terça-feira, 29 de julho de 2008

Benfica - realidade ou ficção?

Escreve o Luso no blog Pontapé na atmosfera acerca do plantel benfiquista para a nova época e termina com uma pergunta: realidade ou ficção?
A minha resposta é esta: toda a estrutura do futebol do Benfica é uma ficção. Época após época, descarrega-se no estádio da Luz mais um contentor de jogadores. Depois da tragédia da época passada, este ano é mais do mesmo. Com tanto "reforço" já devíamos ser a melhor equipa da galáxia... e arredores, pois todos os dias mais alguém vem "reforçar" o plantel. Expectativas, já não as tenho, a não ser talvez conseguir ir à Taça Intertoto. Por isso em boa hora resolvi poupar os 160 € que me custaria a renovação do lugar cativo para ver espectáculos deprimentes. As grandes apostas nos talentos emergentes há um ano (Freddy Adu, Fábio Coentrão) agora transformaram-se em empréstimos provavelmente para nunca mais voltar. O que se pode dizer para já desta nova era com Rui Costa ao comando do futebol encarnado é que mudaram as moscas mas a merda é a mesma. A começar pela cadeira presidencial.
Vou mas é para a praia e não quero pensar mais nisto até começarmos a perder os jogos a sério do início do campeonato. Oxalá eu me engane e esteja a ser demasiado pessimista nesta altura, mas palpita-me que à 4ª jornada já vamos estar a uns 6 ou 8 pontos de distância do primeiro lugar.
É esperar para ver.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

Obrigado, JVP

João Vieira Pinto, o “menino de oiro”, como foi chamado, pôs fim à carreira de futebolista. É mais um da “geração dourada” do futebol português que pendura as botas. Agora só resta mesmo o Figo e o Fernando Couto.
Como benfiquista não quero deixar de agradecer a João Pinto tudo o que deu ao Benfica nos oito anos em que lá esteve, antes de ser vergonhosamente escorraçado para fora do clube por um vigarista e gatuno que em má hora os benfiquistas elegeram como presidente do Benfica e que mesmo passados oito anos de ter sido corrido pelos mesmos sócios ainda está a contas com a justiça.
João Pinto escreveu de águia ao peito algumas das páginas mais brilhantes da sua longa carreira e da história do clube. Enquanto teve companheiros à altura das toneladas de talento espalhou o perfume do seu futebol pelos campos do país arrastando consigo a equipa para alguns (infelizmente poucos) feitos que na altura não pareciam possíveis. Na memória de todos os adeptos ficará para sempre a inesquecível exibição no estádio de Alvalade (onde depois ainda viria a brilhar com a camisola do Sporting) que ajudou o Benfica a demolir o Sporting com uns inimagináveis 6-3, com ele a colaborar com os 3 primeiros golos só à sua conta ainda na primeira parte do jogo. Uma página de glória que marcaria o início da crise do clube que o levou a ao mais longo jejum de títulos da sua história.
Quando no final dessa época de 1993/94 o presidente Manuel Damásio despediu o treinador campeão Toni e foi buscar Artur Jorge ninguém imaginaria as consequências trágicas para o clube que a entrada do “rei Artur” teria. Com a conivência do presidente, Artur Jorge reduziu a pó em poucos meses uma equipa campeã nacional e décadas de mística e mentalidade vitoriosa. Se um furacão tivesse passado pelo estádio da Luz os estragos não teriam sido maiores. Mais de 10 anos passados o clube ainda não se recompôs do trabalho de demolição que Artur Jorge (talvez a mando do seu amigo Pinto da Costa) tão minuciosamente executou.
Durante os 6 anos seguintes a 1994 João Pinto ficou a pregar no deserto, tão medíocre era qualidade da equipa montada por Artur Jorge. Até à sua incompreensível saída em 2000 João Pinto carregou a equipa às costas ano após ano, ainda por cima com a responsabilidade acrescida de usar a braçadeira de capitão. Foi um esforço inglório porque andou todo aquele tempo muito mal acompanhado. Mas ninguém poderá apagar a carreira que o “menino de oiro” fez com a camisola encarnada vestida, entrando para a galeria dos 20 jogadores com mais golos marcados e dos 25 com mais jogos realizados (mais de 300).
Por tudo isto, obrigado João Pinto. A nação benfiquista não te esquecerá.

