quarta-feira, 11 de junho de 2008

Torrente de imbecilidades


Um destes fins-de-semana desloquei-me a uma localidade do Alentejo para um aniversário de familiar ancião. Até aqui nada de novo, pois já o ano passado o evento tinha ocorrido. Desta vez o restaurante do ano passado não estava aberto, pelo que o almoço foi realizado noutro espaço tipo-tenda, onde estava também uma excursão com pessoas de... Lisboa.
Até aqui também nada de novo, pois o espaço é grande e permite a realização de festas para muita gente (casamentos, baptizados, etc.), e há que rentabilizá-los.
Pior foi quando resolveram dar-nos música. Havia um espaço amplo parta dançar e a organizadora tem um acordeão electrónico que dá para uns bailaricos, e até aqui também nada de novo, pois música popularucha nestas festas é o que está a dar... Só que antes da dona entrar em cena, e para acompanhar o almoço, puseram a tocar uma compilação de músicas do Quim Barreiros! E aqui é que ficou tudo estragado.
Ouvir o “quero cheirar teu bacalhau, Maria” ainda passa e até tem alguma piada. O pior é que tivemos que levar com umas 20 músicas do indivíduo, o que estraga qualquer almoço. A torrente de imbecilidades naquelas “letras” é verdadeiramente dramática, e ouvindo-as todas de seguida é que nos apercebemos da verdadeira dimensão da insanidade daqueles “versos”. Mais grave ainda, à hora do lanche fomos brindados com uma segunda dose, como se a primeira não tivesse chegado!
Só que desta vez tive a paciência para ir registando algumas pérolas daquelas canções, que passo a transcrever, para que se perceba bem onde chega a vulgaridade e a brejeirice. Uma coisa é uma conversa de café entre amigos onde se usam todo o tipo de expressões mais libertinas. Mas fazer canções unicamente à base de trocadilhos fáceis sempre com insinuações brejeiras das mais vulgares é absolutamente insano.

Aqui ficam para que cada um possa apreciar:

“cada um lava o que quer, e há quem goste de lavar no rego”
“eu comi a sobra”
“há quem não goste de cuuuba, mas eu gosto, qual é a capital de cuba, habana meu amor”
“hoje de noite vou dar uma, vou dar uma, vou dar uma voltinha por aí”
“eu gosto de mamar nos peitos da cabritinha, mamo à hora que quero porque a cabrita é minha”
“Ó tio Quim, dê-me um autógrafo desses...”
“todos querem ver a greta, ou então tocar na greta, quem sabe beijar a greta, mas que grande sensação, ou fotografar a greta, ou até pintar a greta, queremos rever a greta, mesmo na televisão”
“quem pode pode, quem nao pode sai de cima”


Kroniketas, sempre kontra as tretas