sábado, 28 de fevereiro de 2004

Ladrando à Lua (11) - O Carnaval estragado

Passou o Carnaval e vimos nas televisões diversas notícias que davam conta de que os festejos estavam a ser prejudicados pelo mau tempo, estragando os desfiles das escolas de samba, entre outras coisas.
O ridículo da situação é precisamente esse: estamos em pleno Inverno, na época em que normalmente se atinge o pico do frio, o que é perfeitamente normal, uma vez que estamos no hemisfério norte. Então qual é o espanto de estar frio, chuva, neve? Nenhum! Mas a situação torna-se ridícula exactamente porque os promotores dos festejos carnavalescos, fazendo jus à nossa mentalidade pequenina e provinciana, teimam em querer fazer um Carnaval brasileiro (daí as escolas de samba), “esquecendo-se” que nesta altura, no Brasil, é o pino do verão, e as temperaturas andam acima dos 30 graus (ou até dos 40).
Se fossemos um país de gente normal e não de gente atrasada, preparávamos desfiles adequados à época do ano e adequados à chuva, ao frio e à neve que cai nalgumas zonas do país. Não consta que na Alemanha haja desfiles de samba. Não consta que em Veneza, um dos Carnavais mais famosos da Europa, as pessoas desfilem quase nuas. Porque é que em Portugal se insiste em querer fazer um Carnaval como se fosse verão?
O mais caricato foi ver o responsável pelo Carnaval da Mealhada, em camisola de manga curta e aos saltinhos para aquecer enquanto caía granizo, a dizer que aquela chuvinha era boa para arrefecer mas agora “vamos aquecer e preparar para o desfile”, esteja o tempo que estiver. O suposto “sambódromo”, obviamente, estava deserto e, mais tarde, o dito desfile sempre se realizou com as bailarinas quase nuas sob uns fantásticos 8 graus à chuva, enquanto o público assistia protegido por guarda-chuvas ou sacos de supermercado. Simplesmente ridículo.
Será que este país nunca mais evolui?

Kroniketas, sempre kontra as tretas