Kroniketas, sempre kontra as tretas

domingo, 27 de julho de 2008

Paraísos prostituídos

Mais um artigo notável de Miguel Sousa Tavares no Expresso desta semana. Com a devida vénia deixamos aqui a transcrição do mesmo.

“A primeira vez que passei uns dias de Verão em Porto Covo, ainda o Rui Veloso não tinha imortalizado a aldeia e a sua ilha do Pessegueiro, pouco mais havia do que aquela simpática praceta central, de onde irradiavam três ou quatro ruas para baixo, em direcção ao mar, e duas ou três para os lados. Tinha nascido uma pequena urbanização de casas de piso térreo, uma das quais me foi emprestada por um amigo para lá passar uns quinze dias. Havia a praia em frente, magnífica, e a angustiante dúvida de escolher, entre três restaurantes, em qual deles se iria comer peixe, ao jantar.
Nos dois anos seguintes, arrastado pela paixão pela caça submarina, aluguei uma parte de casa em Vila Nova de Milfontes, com casa de banho autónoma e duche no pátio interior, ao ar livre. Instalei-me com o meu material de mergulho e um pequeno barco de borracha, no qual ia naufragando quando o motor pifou e comecei a ser arrastado pela corrente do rio Mira em direcção aos vagalhões à saída da baía. Mas não era o sítio adequado para caça submarina e rapidamente troquei a incerteza da minha destreza pelo esplendor de uma tasquinha branca, de quatro mesas apenas, onde escolhia de manhã o peixe que iria comer à noite. Foram dias de deslumbramento, naquela que eu achava ser provavelmente a mais bonita terra do litoral português.
Mas foi Lagos, claro, a primordial e mais duradoura das minhas paixões. Tudo o que eu possa escrever sobre a fantástica beleza da cidade caiada de branco, com ruas habitadas por burros e polvos secando ao sol pregados aos muros, uma gente feita de dignidade e delicadeza, praias como nenhumas outras em lado algum do mundo, a terra vermelha, pintada de figueiras e alfarrobeiras, prolongando-se até às falésias que ficavam douradas ao pôr-do-sol, enquanto as traineiras passavam ao largo em direcção aos seus campos de pesca nocturnos, tudo isso parece hoje demasiadamente belo para que alguém possa simplesmente acreditar. Se eu contasse, diriam que menti - e eu próprio, olhando hoje Lagos, também acho que seguramente foi mentira.
A partir de Lagos, fui descobrindo todo o barlavento algarvio, cuja luz é tão suave que parece suspensa, como se não fizesse parte do próprio ar. Descobri a solidão agreste de Sagres, onde se ia aos percebes ou apenas olhar o mar do Cabo de S. Vicente, na fortaleza, que era rude como o vento e o mar de Sagres, e hoje é uma casamata de betão que, ao que parece, se destina a homenagear a moderna arquitectura portuguesa. Descobri o charme antiquado da Praia da Rocha, onde se ia à noite ver as meninas de Portimão, ou o «souk» em cascata de Albufeira, onde se ia ver as inglesas e dançar no Sete e Meio. E descobri outras terras de pescadores e veraneantes, como Armação de Pêra ou Carvoeiro, praias de areia grossa e mar transparente como eu gosto, cigarras gritando de calor nas arribas, polvos tentando amedrontar-me quando os olhava debaixo de água.
Não vale a pena contar. Quem teve a sorte de viver, sabe do que falo; quem não viveu, não consegue sequer imaginar. Porque esse Sul que chegava a parecer irreal de tão belo, esse litoral alentejano e algarvio, não é hoje mais do que uma paisagem vergonhosamente prostituída. Sim, sim, eu sei: o desenvolvimento, o turismo, a balança comercial, os legítimos anseios das populações locais, essa extraordinária conquista de Abril que é o poder local. Eu sei, escusam de me dizer outra vez, porque eu já conheço de cor todas as razões e justificações. Não impede: prostituíram tudo, sacrificaram tudo ao dinheiro, à ganância e à construção civil. E não era preciso tanto nem tão horrível.
