segunda-feira, 21 de julho de 2008

De luto pela língua portuguesa

Hoje é um dia triste para a língua portuguesa. O Presidente da República promulgou o malfadado Acordo Ortográfico que assassina a essência da língua e lança o caos nas regras que andamos a aprender há décadas. Simplesmente porque agora deixa de haver regras, é o vale tudo. Não há acentos, não há hífenes, não há “H”, e ainda há o pequeno pormenor de cada um poder escrever como fala.
Há algumas semanas José Pedro Gomes perguntava num artigo de jornal se vamos conseguir impingir aos brasileiros o “treuze”, a “runião” e o “pugrama”. Porque com este acordo eles é que nos vão impingir todas as tropelias que fazem à língua. Aliás, não sei mesmo se a partir de agora ainda valerá a pena ter um dicionário à mão porque os erros ortográficos praticamente vão deixar de existir. Que sorte para os alunos e para os que legendam os filmes e as notícias nos rodapés dos telejornais...
Por mim vou continuar a distinguir “fato” de “facto”, “ato” de “acto”, “pato” de “pacto”, “ora” de “hora”. E “homem”, passará a ser “omem”??? “Humano” passará a “umano”? Mas o “bonde” não passará a ser “eléctrico” (ou “elétrico”) e um “ónibus” não será um “autocarro”. Porque estas diferenças não há (ou “á”?) acordo que resolva.
Perdoai-lhes, senhor, porque eles não sabem o que fazem.

Kroniketas, sempre kontra as tretas e contra o acordo ortográfico