quarta-feira, 12 de março de 2008

As músicas da minha vida 3 - Setembro de 1975: Genesis - "Nursery Cryme"


Quem se queixa das dificuldades da actualidade, provavelmente não conheceu ou já não se lembra como era noutros tempos, quando o problema, mais do que não poder, era não haver. Vem isto mais uma vez a propósito da diferença com que se encarava o valor de uma coisa que hoje está banalizada, mas que na época era considerada de forma muito diversa. Ou seja, tudo isto para dizer que cada disco comprado ou oferecido era um pequeno tesouro que se ouvia vezes sem conta.
Já aqui me referi à primeira peça da minha colecção. A que hoje é tema deste post foi a terceira. A que fica no meio das duas ainda será tema um dia destes, porque os primeiros ficam sempre na memória…
Mas falemos agora desta obra que, não sendo a primeira que conheci do grupo, foi das que mais me marcou. Trata-se de “Nursery Cryme” dos Genesis, terceiro álbum do grupo, depois da estreia com “From Genesis to Revelation” – um disco em que já se detectavam algumas pistas do som característico da banda, mas ainda demasiado ténues e mascaradas – e de “Trespass”, o primeiro com ideias já bem alinhadas e som definido.
“Nursery Cryme” é um conjunto de canções ligadas por um certo universo onírico, mais do que por uma história conceptual bem definida. Logo a abrir apresenta o maior hino do grupo, que é quase uma declaração de intenções do que fizeram nos álbuns posteriores, com a excepção de “The Lamb Lies Down on Broadway”. “The Musical Box” é assim um espelho do que se tornaria o tema-tipo do grupo, com andamentos rápidos conjugados com instantes mais suaves e lentos, com a tradicional união da guitarra eléctrica de Steve Hacket com as teclas de Tony Banks, e a voz de Peter Gabriel a criando ambientes por si só – e nesta canção a terminar com o grito “Why don’t you touch me?” repetido até à exaustão. Aliás, e apesar de todos os membros serem músicos de primeira água e comporem também, foi Peter Gabriel a verdadeira alma dos Genesis. Ao abandonar o grupo após o álbum “The Lamb Lies Down on Broadway”, foi apenas uma questão de tempo até seguirem por caminhos que nada tinham a ver com o tipo de rock progressivo que até aí tinham desenvolvido – e isto não obstante ser posterior à saída de Peter uma das melhores obras do grupo, “Trick of the Tail”, em que ainda se exploravam os ambientes sonoros e as letras surreais típicos dos Genesis.
Mas “Nursery Cryme” tem um lugar especial na minha memória, tanto pelo momento em que o recebi (trazido da Alemanha pelo meu primo mais velho), como pela força da música que contém. E o próprio objecto em si, pois o álbum tinha capa dupla e no interior uma série de desenhos alusivos às histórias contadas cercavam as letras das canções – pois, há coisas que se perderam com os CD’s…
Além do tema referido, mais seis canções compõem o disco: “For Absent Friends”, balada curta e quase acústica, mas deliciosa, acaba por servir como ligação entre os outros dois temas que compunham o lado um; “The Return of The Giant Hogweed” é outro dos hinos dos Genesis, com uma sonoridade que faz lembrar “The Knife”, do álbum “Trespass” – vê-se aqui um Gabriel nas suas sete quintas, soltando a voz sobre um ritmo muito marcado, ilustrando mais uma estranha história sobre exploradores e plantas maléficas trazidas dos confins do império (britânico, of course!).
O lado dois abria com uma canção que nos fala de marinheiros, “Seven Stones”, e que quase parece um prólogo a “Firth of Fifth”, que surgiria dois álbuns depois em “Selling England by the Pound”; segue-se uma espécie de brincadeira, tanto na letra como na melodia, fazendo lembrar um pouco o Vaudeville – “Harold the Barrel”; depois vem outra balada curta e deliciosa, “Harlequin”, cheia de harmonias vocais típicas de algumas das canções do grupo, e que cintila como as chamas de uma lareira nos nossos olhos; o álbum fecha com outro tema de fôlego, espécie de contraponto a “The Musical Box”, bastante teatral, centrada numa história da mitologia grega, grand finale de 7 minutos que nos leva ao encerrar do pano – “The Fountain of Salmacis”!
Convém aqui salientar que os Genesis foram sempre o meu grupo favorito até ao advento do punk e da new wave, no fim dos anos 70 – e que depois da poeira assentar e nos deixarmos de radicalismos estéticos, olhando com atenção o que tínhamos ouvido no passado (passe a confusão entre os dois sentidos), voltou a ser considerado no lugar que devia.
Este para mim será sempre das melhores músicas da minha vida…


tuguinho, cínico musicado