domingo, 20 de abril de 2008

O lado parvo de Miguel Sousa Tavares

Na sua coluna do Expresso deste sábado, Miguel Sousa Tavares manifesta-se contra os habituais dislates de Alberto João Jardim, dizendo que faz parte do grupo, porventura escasso, dos que não acham Jardim “engraçadíssimo”. Eu também não acho, portanto também faço parte desse grupo.
É pena que MST não demonstre a mesma lucidez quando fala do seu querido FC Porto e do idolatrado Pinto da Costa. Neste país em que também a comunicação social é subserviente perante o poder (ou certos poderes), andamos há 30 anos não só a ler e ouvir alguns sabujos repetir até à náusea que Jardim é "engraçadíssimo", mas também que Pinto da Costa fala com "fina ironia", quando o que ele é, é um insolente e um boçal, um indivíduo sem respeito por nada nem ninguém, com insinuações miseráveis e execráveis que já o deviam ter levado à barra dos tribunais há muito tempo. É pena que MST não se disponha a repudiar as frases inqualificáveis que o “melhor presidente do mundo e arredores” vomitou nas últimas semanas, desde os vermes ao pó branco passando pela morgue. Um nojo acerca do qual MST não consegue opinar como homem íntegro e recto que julgo que ele seja.
Mas, como diz o tuguinho em relação ao MST quando toca ao FC Porto, “é o lado parvo dele...” E, por favor, não lhe falem de tabaco...

Kroniketas, sempre kontra as tretas