sexta-feira, 20 de junho de 2008

O triste fado português



Há coisas que nunca mudam, e o modo de ser português é uma delas. Não compreendo que qualquer português possa estar contente com a derrota da Selecção Nacional de futebol só porque não gosta do treinador. Mas isso é o espelho da nossa mediocridade e dum país de invejosos...
Portugal caiu nos quartos-de-final do campeonato da Europa aos pés (e cabeça) da Alemanha (como disse Gary Lineker, no futebol são 11 contra 11, há uma bola e no fim ganham os alemães) e mais uma vez ficou pelo caminho quando muitos já faziam a festa antecipada. Passamos sempre do 8 para o 80 e rapidamente da euforia para a depressão. Tão depressa somos os melhores do mundo como logo a seguir tudo é mau. É este o nosso fado, ficamos sempre aquém da glória esperada.
O adeus de Scolari à Selecção Nacional reflecte uma carreira em regressão: em 2004 fomos à final do Europeu, em 2006 ficámos pela meia-final do Mundial, em 2008 não passámos dos quartos-de-final do Europeu. Foi sempre em marcha-atrás e acaba por marcar o tempo certo para a despedida. Já quando ele perdeu a cabeça e deu um “tapa” no sérvio Dragutivonic eu tinha dito que o seu prazo em Portugal se esgotara. E confirmou-se agora, terminando tristemente sem honra nem glória. Se continuasse, o mais provável é que entrássemos numa fase de fracasso, pelo que saiu na altura certa.
Não deixa contudo de ser irónico que a despedida da Selecção do Europeu, e de Scolari da Selecção, fique assinalada por mais uma fífia monumental do guarda-redes Ricardo, um dos protegidos pela teimosia de Scolari. A sua falha clamorosa no terceiro golo alemão, quando a equipa perdia por 2-1 e tentava reerguer-se, afundou-nos de vez e matou as nossas hipóteses. O guarda-redes fetiche do seleccionador, que tantas vezes tinha ameaçado dar barraca, acabou por carimbar a nossa despedida e a de Scolari. Alguma vez as consequências acabariam por ser funestas, e como quase sempre acontece as maiores falhas ocorrem nas piores alturas.
Neste jogo do tudo ou nada Portugal falhou onde e quando não podia. Deu dois golos de avanço na primeira parte e sofreu dois de bola parada. Depois de ter sido analisado exaustivamente na televisão o golo sofrido contra a República Checa, também de bola parada, hoje acabámos por sofrer dois quase iguais, com falhas clamorosas a nível colectivo, o que mostra que não aprendemos nada com os erros anteriores e, ao contrário da Alemanha, não fizemos o trabalho de casa. Esta é uma das principais pechas do trabalho de Scolari, que sempre me pareceu muito limitado em termos técnico-tácticos. Nunca há um plano B para quando as coisas correm mal, os erros sistemáticos continuam a suceder e quando começamos a perder nunca conseguimos dar a volta a nosso favor. Basta lembrarmos que já tínhamos perdido a final de 2004 com a Grécia num golo de bola parada, outra vez com erros colectivos e individuais simultâneos, e agora voltámos a cair da mesma forma.
Também podemos questionar o porquê dos oito dias de descanso dados aos habituais titulares. Vendo as velocidades deste jogo, pergunta-se para que serviram, se os alemães foram sempre mais rápidos. No primeiro golo, 2 alemães conseguiram correr mais que 4 portugueses. Será que não acabou por ser descanso a mais? É que nunca conseguimos meter a 3ª velocidade.
Como se tudo isto não bastasse dentro do campo, ainda tivemos um verdadeiro folclore à volta da selecção durante a permanência na Suíça. Desde o anúncio da saída de Scolari na pior altura, “em cima” da passagem aos quartos-de-final, até ao folhetim Cristiano-Ronaldo-vai-para-Madrid-fica-em-Manchester (onde estava o melhor jogador do mundo quando mais precisávamos dele? Passou completamente ao lado deste campeonato), mais a ida de Deco a Barcelona fazer não se sabe o quê, parece que o hotel se transformou num centro de negociatas quando o que importava era ganhar os nossos jogos. Os nossos pseudo-craques que só querem contratos milionários nos grandes clubes da Europa, quando entram em campo e têm de mostrar o que valem nos jogos a sério, ficam reduzidos à sua insignificância. Muitos deles só são bons a jogar contra a Naval, o Paços de Ferreira ou o Estrela da Amadora...
Agora vem aí outro seleccionador e é altura de arranjar outro guarda-redes. Scolari deixa um legado de vice-campeão europeu e semi-finalista do mundial, o que é muito mais do que estávamos habituados. Mas também deixa a sensação de que nunca conseguiria ir mais além. Para mim já tinha atingido o seu limite de competência. O que alguns nunca lhe perdoaram foi ele não ter ido ao beija-mão do Papa e não se ter agachado perante os poderes instituídos. Esse foi o seu grande mérito. O meu grande receio é se com o próximo não voltaremos ao tempo da sabujice e da bandalheira habituais.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

PS: Por esta hora, o verme deve estar a abrir uma garrafa de champanhe...