criminosa. Mas como não se mudam cabeças de um dia para o outro, devia apostar-se na prevenção.
Mas precisamente por tudo isto o governo devia ter trabalhado na prevenção e na preparação dos meios de combate logo que tomou posse. Não foi assim… Os senhores ministros, secretários de estado, sub-secretários de estado, sub-sub-secretários de estado e demais tachistas precisavam primeiro de sentar bem o rabo no couro das cadeiras e no veludo dos sofás e refazer a decoração dos gabinetes, escolher umas secretárias boas ou parentela para os lugares sobrantes e descansar da azáfama das nomeações. Só foi em Fevereiro, eu sei. Seis meses não é nada para realizar estas tarefas tão importantes, só depois se podiam abalançar a coisas mais comezinhas, como não deixar o país arder.
É assim tão difícil planear e prever? Não temos técnicos competentes para o fazer? Vão buscá-los então ao estrangeiro – se fazemos isso no futebol, porque não aqui? Mas faça-se! Planeie-se! Adquira-se o que tem de ser adquirido e ponham-se os submarinos do Portas em banho-maria! Construa-se uma guarda florestal que vigie e previna, e dotem-se os bombeiros do equipamento de que necessitam!
Não podemos é continuar a alicerçar o combate em voluntários, por muito boa vontade que tenham (e têm, ninguém tenha dúvidas!).
Não podemos é continuar a alicerçar o combate em meios aéreos alugados todos os anos, delapidando o dinheiro de todos nós em negociatas pouco claras.
Não podemos é continuar indiferentes à inacção e à incompetência!
Os políticos de um país deviam ser constituídos por elementos de diferentes elites que, por diversos méritos, constituíssem bons governantes, activos ou potenciais, que servissem o país e fossem recompensados justamente por isso. Ao invés, não passam de uma escumalha onde poucos se destacam positivamente e a maior parte apenas quer encher os bolsos e beneficiar de mordomias escandalosas. E o pior é que a classe empresarial, na sua maioria, afina pelo mesmo diapasão – ou seja, dificilmente será daí que virá a iniciativa e a competência.
Estou farto de incompetentes! Estou farto de filhos da puta!
Pronto, já disse.

tuguinho, cínico chamuscado