segunda-feira, 10 de setembro de 2012

A vingança dos jotinhas

Lá diz o ditado: atrás de mim virá quem de mim bom fará. Para quem tanto se queria ver livre do Sócrates, o resultado da mudança está à vista.

Acredito piamente que a história não acaba assim e que Passos Coelho não baixará os braços enquanto não acabar o trabalho. De facto o trabalho ainda não está concluído, mas para lá caminha rapidamente. Por este andar, Portugal regressará a um nível de vida e desenvolvimento talvez equiparável ao princípio do século XX e voltará a ter uma população maioritariamente miserável e uma classe dominante que tudo devora. Talvez uma réplica da época dos czares da Rússia ou do xerife de Nottingham das histórias de Robin dos Bosques.

Aí, sim, Passos Coelho já poderá ir para casa descansado, porque já terá entregue todo o poder e riqueza aos seus amigos, terá destruído o tecido social e enterrado todas as conquistas do 25 de Abril. Nessa altura o trabalho já estará concluído.

Para combater um Portugal dos czares e um regime de trabalho neo-esclavagista, é preciso uma tomada da Bastilha e umas quantas cabeças cortadas, como na revolução francesa. Se esta corja que nos desgoverna sentisse o cuzinho apertado e se sentisse na iminência de ter que pôr-se em fuga, talvez fosse obrigada a mudar de rumo.

Razão tinha o Otelo Saraiva de Carvalho. O problema foi ter razão antes de tempo...

Portugal está a precisar de outro 25 de Abril mas agora a sério, sem cravos na ponta das espingardas!

Kroniketas, sempre kontra as tretas