sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

A origem do problema…



A apreensão pela PSP de Braga de um livro denominado “Pornocracia”, que afixava na capa uma reprodução do quadro “A origem do mundo”, do francês Gustave Courbet (ver acima), causou grande agitação mas, simultaneamente, foi muito mal explicada. Que alguém fez queixa porque achou que não sei quê, disseram. Que foi por causa das criancinhas, afirmou-se noutro canal. Ora, nenhum tuga normal faz queixa por ver um livro com uma mulher nua na capa – é mais provável que obtenha vários exemplares, um para si e alguns para os amigalhaços. Quanto às criancinhas, meus amigos, aquela história da cegonha deixou de pegar desde que a Internet se vulgarizou. Portanto, concluí, a explicação tinha de ser outra! Não me decidindo a escolher nenhuma daquelas em que cogitei, aqui vão elas (as explicações) sem nenhuma ordem em especial:
- Explicação 1: os agentes Serafim e Gervásio toparam o livro e ficaram admirados por a Celestina, profissional conceituada da cidade dos arcebispos e fornecedora assídua de serviços lá pela esquadra, aparecer assim na capa; com receio de que aquilo viesse a dar bronca, trataram de fazer desaparecer o livro.
- Explicação 2: um tuga anormal (ver acima) fez mesmo queixa à polícia; quando confrontados com o facto de ser uma obra de arte do Courbet logo ripostaram: “até podia ser do Gargaleiro ou da dona Amália! É porno vai dentro, quero lá saber se é do curbê!”; veio depois a saber-se que a magistrada que tinha tratado do caso tinha vindo transferida dos lados de Torres Vedras…
- Explicação 3: o livro foi apreendido por constituir uma óbvia provocação ao primeiro-ministro, uma autêntica campanha negra! (se bem que esta até fosse arruivada…)
- Explicação 4: os agentes ouviram um professor dizer bem do livro e foram apreendê-lo; quando depararam com a capa viram que estavam certos e que aquilo era uma óbvia sátira à ministra da educação.
- Explicação 5: uma invejosa (e malfeitona) viu a capa e sentiu-se insultada; apesar de conseguir o que queria (a apreensão) saiu-se mal quando se insinuou junto do agente Gervásio e acabou na choça depois de levar umas bordoadas (sem sentido literal) “para aprender a ter juízo naqueles cornos” (SIC).
- Explicação 6: todas as anteriores.

Valter Rego, observador desassombrado