Podiam, de facto, ter escolhido ter menos turistas em vez de quererem albergar todos os selvagens da Europa, que nem sequer justificam em receitas os danos que em seu nome foram causados. Podiam ter construído com regras e planeamento e um mínimo de bom gosto. Podiam ter percebido que a qualidade de vida e a beleza daquelas terras garantiam trezentos anos de prosperidade, em vez de trinta de lucros a qualquer preço.
E todos os anos, por esta altura, percorrendo estas terras que guardo na memória como a mais incurável das feridas, faço-me a mesma pergunta: Porquê? Porquê tanta devastação, tanto horror, tanta construção, tanta estupidez? Tanto prédio estilo-Brandoa, tanto guindaste, tanto barulho de obras eternas, tanta rotunda, tanta ‘escultura’ do primo do cunhado do presidente da câmara, e sempre as mesmas estradas, os mesmos (isto é, nenhuns) lugares de estacionamento, os mesmos (isto é, nenhuns) espaços verdes? Não, nem mesmo o mais incompetente dos autarcas pode olhar para aquilo e não entender a monumental obra de exaltação da estupidez humana que está à vista. Não, não é apenas incompetência, nem mau gosto levado ao extremo, nem simples estupidez. Em muitos e muitos casos a razão pela qual o litoral alentejano e o barlavento algarvio foram saqueados, sem pudor nem vergonha, tem apenas um nome: corrupção. Acuso essa exaltante conquista de Abril, que é o poder local, de ter destruído, por ganância dos seus eleitos, todo ou quase todo o litoral português. Acuso agora José Sócrates de não ter tido a coragem política de cumprir uma das promessas do seu programa eleitoral, que era a de progressivamente financiar as autarquias a partir do Orçamento do Estado, em exclusivo, deixando de lhes permitir financiarem-se também com as receitas locais do imobiliário - deste modo impedindo que quem mais construção autoriza, mais receitas tenha. Acuso o Governo de José Sócrates de ter feito pior ainda, inventando essa coisa nefasta dos projectos PIN (de interesse nacional!), ao abrigo dos quais é o Governo Central que vem autorizando megaconstruções que as próprias autarquias acham de mais. Acuso esta gente que só sabe governar para eleições, que não tem sequer amor algum à terra que os viu nascer, que enche a boca de palavrões tais como “preservação do ambiente” e “crescimento sustentado” e que não é mais do que baba nas suas bocas, de serem os piores inimigos que o país tem. Gente que não ama Portugal, que não respeita o que herdou, que não tem vergonha do que vai deixar.
Eu sei que não serve de nada. Ando a escrever isto há trinta anos, em batalhas sucessivamente perdidas - ontem por uma praia, hoje por um rio, amanhã por uma lagoa. E lembro-me sempre da frase recente de um autarca algarvio contemplando a beleza ainda preservada da Ria de Alvor e sonhando com a sua urbanização: “A natureza também tem de nos dar alguma coisa em troca!”. Está tudo dito e não adiante dizer mais nada.
Acordo às oito da manhã destas férias algarvias, longamente suspiradas, com o ruído de chapas onduladas desabando, martelos industriais batendo no betão e um pequeno exército de romenos e ucranianos construindo mais um projecto PIN numa paisagem outrora oficialmente protegida. “É o progresso!”, suspiro para mim mesmo, tentando em vão voltar a adormecer. Sim, o progresso cresce por todos os lados, sem tempo a perder, sem lugar para hesitações, como um susto. Tenho saudades, sim, dos sustos que os polvos me pregavam no silêncio do fundo do mar. E tenho saudades de muitas outras coisas, como o polvo do mar. Sim, eu sei: estou a ficar velho.”


