domingo, 30 de janeiro de 2011

Ponham uma raposa nesta capoeira

VERGONHA! É a palavra que define o que se passa na Federação Portuguesa de Futebol, onde um grupo de dirigentes retrógrados das associações teimam em querer manter, contra tudo e contra todos, um poder decrépito e anquilosado, que foi ultrapassado pelo tempo. À boa maneira do Estado Novo, o regime dá os últimos estertores, desafiando a legalidade, o poder democrático da República e o Estado de Direito. Sempre sob a égide dessa figura sinistra da Associação de Futebol do Porto, que dá pelo nome de Lourenço Pinto, verdadeiro mentor dos golpes baixos que mantêm a longa tradição de “xitos” do tempo de outro Pinto, de seu nome Adriano, um autêntico cancro que minou o futebol português ao longo de décadas com golpes subterrâneos nas assembleias da federação, onde o único objectivo era deter o poder da arbitragem e da disciplina. Coincidência curiosa, este período coincidiu com a ascensão do principal clube da cidade…

Agora, o pseudo-legalista Pinto vem dizer que foi uma vitória da legalidade e do bom-senso. Um nojo! Já há tempo de mais que os Pintos mandam no futebol português. É preciso uma raposa que destrua de vez esta capoeira.

Kroniketas, sempre kontra as tretas