E eu passo férias em Portimão há quase 40 anos e da ano para ano aquela cidade fica mais irreconhecível e mais insuportável. O que fizeram ali e na outrora belíssima Praia da Rocha, ainda hoje a minha praia preferida no Algarve, é um crime pelo qual alguém (ou muitos alguéns) devia ser preso!

Kroniketas, sempre kontra as tretas

segunda-feira, 21 de julho de 2008

De luto pela língua portuguesa

Hoje é um dia triste para a língua portuguesa. O Presidente da República promulgou o malfadado Acordo Ortográfico que assassina a essência da língua e lança o caos nas regras que andamos a aprender há décadas. Simplesmente porque agora deixa de haver regras, é o vale tudo. Não há acentos, não há hífenes, não há “H”, e ainda há o pequeno pormenor de cada um poder escrever como fala.
Há algumas semanas José Pedro Gomes perguntava num artigo de jornal se vamos conseguir impingir aos brasileiros o “treuze”, a “runião” e o “pugrama”. Porque com este acordo eles é que nos vão impingir todas as tropelias que fazem à língua. Aliás, não sei mesmo se a partir de agora ainda valerá a pena ter um dicionário à mão porque os erros ortográficos praticamente vão deixar de existir. Que sorte para os alunos e para os que legendam os filmes e as notícias nos rodapés dos telejornais...
Por mim vou continuar a distinguir “fato” de “facto”, “ato” de “acto”, “pato” de “pacto”, “ora” de “hora”. E “homem”, passará a ser “omem”??? “Humano” passará a “umano”? Mas o “bonde” não passará a ser “eléctrico” (ou “elétrico”) e um “ónibus” não será um “autocarro”. Porque estas diferenças não há (ou “á”?) acordo que resolva.
Perdoai-lhes, senhor, porque eles não sabem o que fazem.

Kroniketas, sempre kontra as tretas e contra o acordo ortográfico

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Tentámo-zo demover

Com a pré-época futebolística a começar vive-se agora o folclore das contratações em catadupa anunciadas diariamente nos jornais, a maioria das quais acabam em nada. Para o Benfica já foi anunciada para aí uma dezena de jogadores que não vieram, tal como aconteceu com o treinador após a saída de Camacho. Mas para começar já levámos um murro, ao deixar sair para o Porto o uruguaio Rodriguez, um dos melhores jogadores no desastre que foi a época passada, cuja situação se deixou arrastar até este desfecho.
Não pude estar na assembleia-geral do Benfica da passada semana mas li nos jornais que acabou de forma tumultuosa, com o presidente Luís Filipe Vieira a ser vaiado e escoltado pela polícia. Devo dizer que não me surpreende o sucedido porque tem havido um acumular de erros de gestão que se metem pelos olhos dentro e cada vez são mais as vozes contestatárias ao presidente que foi eleito com mais de 90% dos votos em 2003. As sucessivas asneiras, acrescidas de um discurso errático e demagógico, estão a fazer perder a paciência aos benfiquistas. E agora que a época futebolística terminou com um balanço quase trágico, Luís Filipe Vieira, sempre tão pressuroso a sacudir a água do capote enquanto ataca os críticos perante as câmaras da televisão, não foi capaz de enfrentar os benfiquistas no local próprio e responder às questões com que foi confrontado. O seu estado de graça acabou e a sua posição é cada vez mais frágil perante a massa associativa, e a saída do treinador Camacho pode ter anunciado o princípio do seu fim.
Visto agora à distância e já com mais frieza, o processo que culminou na saída de José António Camacho do Benfica suscitou-me algumas reflexões acerca do que se tem passado no meu clube.

1 - O momento escolhido por Camacho para sair pode não ter sido inocente. Ao bater com a porta com a equipa ainda no 2º lugar do campeonato mas em plano inclinado, afundando-se de jogo para jogo, e antes do 2º jogo com o Getafe para a Taça Uefa, Camacho parece ter-se preocupado sobretudo em salvar a pele. Evitou ser eliminado (quiçá humilhado) no seu próprio país por uma equipa quase desconhecida, o que prejudicaria a sua imagem, e assim pode sempre invocar a seu favor que deixou a equipa “ainda” no 2º lugar e “ainda” a lutar na Europa. Todas as perdas subsequentes não lhe poderão assim ser imputadas directamente, mas a verdade é que o desastre final era apenas uma questão de tempo. Assim, Camacho saltou do barco a tempo de salvar a pele antes de este se afundar.

2 - Ao sair pelo seu próprio pé, Camacho foi amigo do presidente. Evitou ao Benfica o gasto da indemnização (que seria a segunda na mesma época, depois da rocambolesca saída de Fernando Santos à 1ª jornada) e evitou que, numa fase mais adiantada da época, a situação chagasse a um ponto de tal forma insustentável que obrigasse o presidente a despedi-lo e porventura arrastasse o próprio presidente na enxurrada. Mas como se vê agora, Vieira não passou incólume pela tempestade.

3 - Em todo este processo, o menos inocente é o próprio Luís Filipe Vieira. Foi ele o responsável pela contratação de Fernando Santos (um claro erro de “casting”, apesar do seu apregoado benfiquismo que ele se apressou a renegar quando foi para o Porto em 1999 e voltou a renegar na hora da saída), pela sua manutenção no início da época passada, depois duma época anterior sem qualquer sucesso, e pelo seu imediato despedimento logo após o começo do último campeonato. Se o treinador não servia, não devia ter começado a época. Se servia para começar, não devia sair após um jogo. Assim, construiu-se um plantel à volta dos planos dum treinador para depois ser orientado por outro treinador. Isto faz algum sentido?

4 - Da mesma forma, foi Vieira que recuperou o amigo Camacho, que era tido entre uma facção dos benfiquistas (nunca foi o meu caso) como uma espécie de salvador da pátria. O tempo e os factos encarregaram-se de demonstrar que os regressos raramente são bem sucedidos, porque o tempo não volta para trás e não se pode repetir a história. Na sua anterior passagem pelo clube, em que ganhou uma Taça de Portugal contra o Porto de Mourinho, Camacho nunca mostrou ser um treinador capaz de virar um jogo a partir do banco, não ter soluções alternativas para lançar durante o jogo, uma espécie de “plano B” para a equipa (não sei porquê, mas parece-me que já disse isto em relação a Scolari...). Se não o tinha antes, não seria agora que o teria, e foi isso que voltou a acontecer. Só que à segunda vez o discurso da garra e de “muchas ganas” não foi suficiente para pôr a equipa a praticar um futebol minimamente aceitável. E com uma equipa que foi das que pior jogaram em Portugal na época passada (até o último classificado União de Leiria foi à Luz jogar melhor que o Benfica), só o querer e a garra podem chegar para ir ganhando alguns jogos aqui e ali à beira do fim, mas não resultam sempre, e quando se pede algum conteúdo àquele futebol (isto é, quando se joga contra equipas de alguma qualidade) o fracasso é inevitável. E quando é o próprio treinador a dizer que não sabe as causas para tanta mediocridade e a pior época de sempre em casa, nem consegue encontrar solução para o problema, então o próprio treinador torna-se parte do problema. Logo, só resta uma saída, que é a sua própria saída. E de quem é a culpa, em última análise? Do presidente que o foi buscar.

5 - Quando Luís Filipe Vieira disse que foi apanhado de surpresa com a demissão de Camacho e que “tentámo-zo” demover da sua decisão, só uma de duas coisas podem ser verdade: ou estava a dourar a pílula para parecer que estava muito solidário com o treinador, ou então estava muito distraído e foi o único a ser apanhado de surpresa. A saída de Camacho era apenas uma questão de tempo e só pecou por tardia.

6 - De repente, Luís Filipe Vieira descobriu que era preciso ter alguém a fazer a ponte entra a equipa técnica e a direcção. Vai daí, foi buscar Rui Águas à prospecção e promoveu-o a uma espécie de “José Veiga com funções mitigadas”. Foi buscar Shéu e de secretário-técnico promoveu-o a treinador-adjunto de Chalana. Ou seja, já com mais de metade da época decorrida promoveu uma mini-revolução na estrutura da equipa de futebol. Pergunta-se: se aquela estrutura era necessária, porque é que só se lembrou disso em Março? Onde é que isto se viu? Pelo meio desta trapalhada monumental, foi-se cozendo o Rui Costa em lume brando, dando-lhe um papel do tipo-pescada (antes de ser já o era) nas suas novas-futuras funções de director-geral para o futebol. Com essa destemperada promoção de Rui Costa fora de tempo ainda antes de ele estar fora do campo, o “maestro” foi tendo a sua imagem desgastada ainda antes de assumir qualquer função efectiva, sujeitando-se a todo o tipo de especulações (certamente injustas e imerecidas) que chegaram ao ponto de lançar a suspeição de que ele teria contribuído para a saída de Camacho (até houve quem falasse no abraço ao treinador após o empate com o Sporting em Alvalade como uma espécie de “beijo de Judas”). Depois disso Rui Costa, a par do seu papel de melhor jogador do Benfica dentro do campo, ao que se disse já foi tendo um papel relevante fora dele na escolha do futuro treinador e na definição de toda a estrutura do futebol do clube. Alguém já viu isto acontecer nalgum clube com um jogador em funções? Não terá Rui Costa ficado algo “queimado” ainda antes de começar? E não correrá o risco de também ele vir a ser triturado pela engrenagem, como resultado da postura errática do presidente, se as coisas correrem mal daqui para a frente?

7 - Luís Filipe Vieira tem-se especializado em sacudir a água do capote e atirar as suas próprias responsabilidades para cima de outros, supostos inimigos não identificados dentro e fora do clube. Sabe-se lá porquê, após o fracasso da operação-Getafe veio, mais uma vez, disparar em todas as direcções, invocando o nome de Vale e Azevedo a propósito de coisa nenhuma. Curioso é o facto de ele próprio se parecer cada vez mais com Vale e Azevedo na sua ânsia de agitar a bandeira dos inimigos internos e externos. Se se lhe pode creditar a reabilitação financeira do clube bem como um peso decisivo para a construção do novo estádio, a verdade é que após a saída de José Veiga da SAD o futebol caiu no caos. Depois disso lançou acusações em todas as direcções sobre os oportunistas, os demagogos e sobre os descarregamentos de jogadores, como se ele não tivesse lá estado o tempo todo e não fosse com o seu consentimento que tal aconteceu. E invocar Vale e Azevedo para desviar as atenções de si próprio só pode servir para enganar papalvos, porque Vale e Azevedo foi corrido do clube (em boa hora) em 2000, já lá vão quase 8 anos, e Vieira já vai quase em 5 anos de presidente, além de mais 2 como director da SAD. A quem é que ele quer atribuir culpas? Quem é que ele quer enganar? Deste tipo de conversa já basta, já dei para esse peditório.

8 - O plantel para a época passada foi construído de forma completamente anárquica, sem qualquer critério perceptível. De repente havia 7 esquerdinos e nenhum extremo-direito! Gastaram-se 9 milhões de euros em Cardozo quando por muito menos se podia ter mantido Miccoli. Vendeu-se Simão por um valor inferior à cláusula de rescisão (agora até o Bosingwa rendeu o mesmo ao Porto). Deixou-se sair Karagounis (o único jogador que podia substituir Rui Costa como verdadeiro organizador de jogo) e Manuel Fernandes em cima da hora da pré-eliminatória da Liga dos Campeões. E depois o director financeiro disse que havia 20 milhões de euros para gastar em aquisições. Então porque deixaram sair Simão? No meio deste caos, entre Janeiro de 2007 e Janeiro de 2008 saíram do clube nada menos que Alcides, Anderson, Ricardo Rocha, Manuel Fernandes, Karagounis, Karyaka, Simão, Miccoli, Kikin Fonseca. Resultado desta anarquia: a pior época de sempre em casa, o maior número de empates de sempre, a primeira vez em que houve menos vitórias do que empates e derrotas juntos, 2ª pior classificação de sempre e falhado o acesso à Liga dos Campeões. E o que disse o presidente? Que a presença na Liga dos Campeões não era fundamental!

9 - Toda esta barafunda mostra um clube sem rumo, um barco à deriva, em que as decisões parecem ser tomadas casuisticamente ao sabor dos acontecimentos. Não se percebe qual é a estratégia, que caminho se pretende seguir, que objectivos se pretende alcançar e qual é o plano para lá chegar. Segue-se uma rota completamente errática que se vai mudando conforme os obstáculos que surgem no caminho, ao invés de se traçar um rumo bem definido e delinear uma estratégia clara para o seguir.

10 - Vieira diz aos benfiquistas para estarem tranquilos porque “no futuro” iremos ganhar muitas vezes. Só não diz quando será esse futuro, se é amanhã ou daqui a 10 anos. O discurso é sempre para amanhã. Também diz que sabe muito bem o que pretende para o Benfica. Pois então já agora, se não se importa, conviria explicar aos benfiquistas o que é, porque eu não sei o que ele pretende para o Benfica e duvido que alguém saiba. Será que é só vender kits de sócio, encher a boca com o “maior clube do mundo” e continuar a perder? Já em tempos disse que se quisesse podia ganhar 3 campeonatos seguidos mas estaria a prejudicar o clube. Devermos chegar à conclusão de que perdê-los é que está a beneficiar o clube? Porque é que não respondeu aos benfiquistas na assembleia-geral? Terá perdido o pio? E pelo meio disto surgem notícias que dão conta da nova intenção de acabar com as modalidades, que ainda nos vão conseguindo dar algumas alegrias fracamente compensatórias?

Eu estou tudo menos tranquilo... e estou farto deste presidente.

Kroniketas, benfiquista sempre kontra as tretas

quarta-feira, 9 de julho de 2008

O que os outros disseram (XLIII)

“Há uma verdadeira quadrilha que se apodera do Estado para benefício próprio.”
(Clara Ferreira Alves, “O eixo do mal”, Sic Notícias, 8-6-2008)